Educação

PARALISAÇÃO UNICAMP

Estudantes da Unicamp fazem importante dia de paralisação junto aos trabalhadores

sexta-feira 15 de maio de 2015| Edição do dia

Em assembleia, os estudantes de Ciências Sociais e História da Unicamp, decidiram paralisar as atividades ontem (14) junto aos funcionários da Universidade que reivindicam a isonomia salarial com as demais universidades paulistas e se encontram em negociação do índice de reajuste.

A paralisação foi também contra os já antigos cortes do governo federal na educação e os mais novos anúncios de Alckmin em São Paulo, que estipulam o repasse máximo de 9,14% do ICMS para investimento nas estaduais paulistas, ferindo a autonomia orçamentária das Universidades. A aprovação do PL4330 da terceirização também foi tema de protesto dos estudantes e funcionárias que defenderam a readmissão de uma trabalhadora terceirizada demitida depois de um acidente de trabalho.

Em protesto estudantes dizem: A terceirização acidenta e demite na Universidade

Na semana passada uma trabalhadora terceirizada que trabalha no IFCH (Instituto de Filosofia e Ciências Humanas) foi demitida injustamente após se acidentar. Ela catava latinhas para completar a renda de cerca de R$700,00 mensais que recebe da empresa Centro, prestadora de serviço de limpeza para a Unicamp.

A terceirização que triplicou nos anos de governo do PT, atinge milhares de trabalhadores no país, os quais têm condições de trabalho e salário muito inferiores à média dos efetivos. A aprovação do PL4330 ampliará o horror da precarização do trabalho a níveis gigantescos. Contra o PL e a política generalizada de precarização do trabalho, os estudantes lutam pela efetivação dos terceirizados sem necessidade de concurso público, para que tenham mesmos salários e direitos que os efetivos.

Estudantes e funcionários do IFCH fizeram um importante ato na manhã da paralisação, que foi até a Centro. A trabalhadora demitida que não teve nem mesmo seu CAT aberto pela empresa, foi readmitida assim que as movimentações de funcionários e estudantes começaram, mas a luta para que não haja assedio e abusos da empresa, continua.

Mobilização estadual para barrar os ataques de Alckmin e Dilma e transformar a Universidade

Durante todo o dia de paralisação organizada pelo Centro Acadêmico de Ciências Hunas (CACH), os estudantes debateram como a precarização do trabalho combinada aos recentes cortes orçamentários expressam um projeto de Universidade que sucateia o ensino, a pesquisa e o trabalho dos funcionários em detrimento de ligações com empresas privadas como a Centro e outras que usufruem diretamente do dinheiro público para alavancar seus contratos obscuros e lucros milionários.

Somente uma forte mobilização independente dos trabalhadores e estudantes juntos, contra as políticas do governo federal e estadual que pactuam em favor dos cortes e ajustes, poderá fazer frente aos ataques e avançar na conquista de uma educação pública que garanta acesso radical à população jovem e trabalhadora, arrancando as cotas raciais e também a estatização das universidades privadas e o fim do vestibular.

Se os governos estão na ofensiva para que a juventude e os trabalhadores paguem pela crise que geraram, é tarefa do M.E antigovernista e combativo pensar as melhores propostas para emergir como uma terceira via junto aos trabalhadores, dialogando com os setores de fora da Universidade para responder aos grandes debates políticos nacionais.




Tópicos relacionados

Educação

Comentários

Comentar