Juventude

JUVENTUDE CONTRA TEMER

Façamos um novo junho contra Temer e as reformas! A juventude precisa tomar as ruas!

quarta-feira 3 de maio de 2017| Edição do dia

O 28A foi histórico! A maior paralisação de trabalhadores das últimas décadas, demonstrou que é possível derrubar Temer, barrar as reformas e arrancar nosso futuro das mãos dos golpistas. Não podemos admitir nenhuma trégua ao governo. É necessário que, apoiada na força da classe trabalhadora, a juventude tome as ruas do país com grandes atos construídos em cada local de estudo, pressionando o governo e as centrais sindicais por uma nova greve geral até derrotar Temer e as reformas.

No dia 28 de abril, em meio à maior paralisação de trabalhadores das últimas décadas, atos massivos tomara as ruas da principais capitais do país. É essa soma de forças que pode barrar as reformas e derrubar o governo golpista. As centrais sindicais já discutem uma nova paralisação geral, agora de 48 horas. Ao mesmo tempo o governo acelera a votação das reformas, tendo a previdência já sido encaminhada à comissão especial da Câmara nesta quarta (03).

Essas mesmas centrais deram mais de um mês de trégua ao governo entre a paralisação do 15M e do 28A. É necessário pressioná-las a não dar nenhuma trégua! Nossos direitos não são negociáveis, como sinaliza querer fazer a Força Sindical! Não podemos ter nenhuma esperança de que vamos resolver esses problemas nas eleições de 2018, quando grupos como a CUT, CTB, e outros ex-governistas pretendem eleger Lula. Até lá Temer já terá passado todos os ataques e nos roubado nosso futuro.

O movimento estudantil, apoiado na força e na disposição de luta demonstrada pela classe trabalhadora, pode cumprir um papel muito importante. Nas históricas manifestações de Junho de 2013 a juventude tomou as ruas por muito mais de R$0,20 e incendiou o país, questionando toda este sistema político apodrecido. Agora, com a classe trabalhadora em cena, manifestações massivas e sistemáticas, uma, duas ou três vezes por semana, podem ter muito mais força.

Para superar junho, é necessário erguer comitês de base em cada local de estudo para organizar essas jornadas. Exigir dos DCEs dirigidos pela esquerda e de entidades de peso nacional como a UNE que organizem plenárias unificadas do movimento estudantil pelo país todo, convocando Grêmios Estudantis, centros acadêmicos, movimentos sociais e toda a esquerda para colocar milhares nas ruas do país contra Temer e as reformas!

Em Porto Alegre, em meio às eleições do DCE da UFRGS, a Chapa 5 - A Plenos Pulmões vem se comprometendo em convocar essa plenária como uma primeira ação de sua futura gestão. Exigimos que todas a chapas, na medida em que não há nenhuma declaradamente de direita, se comprometam com isso também. Construir essas manifestações junto à classe trabalhadora de dentro e de fora da universidade, com panfletagens nas garagens, fábricas e locais de trabalho. Temos em nossas mãos a tarefa de manter a acesa a chama com a qual a classe trabalhadora vem incendiando o país!




Tópicos relacionados

Juventude

Comentários

Comentar