Política

PROFESSORES RS

Jairo Jorge congelou salários, ameaçou professores e foi denunciado por corrupção em Canoas

segunda-feira 13 de agosto| Edição do dia

Já são dezesseis anos que os professores e professoras da rede municipal de Canoas amargam sem nenhum aumento real de salário. Durante os oito anos em que foi prefeito, Jairo Jorge, pré-candidato ao governo do RS, em nada mudou essa situação e ainda ameaçou com repressão quando os educadores foram à greve.

Já são dezesseis anos, o equivalente a quatro mandatos de prefeito, sem que os professores da rede municipal de Canoas recebam aumento de salário. Em 2015 os professores iniciaram uma mobilização contra o prefeito Jairo Jorge, na época filiado ao PT, denunciando o descaso com a educação municipal e reivindicando reajuste de salário. Como resposta da prefeitura receberam ameaças e repressão.

As denuncias da época mostram que os professores contratados recebiam ligações com ameaças expressas de ruptura do contrato por parte de membros da prefeitura. Segundo as denúncias (ver aqui), a frase se repetiu com todos. “Tu ainda tem um ano de contrato, mas ele pode se rescindir a qualquer momento. Fique na escola amanhã”. O sindicato informou ainda que a Secretaria Municipal de Educação estava fazendo ata de presença dos professores nas escolas.” A mesma prática que Sartori aplicou pra tentar desmobilizar a greve em 2017, ainda que de formas distintas, já que Sartori ameaçou de demissão publicamente tentando gerar pânico - o que não conseguiu - enquanto Jairo Jorge atuou sorrateiramente, mas de forma igualmente brutal.

Na época, Jairo Jorge ainda era do PT e só rompeu depois das eleições de 2016, buscando um abrigo eleitoral mais seguro e a possibilidade de ampliar ainda mais o leque de alianças fisiológicas. Ele afirmou em entrevista ao Sul21: “Se o resultado da eleição aqui em Canoas e em Santa Maria tivesse sido outro, teríamos a possibilidade de abrir outros caminhos para o partido. Além disso, a decisão mais heterodoxa que tomei para definir uma política de alianças mais ampla sempre teve um considerável nível de tensionamento interno. O resultado da eleição em Canoas aumentou ainda mais esse questionamento”.

Governando contra os professores e a educação publica, com essa política de “alianças amplas” Jairo Jorge não poderia deixar de ter também um vasto histórico de denuncias de corrupção. Já na primeira eleição, foi alvo de acusações pois teria usado a gráfica da Ulbra – universidade onde foi pró-reitor, para imprimir seus materiais, o que seria corroborado pelo fato de que depois de eleito levou funcionários da universidade para o cargos de confiança na prefeitura. Também é acusado, nessa mesma eleição de receber dinheiro da Odebrecht via caixa 2, o que que nega. O que não da pra esconder, no entanto, é que ele recebeu doações legais da Odebrecht em 2012.




Tópicos relacionados

PDT   /    Economia nacional   /    Professores   /    Política

Comentários

Comentar