Internacional

EXTREMA ESQUERDA NAS ELEIÇÕES FRANCESAS

Grande ato de lançamento de Philippe Poutou, candidato operário e anticapitalista na França

Em uma sala lotada na periferia parisiense, se realizou o primeiro ato da candidatura anticapitalista do NPA (Novo Partido Anticapitalista) na França.

sábado 25 de março| Edição do dia

Mais de 250 pessoas seguram atentamente o discurso do candidato do NPA, que foi precedido por intervenções dos protagonistas de várias lutas operárias e estudantis.
A França tem um candidato operário e anticapitalista para estas eleições. Depois de ter conseguido superar todos os obstáculos antidemocráticos da Lei eleitoral, Philippe Poutou, operário da Ford, apresentou seu programa político para a disputa eleitoral presidencial.

Neste primeiro ato oficial de campanha após a validação das candidaturas pelo Conselho Constitucional, os meios de imprensa se acotovelaram na porta (entre eles, RMC, CéNews, a imprensa local e nacional como Le Figaro, Le Parisien e Libé). No dia seguinte, o ato teve grande repercussão, com artigos especiais em Le Figaro e Le Monde.

Desde a tribuna, Philippe Poutou questionou a idéia que os capitalistas querem naturalizar: de que seria preciso aceitar que Bernard Arnault, a primeira fortuna mundial, à frente do grupo LVMH, possua 40 bilhões de euros, mas que a intenção de combater a precariedade, os problemas de moradia e o desemprego seria uma utopia.

O programa do NPA que adiantou Poutou trata de dar respostas políticas aos problemas que se querem apresentar como “insolúveis”: partilha das horas de trabalho até a eliminação do desemprego, contratação massiva nos serviços públicos e proibição das demissões, nenhuma pensão, aposentadoria ou salário abaixo dos 1700 euros para que se possa viver dignamente. Impossível? Quem disse que a luta de classes não pode mudar as condições impostas pela burguesia? Com esta mensagem potente estreou a candidatura anticapitalista.

Uma tribuna para a luta

A impressionante tribuna oferecia uma imagem simbólica de tudo o que os subúrbios parisienses podem mostrar em termos de raiva, luta e combate. Assim o assinalou desde o cenário Elise Lecoq, professora do departamento 93 [um departamento da periferia de Paris, com cidades dormitório de caráter operário e imigrante]

Ghislaine Tormos, ex-grevista da fábrica de PSA Aulnay, atualmente em PSA Poissy, descreveu em sua intervenção como vive a exploração em seu posto de trabalho, na cadeia produtiva de automóveis, uma trabalhadora filiada à CGT.

Depois, Cyril, da Companhia de Teatro Jolie-Môme, evocou a repressão sofrida por aqueles que lutavam contra a Lei do Trabalho (a Reforma Trabalhista de Hollande de 2016). Também se referiu ao que representa a cultura para a classe trabalhadora, a forma na qual as políticas de austeridade nos privam o acesso à mesma.

Estudante e trabalhador temporário, Nathan, militante da Juventude do NPA em Paris 8 [importante Universidade parisiense] descreveu o dia a dia de todos estes jovens que além de estudar na faculdade, são condenados à precariedade para financiar seus estudos. Uma situação sofrida por metade dos estudantes. “Se a precariedade é uma norma, é preciso combatê-la com a organização e a luta”, assinalou Nathan.

A professora e militante do NPA Elise Lecoq relatou com detalhe as condições particularmente duras dos jovens dos bairros periféricos: sendo alvo de pressões permanentes da polícia, controles e estigmatização. Toda uma tentativa de disciplinamento para convertê-los em mão de obra barata para o patrão.

Anasse Kazib, maquinista e delegado sindical em Bourget, tomou a palavra também para explicar a relação entre o desmantelamento dos serviços públicos e a degradação das condições de trabalho, nomeando os casos de suicídio e definindo-os como “crimes patronais”, como no caso de Edouard, seu companheiro de profissão em Saint-Lazare.

Nossa bandeira

Poutou insistiu em qual deve ser a bandeira de luta da classe operária. Ainda que no Século das Luzes os estandartes tricolores eram agitados tanto pela esquerda quanto pela direita, o chauvinismo e os discursos patrióticos servem apenas para dividir nossa classe ou fazê-la crer que estará mais protegida dentro de “suas” fronteiras. O candidato presidencial do NPA sublinhou que “nosso projeto é inseparável da idéia da unidade internacionalista”.

Sem nomeá-lo, mas dialogando com aqueles que estariam tentados a votar em Jean-Luc Mélenchon, parte do neoreformismo na França, Poutou mostrou como a abertura das fronteiras, a solidariedade com os povos em luta, começando pelo povo palestino, assim como um programa internacionalista, são fundamentais para a capacidade da classe trabalhadora e a juventude de lutar e enfrentar a direita e a extrema direita, sem cair na lógica do “voto útil” em candidatos que querem apenas administrar o capitalismo imperialista com discurso “humano”, como Mélenchon.

Numerosos jovens, trabalhadores públicos e do setor privado, moradores de bairro que chegaram de todos os cantos da cidade de Paris, sentiam como próprias as consignas lançadas desde a tribuna. O debate na sala, desde a primeira rodada de intervenções, permitiu abordar também a questão das baixas pensões, a questão da ecologia e das energias renováveis e concluir com várias intervenções sobre as perspectivas internacionalistas.

As eleições são uma tribuna, assegurou Philippe Poutou. Então, por que apresentar-se a eleições que não vão mudar nada em si mesmo para nossa classe? Para difundir uma mensagem de combatividade e luta, de preparação para as lutas futuras, um programa anticapitalista. Philippe recebeu o apoio entusiasta de uma sala vibrante e disposta a militar pela campanha nos locais de trabalho, institutos, escolas e bairros.

* Publicado originalmente em Révolution Permanente, parte da rede internacional de diários Esquerda Diário, impulsionado pela seção da Fração Trotskista pela Quarta Internacional na França, Corrente Comunista Revolucionária.




Tópicos relacionados

Eleições na França   /    Internacional

Comentários

Comentar