Internacional

IMPERIALISMO

Gasolina do Irã, sanções imperialistas e o direito soberano da Venezuela

Em meio à grave crise de escassez de gasolina, o governo de Maduro procurou o Irã para se abastecer. Cinco navios-tanque partiram do território persa. O imperialismo ianque sustenta que aplicará suas miseráveis sanções, a oposição de Guaidó até pede ajuda para impedir a chegada dos navios. A Venezuela tem todo o direito de comercializar ou receber gasolina de quem considerar necessário, e não do que é determinado por uma potência imperial estrangeira. As sanções no meio da pandemia caem mais brutalmente contra o povo.

domingo 24 de maio| Edição do dia

Fala-se de quatro ou cinco petroleiros (Fortune, Forest, Petunia, Faxon e Clavel) que envolveriam pelo menos 1,4 milhão de barris de gasolina. Eles partiram no final de abril e na semana passada cruzaram o Canal de Suez para chegar ao Mar Mediterrâneo. O primeiro deles poderia chegar aos portos venezuelanos nesta semana, mas sanções e ameaças imperialistas já despejadas por Washington põem em risco a chegada de navios iranianos.

A Venezuela está em uma escassez brutal de gasolina, o que afeta até o fornecimento para a operação de tarefas de produção agrícola e para o transporte de alimentos do campo para os mercados. Por cerca de dois meses, a distribuição ficou severamente restrita apenas a veículos pertencentes a setores prioritários (alimentos, saúde, produção, bombeiros, forças de segurança etc.), trazendo consigo um novo episódio de máfias e negócios militares ilegais. São eles que controlam a distribuição - cobrando em dólares para permitir o acesso das pessoas a gasolina -, com episódios dramáticos de mortes de pessoas doentes que não puderam ser transferidas para onde deveriam ser tratadas, devido à falta de um veículo com combustível.

O país precisa desesperadamente importar tanto diesel quanto gasolina, bem como os produtos com os quais concluir o processo de produção local desses combustíveis, para manter uma operação mais ou menos “normal”, em meio a um colapso econômico com Maduro, aprofundado pelas sanções dos EUA. A imposição de sanções de Trump impede a importação do que o país precisa. A Venezuela, obviamente, produz petróleo e derivados, mas sua infraestrutura foi paralisada durante a crise econômica.

Os problemas de combustível começaram muito antes das sanções devido à queda no refino na Venezuela, que tem capacidade total de 1,3 milhão de barris por dia (bpd) de processamento de petróleo. As principais refinarias do país estão em crise, justamente pela falta de investimentos oportunos e adequados. Situação levada pelas políticas de Maduro, que optaram por priorizar o pagamento da dívida externa a credores internacionais quando esses fundos eram necessários para sustentar um setor que já previa a queda de sua receita, após os baixos preços do petróleo no início do ano de 2014. Isso também trouxe à tona os problemas que a PDVSA estava acumulando com um sobre-endividamento do período anterior sem qualquer necessidade, uma vez que já com Chávez se iniciou uma enorme fuga das potenciais "poupanças nacionais" (através da transferência de renda pública do petróleo, calculado hoje em 500 bilhões em contas estrangeiras de empresários e banqueiros venezuelanos), recursos que deveriam ter sido utilizados, entre outras coisas, para impedir que a indústria pública de petróleo comece a acumular problemas de dívida, obsolescência de equipamentos, deterioração de instalações etc.

O impacto da política dos Estados Unidos, que para atingir seu objetivo de forçar a saída de Maduro, se fez sentir com suas sanções, exacerbando as dificuldades. E agora Donald Trump decidiu intensificar-se para sofrer mais em meio a uma pandemia, aumentando assim o cerco para estrangular ainda mais a economia já em colapso do país.

As sanções imperialistas, especialmente aquelas voltadas para o setor de petróleo e a PDVSA, agravaram e tornaram essa situação mais premente. A mais severa das sanções foi executada pelos Estados Unidos em janeiro do ano passado, que tratou de um embargo ao petróleo, sem precedentes para a Venezuela. Além disso, as sanções proíbem a exportação para a Venezuela de solventes que a PDVSA utiliza no processamento de petróleo pesado e extra-pesado e limitam o comércio de títulos da PDVSA. Da mesma forma, os derivados de petróleo não podem ser exportados ou importados dos Estados Unidos, como gasolina leve. Da mesma forma, sanciona qualquer empresa ou país que comercialize com a Venezuela. Em meio a uma pandemia, o governo Trump procura impedir que o país tenha acesso ao combustível precioso.

Devido à sanções, a Venezuela não pode comprar gasolina no exterior. Se não conseguir encontrar quem comprará seu petróleo, a Venezuela terá dificuldade em encontrar quem a venderá gasolina. Daí os acordos alcançados com o Irã, outro país sancionado pelos Estados Unidos. Anteriormente, a Venezuela havia conseguido escapar um pouco do impacto dessas sanções trocando com a Índia, mas essa rota também foi dificultada pela pressão imperialista.

Em meio à pandemia causada pelo coronavírus, a Venezuela é considerada pela Organização Pan-Americana da Saúde como um dos países potencialmente mais vulneráveis da região, e trabalhadores de centros médicos e hospitais relatam que sem gasolina e restrições ao transporte público, tanto pela em quarentena e pela própria crise do combustível, é quase impossível chegar ao trabalho.

Mas outro dos grandes dramas é a comida. Segundo o Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas, um terço da população venezuelana estava em situação de insegurança alimentar mesmo antes da pandemia. Com a dificuldade da falta de gasolina, o transporte de alimentos é altamente afetado. Mas não é só isso: tudo o que move a produção agrícola, a irrigação, a fumigação, entre muitas outras coisas, é ativado com gasolina ou diesel.

O Complexo de Refino de Paraguaná está praticamente paralisado, sendo o maior e mais importante do país e do continente - chegando a ser o maior do mundo décadas atrás -, pois tem capacidade para processar até 645 mil barris de petróleo por dia. Das quais apenas a refinaria de Punta Cardón poderia produzir até 310.000 barris. No mês passado, a empresa recebeu peças do Irã para ajudar na reativação das instalações de Cardón e, no início de maio, houve um acidente quando se tentou colocá-lo em operação, onde quatro trabalhadores sofreram queimaduras.

A única maneira de resolver momentaneamente é importar o combustível. Os setores de petróleo do Irã e Venezuela, membros da OPEP, estão sob sanções dos EUA.

Nova tensão geopolítica devido a ameaças imperialistas

Segundo a agência Reuters, um alto funcionário do governo dos Estados Unidos, disse que os Estados Unidos estão considerando as medidas que podem ser tomadas em resposta ao transporte de combustível do Irã para a Venezuela. "Estamos analisando quais medidas podem ser tomadas. Não apenas ele não é bem-vindo pelos Estados Unidos, mas ele não é bem-vindo pela região ”, disse ele à agência anonimamente.

O funcionário do governo Trump, sempre de acordo com a Reuters, teria se recusado a especificar as medidas que estavam sendo pensadas, mas disse que as opções seriam apresentadas a Trump. Na Casa Branca estão avaliando ações para "punir o Irã" por ajudar a Venezuela.

Embora não esteja claro quais seriam as medidas concretas que o governo dos Estados Unidos poderia adotar e em que área do alto mar ocorreria. O chefe do Comando Sul, almirante Craig Faller, garantiu que eles estão observando o apoio do Irã "ao regime Maduro" e afirmou que viu relatos "de que os tanques estão a caminho" para a Venezuela com hidrocarbonetos.

Lembre-se de que no início de abril implantou destróieres navais, navios de combate, helicópteros e aeronaves da força aérea para o que chamou de "vigilância e patrulha da Guarda Costeira, dobrando nossas capacidades na região". Alguns meios de comunicação avaliaram que a implantação constituiu uma das maiores operações militares dos Estados Unidos na região desde a invasão do Panamá em 1989.

Por sua vez, o Irã alertou que qualquer ameaça eventual contra seus petroleiros geraria uma "resposta rápida e decisiva". "Antes de tomar uma decisão, Trump deve perguntar a seu amigo (primeiro-ministro britânico) Boris Johnson sobre os detalhes da experiência do petroleiro britânico", disse o representante iraniano Mahdi Mohammadi.

O Irã apreendeu um petroleiro de bandeira britânica no Golfo no ano passado, depois que as forças britânicas detiveram um petroleiro iraniano fora do território de Gibraltar. Ambos os navios foram libertados após um confronto diplomático por meses.

Vale lembrar que essa nova situação de tensão entre os Estados Unidos e o Irã é precedida pela vivida no início do ano com a agressão sem precedentes do imperialismo norte-americano a assassinar no território iraquiano o mais alto oficial militar iraniano, o General Soleimani.

Guaidó e a oposição de direita, subservientes aos EUA, contra o povo venezuelano

A política da oposição de direita, como os bonequinhos de Washington, é criminosa. Eles continuam a apoiar todas as sanções que são impostas ao país, e ainda mais nestes tempos de pandemia de coronavírus, sendo cúmplices e parte dessa política criminal. O que expõe sua demagogia de pedidos de "ajuda humanitária".

Gustavo Marcano, que serve como "Ministro Conselheiro da Embaixada da Venezuela" nos EUA nomeado por Guaidó, declarou que a entrada dos navios é ilegal e deve ser aprovada pela Assembleia Nacional, que, é claro, não os aprova. E esse pedido oficial de Guaidó ajuda a impedir que esses navios-tanque entrem no país. Mais um exemplo que mostra a face perversa dessa direita que não dá a mínima para a situação das pessoas e da comida.

Pelo respeito do direito soberano da Venezuela e por uma indústria sob o controle de seus trabalhadores

Como Ángel Arias, líder da LTS, disse sobre as sanções: “O governo Trump, mostrando a podridão do imperialismo, não apenas mantém, mas aprofunda suas agressões e sanções, exacerbando, entre outras coisas, a grave crise de combustível, que afeta a produção e distribuição de alimentos. E junto com a oposição de direita lacaia, eles vêm mais tarde para nos falar sobre "ajuda humanitária"! ”Tudo com o objetivo de impor um governo fantoche de Washington em Caracas (...) Uma política criminosa, que com a mais miserável ousadia imperialista, reconhece que seu objetivo é acabar pelo estrangulamento com a economia venezuelana e aprofundar as dificuldades do povo, forçar a condições para uma mudança de regime adaptada aos Estados Unidos”.

A Venezuela tem o direito de comercializar e se abastecer de gasolina com quem julgar apropriado, e é por isso que exigimos a livre circulação e a chegada de navios-tanque na Venezuela. Isso não significa, de forma alguma, endossar o governo de Maduro que, com suas políticas anti-operárias, não fez mais que descarregar essa crise brutal nas nossas costas.

É um direito elementar à soberania e que nenhum poder imperialista decide com quem tem ou não relações comerciais, e o faz com a ousadia e arrogância de sua Marinha e da Quarta Frota no Caribe.

É por isso que dizemos que uma das primeiras medidas de emergência na ausência de gasolina é a demanda imediata pelo levantamento de sanções contra o país. Se antes dessa pandemia essas ações imperialistas eram repugnantes, hoje são extremamente absurdas. No meio do atual surto e da crise humanitária de magnitude que está gerando, torna-se urgente lutar por seu fim. As sanções que punem o povo venezuelano, que, se já está sofrendo uma das maiores calamidades como resultado da catástrofe econômica, estão agora prestes a sofrer ainda mais se a produção agrícola e de alimentos, bem como o transporte de mercadorias, forem paralisados, ameaçando uma fome real.

Juntamente com essa medida, nós, trabalhadores, precisamos exigir uma centralização completa como propriedade pública de toda a indústria de petróleo e combustível, mas que esteja sob o controle dos trabalhadores, não dessa burocracia civil-militar corrupta, incapaz, anti-operária e autoritária, que é o principal responsável pelo atual desastre da indústria, privilegiando seus próprios interesses particulares sobre os do povo. Uma indústria petrolífera pública sob controle dos trabalhadores, com a participação das comunidades, para reorganizar toda a produção e refino de acordo com as grandes necessidades da maioria da população.




Tópicos relacionados

Fora imperialismo da Venezuela   /    Imperialismo   /    Venezuela   /    Internacional

Comentários

Comentar