Política

INTERVENÇÃO FEDERAL

Integrantes do exército formam parte importante do crime organizado

Gilson Dantas

Brasília

terça-feira 27 de fevereiro| Edição do dia

Foto: Bruno Kelly

"No mundo inteiro a intervenção das Forças Armadas na segurança gera organizações criminosas mais violentas e militares mais corruptos. Experiências no Brasil mostram o mesmo. Por que acreditar que agora vai ser diferente?", é a pergunta do ex-secretário nacional de Justiça Pedro Abramovay.

A relação entre as facções criminosas e o Exército foi destacada foi tema de reportagem de El País, que traz à tona aquilo que não é muito noticiado pela grande mídia brasileira: as forças armadas não estão fechadas à corrupção, à semelhança de qualquer instituição do Estado burguês.

O caso de um sargento do Exército é de um mês atrás é atual e emblemático:

“Em 18 de janeiro deste ano o sargento do Exército Renato Borges Maciel, de 40 anos, dirigia seu carro, um Logan branco, pela Via Dutra. Na altura de Itatiaia, Rio de Janeiro, ele foi parado em uma blitz durante operação conjunta da Polícia Rodoviária Federal e da Polícia Civil. Vestido com sua farda verde-oliva, o militar tentou impedir, sem sucesso, que o veículo fosse revistado. No porta-malas foi encontrada uma carga pouco comum: 17 fuzis de assalto modelo AR-15, dois AK-47, mais de 40 pistolas de calibres variados, 82 carregadores para pistola, 39 para rifles e 50 tabletes de pasta base de cocaína. O arsenal, avaliado em mais de 3 milhões de reais, bastaria para armar um pequeno exército. E de fato iria. Mas não para as forças armadas regulares: a suspeita das autoridades é que Maciel, lotado em Foz do Iguaçu, no Paraná, vendia armas para facções criminosas fluminenses”.

O Rio de Janeiro lidera também o placar de roubos e desvios de armas de dentro das forças armadas. E há casos como o de outro sargento do Exército que, preso, foi acusado de ser “o maior armeiro do estado do Rio”, que operou por dez anos como fornecedor do crime organizado [Terceiro Comando Puro] e dispunha de uma oficina com maquinário de ponta para fabricar peças de armas e munições.

Confira abaixo os relatos do El País.

E levem em conta o momento político em que as forças armadas, na condição de instituição do Estado burguês, ganham mais peso no poder político. Pela primeira vez em vinte anos o ministro da Defesa volta a ser um general [acusado de compras sem licitação segundo saiu no G1], e com o Rio sob intervenção federal de outro general.

Politicamente já se sabe o quanto é importante “passar a cúpula política do país a limpo”, mas como imaginar que isso é tarefa de generais? Nossa experiência com eles mandando no país é conhecida e eloquente.

Em vez de fortalecer o poder político com generais, precisamos da convocação de uma Constituinte de massas, livre e soberana, onde a classe trabalhadora possa se expressar politicamente, para barrar essa escalada contra os direitos previdenciários e trabalhistas de quem vive do trabalho, e, ao mesmo tempo, travar um grande debate nacional, de massas, na linha de mudanças estruturais e também do regime político; de tal forma, por exemplo, que nenhum político e nenhuma autoridade de Estado ganhe mais que uma professora [e esta com o salário definido como básico pelo DIEESE].

Fora dessa via de massas, a escalada bonapartista do governo Temer ou o ativismo político do judiciário não levarão nosso país a bom termo.

Confira os relatos do El País:

“Com o anúncio da intervenção federal no Rio de Janeiro pelo presidente Michel Temer, o Exército passou a ser visto como uma espécie de “solução” para a crise de segurança pública fluminense – que já dura décadas. Mas, como o caso do sargento Maciel mostra, algumas vezes os militares são parte do problema. Infelizmente ele não foi o único integrante da caserna a formar aliança com o crime organizado. No dia 20 de outubro de 2017 outro sargento, Carlos Alberto de Almeida, 46, conhecido como Soldado, foi preso na Favela da Coréia, em Senador Camará, zona oeste do Rio. Ele foi acusado de ser “o maior armeiro do tráfico” no Estado. Com o militar foram apreendidos sete fuzis, seis pistolas e munição. Almeida foi preso junto com outros três homens no momento em que preparavam os fuzis que seriam entregues para integrantes de uma façção,

Segundo investigações preliminares, o sargento trabalhava há pelo menos dez anos como armeiro de uma fação em várias outras comunidades, como Dendê, Vila Aliança e Parada de Lucas. Lotado na Escola de Sargentos de Logística do Exército, ele possuía uma oficina com maquinário considerado de ponta, que permitia que ele fabricasse peças de armas e munições. Pouco antes de ser preso Almeida teria sido contratado por Rogério Avelino da Silva, vulgo Rogério 157, para fornecer armas para outra facção na Rocinha. Ele teria, inclusive, montado uma oficina na comunidade às vésperas do conflito entre o grupo de Rogério e de traficantes rivais. [...]

Por vezes as armas repassadas aos traficantes não vem de fora do país, como ocorreu com os fuzis e pistolas apreendidas no carro do sargento Maciel, todos contrabandeados do leste europeu via Paraguai. No ano de 2007 ao menos 9.000 munições foram roubadas por dois soldados do Depósito Central de Munição em Paracambi, Rio de Janeiro – o maior paiol da América Latina. O material, de calibre 7.62 compatível com armas de assalto, foi vendido ao Comando Vermelho por 150.000 reais.

Com o anúncio da intervenção federal no Rio a questão da segurança dos arsenais do Exército vem à tona: o Estado lidera o ranking de roubos e desvios de armas das forças armadas, de acordo com levantamento da TV Globo. Apenas em 2017 foram furtadas dez armas oficiais, sete do Exército e três da Marinha.

O conluio com traficantes não é exclusividade de militares das patentes mais baixas do Exército. Em dezembro de 2015, o coronel reformado Ricardo Couto Luiz, de 57 anos, foi condenado pela Justiça do Rio a dez anos de prisão por tráfico interestadual de drogas. De acordo com as investigações, os 351 quilos de maconha encontrados no carro do militar em Duque de Caxias seriam distribuídos em diversas favelas do Rio de Janeiro. Ele integrava uma quadrilha que trazia drogas do Mato Grosso do Sul para a capital fluminense. A defesa de Luiz afirmou que irá recorrer da sentença – ele já teve pedido de habeas corpus negado pelo Supremo Tribunal Federal.

Mas o fornecimento de armamentos não é a única maneira pela qual militares corruptos conseguem ajudar o crime organizado. Em 21 de agosto de 2017 um soldado de 19 anos do grupo de Artilharia e Campanha do Exército foi preso por suspeita de vazar para traficantes informações sobre operações das forças federais no Rio. Na mesma ação foram presos outras 17 pessoas, entre policiais militares e soldados.

Ex-militares também acabam se envolvendo com o tráfico e com as milícias. Levantamento do Ministério Público Militar apontou que de 1997 a 2007, apenas na Brigada Paraquedista do Rio, de 200 desertores da unidade, ao menos sete se envolveram com o tráfico. O relatório da CPI das Milícias, de 2009, apontou que um ex-paraquedista seria responsável por controlar os grupos paramilitares nas comunidades do Saçu e do 18, na zona norte do Rio”.

As citações do El País podem ser lidas no original




Tópicos relacionados

Intervenção Federal   /    Corrupção no Exército   /    Exército   /    Forças Armadas   /    Política

Comentários

Comentar