Gênero e sexualidade

FEMINICÍDOS

Feminicídio em Pernambuco: 26 mulheres assassinadas somente no mês de janeiro

O Brasil é o país com a quinta maior taxa feminicídios no mundo. No mês de janeiro Pernambuco teve 26 mortes de mulheres. Em 2017, foram registradas 316 mortes, sendo 76 mulheres.

quinta-feira 8 de fevereiro| Edição do dia

A organização mundial de saúde (OMS), mostra que o numero de assassinatos chega a 4,8 para cada 100 mulheres, entre 1980 e 2013 morreram 106.093 mulheres.

As mulheres negras são ainda mais atacadas: de 2003 a 2013 ocorreu um aumento de 54% no registro de mortes, passando de 1.864 para 2.875. Os que comentem assassinatos na maioria das vezes são pessoas próximas como parceiros, ex-parceiros (com um índice de 33,2%) ou parentes próximos (com índice de 50,3%).

Com a lei aprovada em 2015 o feminicídio passou a constar no código penal como circunstância qualificadora do crime de homicídio, e incluiu também a assassinatos motivados pela condição de gênero da vitima nos crimes hediondos, que pode aumenta um terço 1/3 da pena para o autor do crime. É considerado que o crime deva envolver violência doméstica e familiar, discriminação ou menosprezo à questão do gênero feminino.

Mesmo com a lei e as delegacias de mulheres o numero de mortes pela questão de gênero não cessa e nem diminui, pelo contrario: o capitalismo lucra em cima dos corpos das mulheres, o Estado manda nos corpos das mulheres, as mulheres não direito de decidir simplesmente por viver, porque são mortas brutalmente todos os dias pelo machismo e pelo capitalismo que as explora. A delegacia da mulher e lei do feminicídio não é saída para acabar com a violência gênero nem tão pouco assegura as mulheres de serem mortas ou violentadas.

É necessária a organização e combate a cada ação machista, mas que possa superar esta estrutura da sociedade capitalista que legitima a ideologia que sustenta a violência contra as mulheres. Para isso, é tão fundamental que se fortaleça também o combate à violência contra as mulheres a partir de cada sindicato e entidade estudantil nos locais de trabalho e estudo, homens e mulheres unidos.

LEIA TAMBÉM É urgente um Plano Nacional de Emergência contra a violência às mulheres

IMAGEM Rabiscos da Carolzita




Tópicos relacionados

Mulheres   /    Violência contra a Mulher   /    Gênero e sexualidade

Comentários

Comentar