Internacional

CORONAVÍRUS

Imperialismo: a condição pré-existente do sul global

A pandemia de coronavírus apresenta uma crise sem precedentes que já teve efeitos prejudiciais sobre a classe trabalhadora global. Ela atingirá países já devastados pelo imperialismo de maneira ainda mais dura. Devemos exigir o fim das medidas de austeridade imperialista para que esses países combatam efetivamente a crise.

quarta-feira 25 de março| Edição do dia

Na esteira da pandemia global do COVID-19, as contradições do capitalismo na área da saúde estão escancaradas. A escassez está se tornando uma realidade clara à classe trabalhadora e aos setores oprimidos em geral. O mercado de ações sofreu um declínio recorde. Além disso, há escassez massiva de suprimentos médicos (como kits de teste e ventiladores), pessoas doentes estão sendo afastadas dos hospitais, os empregadores continuam recusando licenças médicas e não fornecem equipamentos de segurança adequados para os trabalhadores em posições perigosas. Se uma ação ousada não for tomada pela classe trabalhadora, os resultados poderão se tornar catastróficos em breve.

As condições parecem ainda mais terríveis para as nações sob o jugo imperialista. Por exemplo, em Gana, ferramentas imperialistas como o FMI tiveram efeitos prejudiciais. Como diz um morador de do país: "Nós não iremos ao FMI novamente; Gana não será mais prejudicada pelas condicionalidades do FMI. ” Altas taxas de juros da dívida nacional mantiveram a economia de Gana estritamente sob o controle do fundo.

Da mesma forma que outros países sobrecarregados com empréstimos do FMI, Gana implementou medidas de austeridade em larga escala e redirecionou fundos nacionais para quitar a dívida, levando à privatização dos serviços sociais. Esse ônus econômico desempenhou um papel importante na depreciação econômica de Gana. O país experimentou pouco alívio quando os pagamentos foram renegociados. Como resultado, está desarmado para lidar com a pandemia de coronavírus, especialmente porque a presença imperialista ainda é muito forte.

O coronavírus está se espalhando rapidamente pela América Latina e medidas extremas já estão sendo tomadas. Com 301 casos na Argentina, enquanto escrevo esta matéria, o país fechou completamente suas fronteiras a partir de 15 de março e impôs um bloqueio nacional lançando mão da polícia a partir de 20 de março. Mas medidas como essas não impedirão a propagação do vírus por si só. Mesmo agora, durante a quarentena imposta pelo Estado, muitos setores da classe trabalhadora (como os trabalhadores de call center) são forçados a continuar trabalhando. Para conter efetivamente a pandemia, o governo deve expandir a infraestrutura médica, conceder aos trabalhadores uma folga remunerada para limitar as interações sociais e impor uma moratória aos aluguéis, hipotecas, pagamentos com cartão de crédito e outras despesas.

No entanto, décadas de medidas de austeridade neoliberais dilaceraram as economias da América Latina, minando a capacidade desses países de dar uma resposta eficaz para a crise. Países como a Argentina são prejudicados pela dívida com o FMI e empresas privadas. Medidas de austeridade, que atingem principalmente a classe trabalhadora, são implementadas para pagar a dívida. Por exemplo, houve um aumento na idade da aposentadoria dos trabalhadores do setor público e o custo das tarifas de ônibus triplicou. Essas medidas de austeridade estão sendo implementadas para redirecionar fundos para centros imperialistas como os EUA, tornando impossível para esses países articular uma resposta efetiva para o combate ao surto.

A escassez de suprimentos médicos e infraestrutura nos países da América Latina só se tornará mais evidente à medida que o vírus se espalhar na região. Embora a Argentina possua um sistema público de saúde, os hospitais já estão sobrecarregados, estando diversas seções dos hospitais já em sua capacidade máxima.

Além disso, as sanções dos EUA estão prejudicando gravemente países como Venezuela, Irã e Cuba. Essas sanções implementam bloqueios que impedem a entrada de suprimentos médicos essenciais e alimentos nesses países. A escassez de alimentos e suprimentos como resultado de sanções e medidas de austeridade imperialista estão apenas tornando esta assustadora crise de saúde ainda mais mortífera.

Em um caso mais recente, o presidente venezuelano Nicolas Maduro solicitou um empréstimo ao FMI de US $ 5 bilhões para combater o coronavírus. As sanções de longa duração impostas pelos EUA dizimaram o setor de saúde da Venezuela nos últimos cinco anos, ocasionando redução da infraestrutura e escassez de suprimentos médicos. Sem surpresa, o FMI, controlado pelos EUA, rejeitou o pedido considerando uma manobra política - os EUA e seus aliados reconhecem Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela e querem estabelecer sua liderança.

Além disso, os EUA continuam a bombardear o Iraque durante esse período! Numa época em que é necessária uma resposta internacional coordenada, os EUA, o centro da capital, ainda priorizam a pilhagem imperialista.

O imperialismo neoliberal prejudicou severamente as condições da classe trabalhadora internacional de enfrentar a crise da saúde. À medida que a pandemia se agrave para a classe trabalhadora precária dos EUA devido à exploração capitalista, a situação se tornará ainda pior nos países que enfrentam a austeridade imperialista. Nestes tempos excepcionais, mais do que nunca, a solidariedade internacional da classe trabalhadora é de máxima importância. Todos os movimentos contra o estado para enfrentar a crise, daqui em diante, devem ter uma perspectiva internacionalista.

Devemos exigir que o FMI cancele imediatamente todos os pagamentos de dívidas, que os EUA encerrem todas as ocupações militares e que todas as sanções sejam suspensas para que esses países redirecionem todos os fundos nacionais para enfrentar a crise sanitária e obtenham os suprimentos médicos necessários para efetivamente combater a pandemia.




Tópicos relacionados

Coronavírus   /    Imperialismo   /    Internacional

Comentários

Comentar