Mundo Operário

ESTADO ESPANHOL

Grevistas fazem chamado para ocupar fábrica da Nissan em Barcelona para impedir seu esvaziamento

Diante da greve em defesa de milhares de empregos, a empresa tenta transferir material para outros escritórios. Os trabalhadores da empreiteira Acciona convocaram a resistir.

terça-feira 7 de julho| Edição do dia

Os trabalhadores da Acciona, empreiteira multinacional espanhola, apelam a ocupação das fábricas da Nissan para impedir a transferência de material e apoiar a greve em defesa de milhares de empregos. "Ocupação das fábricas para defender nossos empregos e nacionalização da empresa e os subcontratados sem indenização e sob o controle dos trabalhadores", explicam em um comunicado da CGT Acciona.

Os trabalhadores e trabalhadoras da Acciona nas fábricas da Nissan estão desde as 05h da manhã da segunda-feira impedindo que a empresa possa levar o material de Nissan Barna3 para garantir a produção na fábrica há em Ávila.

Ao mesmo tempo, a equipe da Acciona, que está presente agora mesmo neste piquete nos portões da fábrica da Nissan, faz um apelo a todos que se solidarizem e ocupem as fábricas para impedir a transferência. Em uma declaração do Comitê de Trabalhadores de Acciona, "NISSAN e ACCIONA riem dos trabalhadores", eles pedem que todos se reúnam nesta segunda-feira, 6 de julho às 05h, no Nissan Barna 3 (Rua 60, no. 13-15).

Os trabalhadores denunciam que "durante este fim de semana descobrimos que a Acciona-Nissan pretendia levar peças de reposição do armazém Nissan Barna3 para garantir a continuidade da produção na fábrica de Ávila".

Os trabalhadores da Acciona consideram que "é um verdadeiro insulto às e aos trabalhadores. Eles querem continuar produzindo e obtendo benefícios, ao mesmo tempo em que organizam o fechamento das fábricas da Nissan e dezenas de subcontratadas condenando milhares de famílias ao desemprego e à miséria. Não vamos permitir! "

Diante disso, "desde o Comitê de Trabalhadores, CGT, CSIF, USOC, delegados independentes e as e os trabalhadores da Acciona, temos impulsionado a organização de um acampamento de resistência na porta do armazém, para impedir que possa sair qualquer peça em direção à fábrica de Ávila. Não aceitaremos que a Acciona, a Nissan e o resto dos subcontratados continuem a brincar conosco e com o nosso futuro".

"Hoje é a Acciona, mas amanhã serão os demais subcontratados e a mesma Nissan que removerão as máquinas e esvaziarão as instalações para garantir definitivamente o fechamento. Por esse motivo, é importante que se chame imediatamente a ocupar as fábricas da Nissan, assim como as instalações de todas as subcontratadas, com o objetivo de impedi-los de remover um único parafuso ", explicam.

Os trabalhadores da subcontratada da Acciona reconhecem que "sabemos que estamos enfrentando o poder de uma grande multinacional, mas também sabemos que temos o apoio de milhões de trabalhadores e trabalhadoras na Catalunha e no resto do Estado. Tanto a ocupação das fábricas para defender nossos empregos, como a nacionalização da empresa e das subcontratadas sem indenização e sob o controle dos trabalhadores, seriam vistos com grande simpatia por milhões de pessoas. Querem colocar as consequências da crise nas costas da classe trabalhadora, ao mesmo tempo que continuam a gerar lucros multimilionários ".

Em outro comunicado para a ação desta segunda-feira, eles também fazem um apelo para que: "NEM PARA AVILA, NEM PARA QUALQUER LUGAR, DAQUI NÃO SAI NEM UM ÚNICO CAMINHÃO"

E eles explicam que desde a CGT Acciona "nossa única luta é a continuidade de todos e cada um dos postos de trabalho, tanto da Acciona quanto de todas as empresas em torno da Nissan" e que dentro dessa luta, desde CGT, temos deixado clara nossa posição; das fábricas e armazéns da Nissan não se permitirá remover nem um só parafuso.

O fracasso do conselho de trabalhadores. A responsabilidade urgente da esquerda sindical e política

Desde o início do conflito na Nissan, a direção do CCOO propôs um programa de plano industrial em que liga o futuro dos trabalhadores e trabalhadoras aos bons negócios da empresa. Já vimos no início da crise a velocidade com que eles acordam com o CEOE e o Governo em ERTEs que expressam custo zero para as patronais.

As ilusões de que trabalhadores e as patronais podem "remar juntos na mesma direção" também tem vindo de parte dos sindicatos, que hoje mais do que nunca teriam que funcionar como verdadeiras ferramentas de luta e organização no combate contra todas as ilusões utópicas de um possível "plano industrial” da mão de empresários e governos.

Essa ilusão reacionária faz com que se concentre todos os esforços na busca de alianças com administrações institucionais, em vez de buscá-las junto a outros grupos, como trabalhadores da saúde e outros em luta para gerar uma rede de solidariedade ativa que atue como uma verdadeira fortaleza de combate. Essa perspectiva não ajuda a se preparar contra um fechamento duríssimo para a vida das famílias dos trabalhadores.

Também não é compreensível que sindicatos de esquerda como o CGT, que é parte do comitê de trabalhadores da Nissan - formado por Sigen - USOC, CCOO, UGT e CGT - não proponham um programa alternativo. Não se pode confundir a necessidade de unidade, sempre para lutar pelos postos de trabalho, com a assimilação de um sindicato patronal.

Hoje, os trabalhadores da subcontratada Acciona estão apelando para a ocupação da fábrica. A CGT na Catalunha e em todo o Estado deveria mobilizar toda a militância e filiados em apoio a essa luta.

Mas esse apelo, para que não fique como um brinde ao sol, teria que ser acompanhado por todas as seções sindicais da CGT, juntamente com as outras fábricas que o compartilham, promovendo assembleias dos trabalhadores das subcontratadas e da Nissan, onde eles possam discutir, votar e organizar piquetes massivos que realmente impeçam que saia um único um parafuso.

É imprescindível que as organizações da esquerda anticapitalista e revolucionária, sindicais, combativas e setores de trabalhadores de todo o Estado, apoiem ativamente essa greve de testemunhas para toda a classe trabalhadora. Esse apoio ativo é tão necessário quanto uma proposta alternativa: ocupação e nacionalização sem indenização, sob controle dos trabalhadores.




Tópicos relacionados

Nissan   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar