Sociedade

CORONAVÍRUS

Governo Covas ordena a sub-notificação dos casos de coronavírus em 37 postos de saúde

A secretária de saúde do Governo Covas orientou que pelo menos 37 postos de saúde não contabilizem mais os casos de coronavírus que não forem graves.

quinta-feira 2 de abril| Edição do dia

Imagem: João Alvarez/ FolhaPress

A CNN teve acesso a e-mails internos da Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo e de uma organização social de saúde, chamada Centro de Estudos e Pesquisas Dr. João Amorim (Cejam) que confirmam que pelo menos 37 postos de saúde de São Paulo estão orientados a só notificar os casos graves de coronavírus ao Ministério da Saúde.

Segundo noticiado na CNN, o setor de Vigilância em Saúde do Cejam informou via e-mail: “Não iremos mais notificar a população em geral, somente profissionais da saúde com queixa respiratória (síndrome gripal), este deverá ser notificado no site do Ministério e coletar o swab, não abrir SINAN”.

O Cejam tem com mais de 80 serviços e programas de saúde nos municípios de São Paulo, Mogi das Cruzes, Rio de Janeiro, Embu das Artes e Campinas. Na capital, gerenciam os serviços de saúde do bairro Jardim Ângela e Capão Redondo, na zona sul, totalizando 30 Unidades Básicas de Saúde (UBS) e 164 equipes, atendendo cerca de 614 mil habitantes nas duas regiões. O Cejam também conta com sete serviços de Assistência Médica Ambulatorial (AMA).


Imagem: CNN

Segundo o infectologista Jean Gorinchteyn, essa medida aumenta os casos sub-notificados, junto a falta de testes, distorce o quadro real da Covid-19: "O Ministério da Saúde está realmente otimizando, assim como Secretarias de Estado da Saúde, o maior número de testes possíveis que vão ser realizados na população que apresente menos sintomas, portanto não obrigatoriamente necessitando internação. Por enquanto, casos que estão sendo revelados pelas estatísticas revelam tão somente os casos que foram internados, assim como aqueles que evoluíram a óbito. Os demais casos, que devem ser milhares, ainda não foram identificados."

Essa medida criminosa do Governo Covas tem relação direta com o fato de que em São Paulo, 201 pessoas serão testadas por coronavírus só depois de mortas. É preciso que hajam testes massivos para a população e que todo o aparato produtivo do país esteja voltado a responder o coronavírus.

Os prefeitos e governadores querem fazer crer que são a saída ao terrível obscurantismo de Bolsonaro, mas na verdade, não só não estão fazendo tudo o que podem para conter a pandemia, como mandam os hospitais falsificarem resultados, tudo isso para ficarem bem perante a opinião pública. É preciso de um verdadeiro plano de emergência que avance sob a propriedade privada, que coloque todos os hospitais privados a serviço de combater a pandemia, a taxação das grandes fortunas e o não pagamento da dívida pública.

Informações: CNN




Tópicos relacionados

Coronavírus   /    Bruno Covas   /    Sociedade   /    Saúde

Comentários

Comentar