Internacional

INTERVENCIONISMO

Intervenção imperialista: "Se houver Constituinte, EUA imporá sanções"

A intervenção imperialista busca debilitar Maduro a poucas semanas da realização das eleições para uma Constituinte convocada para esse dia 30 de julho, assim como apoiar a oposição da MUD.

quarta-feira 12 de julho| Edição do dia

Representantes da direita republicana encabeçada pelo senador Marco Rubio saíram a dar um grande impulso para a oposição aglutinada na MUD a poucos dias do referendo que está impulsionando com relação a assembleia Constituinte, ameaçando diretamente o governo de Maduro.

O senador republicano pela Florida, publicou esta terça-feira uma serie de tuits referindo a situação na Venezuela, nos quais assegurou que se chegar a realizar a Assembleia Constituinte Nacional impulsionada por Maduro Estados Unidos imporá sansões ao Governo da Venezuela. Este mesmo anuncio foi feito pela senadora, também da Florida, Ileana Ross Lethinen.

Marco Rubio garantiu que “apoiaremos os esforços para alcançar a reconciliação e restaurar a ordem democrática na Venezuela. Mas o tempo está se esgotando”. “Reconciliação é possível na Venezuela se Maduro seguir este caminho. Mas que espere severas sansões dos EUA se assembleia constituinte se impor”, afirmou.

A juízo de Rubio, se devem realizar eleições gerais, liberar a todos os presos políticos e suspender a Constituinte que promove Nicolás Maduro. Ao que a ex chanceler Delcy Rpdíguez reponde: “hoje amanheceu um desses ‘malandruchos’ que se arrastam em Miami, que ameaça em dizer que se fazemos a Constituinte vão nos impor sanções desde os EUA. Bem, vão preparando-as porque no 30 de julho haverá Constituinte”.

Recordemos que o 3 de maio, um grupo de senadores republicanos e democratas de Estado Unidos apresentaram uma série de medidas com o claro objetivo de apoiar a oposição da MUD e aprofundar a pressão internacional sobre o governo de Maduro. O fazem aproveitando p firo cada vez mais bonapartista do governo de Maduro que inclui uma brutal repressão, a manutenção do estado de emergência e seus chamado à uma Assembleia Constituinte para suas próprias necessidades.

Entre os principais promotores dessa ofensiva estavam, entre outros, o senador Bem Cardin, o democrata mais destacado na Comissão de Relações Exteriores da Câmara alta; e o senador republicano Marco Rubio, quem preside a Subcomissão sobre o Hemisfério Ocidental do painel e é um aberto crítico do Governo de Maduro. Nesse então, as medidas apresentadas pelo grupo de senadores incluíam sansões a “indivíduos responsáveis de comprometer a democracia” ou estar envolvidos em corrupção.

E a medida de junho, na vésperas da reunião de chanceleres da OEA e a Assembleia Geral deste organismo no México, o secretários de Estado dos EUA, Rex Tillerson, declarou que estavam preparando uma “lista muito robusta” de membros do governo de Maduro para ampliar suas sanções “pelas violações de direitos humanos” na Venezuela. Definições completamente hipócritas vindo de um país como os EUA que não tem problemas em atacar, intervir e invadir países em qualquer parte do mundo, a apoiar ditaduras “amigas” ondo os negócios e aliados são mais importantes que a “democracia”.

A oposição dos socialistas revolucionários com respeito a farsa da Constituinte de Maduro nada tem a ver com os posicionamentos da direita da MUD nem do imperialismo. A maior intervenção dos EUA é para apoiar a direita da MUD, que já demonstrou suas credenciais golpistas no ano de 2002 (muito longe da “democracia” que pregam os senadores estadunidenses), e que acode a sua demagogia com seus chamado a um referendo para o 16 de julho enganando o povo trabalhador.

Os trabalhadores e o povo que já sofrem condições terríveis, com salários miseráveis, hiperinflação e desabastecimento, em meio a uma enorme crise econômica sob o governo de Maduro e que agora busca montar uma adulterada Constituinte, não podem espera mais que uma continuidade dos ataques a suas condições de vida de parte da direita, e de um plano intervencionista dos Estados Unidos.

Tradução Douglas Silva




Tópicos relacionados

Nicolás Maduro   /    Estados Unidos   /    Internacional

Comentários

Comentar