Educação

RIO GRANDE DO SUL

Força das greves dos servidores adia votação na ALERGS

Nesta terça (10), por pressão dos trabalhadores em educação e dos demais servidores os deputados gaúchos adiaram a votação do PL 148/17, que impede a cedência de servidores para atuação nos sindicatos. Entretanto, o governo conseguiu avançar no PL 174/2017, que é parte das exigências de Temer para que o RS possa aderir ao Regime de Recuperação Fiscal.

quarta-feira 11 de outubro| Edição do dia

Após ato na SEC, quando em audiência com o comando de greve o governo não ofereceu nenhum tipo de solução para a regularização dos salários e do 13º dos trabalhadores, os grevistas foram à Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul pressionar os deputados contra a votação do PL 148/2017. Os deputados não deram andamento na votação.

O única votação que foi concluída na terça-feira foi a do PL 174/2017, que autoriza o governo a renegociar operações de crédito firmadas a partir de recursos do BNDES. O projeto faz parte das adequações exigidas por Temer para que os estados possam aderir ao Regime de Recuperação Fiscal. O RRF prevê privatizações de setores estratégicos, suspensão do pagamento da dívida com a união por três e obtenção de novos empréstimos.

Na segunda verificação de presença para votar o PL 148 os deputados retiraram o quórum.




Tópicos relacionados

Sartori   /    Porto Alegre   /    Caxias do Sul   /    Crise gaúcha   /    Educação   /    Política

Comentários

Comentar