Sociedade

CRIMINALIZAÇÃO

Filho de Mauro, advogado negro espancado pela PM, é inocentado

O filho de Mauro Santos, advogado negro de Caxias do Sul que havia sido acusado de tentativa de homicídio após ajudar seu pai que estava sendo espancado pela Polícia Militar, foi inocentado. Entretanto, os policiais continuam impunes.

terça-feira 14 de março| Edição do dia

O fato ocorreu quando o advogado Mauro defendeu dois ativistas que estavam sendo agredidos pela PM após o fim do protesto contra o golpe institucional, em agosto do ano passado. Mauro foi brutalmente espancado por golpe de cassetete e gás de pimenta, cercado por vários policiais e jogado no chão. É quando seu filho, num ato corajoso, acerta um dos agentes da repressão, na tentativa de parar a agressão ao seu pai.

Num primeiro momento, a principal mídia da burguesia da cidade tentou relativizar o fato, defendendo a PM. Entretando, como o próprio vídeo mostra, o advogado foi agredido desde o momento que aparece no vídeo.

Em uma decisão considerada "histórica", como relata o próprio advogado, foi levado em consideração a repercussão nas mídias sociais do ocorrido. A qualificação de crime por tentativa de homicídio qualificado foi negada por "ausência de elementos empíricos na conduta do agente".

Mas essa mesma Justiça dos ricos nada fala sobre o racismo policial praticado, mantém impunes os agressores que ignoraram o fato de Mauro ser um advogado e partiram para agressão. Em entrevista Mauro afirma que ele e seu filho sofreram inúmeros abusos durante todo o episódio, mas como os agressores são militares tem muito privilégios jurídicos. A PM, com seus histórico de ataque ao povo negro, continua impune.

O principal fator que pesa para inocentar o filho de Mauro foi a repercussão das mídias sociais, reproduzindo vídeos com as imagens reais do que ocorreu. Toda solidariedade com Mauro e sua família. Punição aos agressores dos movimentos sociais. Contra a criminalização dos que lutam.




Tópicos relacionados

Caxias do Sul   /    Prisão   /    Golpe institucional   /    Caxias do Sul   /    Repressão   /    Sociedade

Comentários

Comentar