Política

JUSTIÇA AUTORITÁRIA

Joesley e Wesley Batista ganharam imunidade de presente do autoritário e seletivo STF

quinta-feira 18 de maio| Edição do dia

Joesley e Wesley Batista, irmãos presidentes da JBS, receberam de presente do STF a imunidade, após entregar em delação o esquema que até então comprometeu Temer e Aécio, seja pelo vídeo com Temer recomendando a compra do silêncio de Cunha, seja com Aécio pedindo 2 milhões gravado em vídeo, e mais outros 60 milhões segundo a delação de Joesley.

O perdão veio do Ministro do Supremo Edson Fachin, que homologou o acordo das delações tal qual foram apresentadas pelo ministério Público Federal. O acordo entre MPF, STF e Joesley permite que ele e o irmão tenham total imunidade. Não terão tornozeleiras eletrônicas, nenhuma pena, sequer inquérito foi aberto pelo MPF contra os executivos.

No acordo, Joesley Batista terá que pagar meros R$ 250 milhões de reparação pelos atos de compra de políticos, no caso a compra do silêncio de Cunha ou o patrocínio da eleição de Aécio em 2014, até informações sobre a delação vazadas na imprensa. Só a JBS fatura anualmente 160 bilhões segundo levantamento do site UOL.

Além da imunidade, Fachin concedeu a liberdade para os executivos deixarem o país. Joesley já está de malas prontas para Nova Iorque.

Sua empresa, aliás, tem mais da metade de 80% de fábricas no exterior segundo levantamento do Valor Econômico, e 56 fábricas só nos EUA. Se não bastasse isso, o executivo ainda aproveitou o estrago que suas delações desestabilizadoras do governo golpista fariam na economia, e se antecipou comprando dólares em grandíssimas quantidades.

A Lava-Jato e o judiciário deixam as mãos livres dos grandes empresários neste caso, internacionais), em um autoritarismo totalmente seletivo enquanto 40% dos presos do país sequer tem julgamento, e que são em sua maioria negros. Mais uma mostra que não vai ser das mãos do judiciário racista e burguês que beneficia grandes capitalistas como os irmãos Joesley e Wesley, que pode vir uma saída progressista para a crise política neste país, ou mesmo a resposta para o problema estrutural da corrupção.

Lutemos por uma investigação independente, fim do sigilo de todas delações, fim dos privilégios aos políticos e empresários: que sejam todos julgados por júris populares! Lutemos por uma nova greve geral para derrubar as reformas e Temer e por uma constituinte imposta pela luta para acabar com o problema estrutural da corrupção, anular todas reformas de Temer e fazer os capitalistas pagarem pela crise!




Tópicos relacionados

Operação Lava-Jato   /    STF   /    "Partido Judiciário"   /    Operação Lava Jato   /    Poder Judiciário   /    Política

Comentários

Comentar