Internacional

A CORRIDA ATÉ A CASA BRANCA

Especial: eleições primárias nos Estados Unidos

A SuperTerça nos Estados Unidos estabeleceu dois grandes ganhadores nos meios de comunicação: Clinton do lado democrata e Trump do republicano. Tudo o que há para saber sobre a corrida até a Casa Branca.

Juan Andrés Gallardo

Buenos Aires | @juanagallardo1

Celeste Murillo

Argentina | @rompe_teclas

terça-feira 8 de março de 2016| Edição do dia

Nessas eleições primárias, o fenômeno político mais dinâmico é a "revolta" dos votantes contra o establishment de ambos os partidos.

Tanto em Iowa como em New Hampshire, as duas primeiras eleições confirmaram a irrupção dos "outsiders". Bernie Sanders no Partido Democrata e Donald Trump no Republicano se converteram na verdadeira supresa da longa corrida até a Casa Branca.

O dia após a SuperTerça

A SuperTerça funciona como um dia decisivo nas eleições primárias. Em ambos os partidos, começa a traçar-se a linha que divide ganhadores e perdedores. Por sua vez, começam a instalar-se dois temas que serão debatidos nas eleições gerais. Isso não quer dizer, entretanto, que tenham sido resolvidas as crises que atravessam ambos os partidos.

O que fazer com Trump

A SuperTerça confirmou a liderança do multimilionário Donald Trump, que inclusive antes da eleição simultânea nos 12 estados vinha da conquista de várias vitórias consecutivas. Apesar de uma grande campanha anti-Trump e a tentativa frustrada de promover candidatos mais afinados com o establishment republicano, alguns setores começam a ter ideia de sua potencial nomeação. Isso não quer dizer, claramente, que o partido não tentará medidas para chegar o melhor possível às gerais.

Talvez Trump seja uma das maiores expressões da crise do Partido Republicano. Contudo, no momento, tudo indica que o partido apoiará quem se impuser nas primárias. No último debate, os três candidatos restantes (Rubio, Cruz e Kasich) lançaram ataques diretos a Trump, mas diante da pergunta de se apoiaram o nomeado nas eleições gerais todos afirmaram que sim.

O limitado encanto de Hillary

Todos os meios de comunicação concordam que Hillary Clinton é a provável nomeada no Partido Democrata. A SuperTerça trouxe a esperada diferença folgada, com uma vantagem considerável entre a comunidade afroamericana que lhe permitiu vitórias importantes em estados como Alabama, Geórgia ou Virgínia.
Os resultados da SuperTerça, contudo, não conseguiram dissipar as nuvens de descontentamento e dúvida que todavia rodeiam a campanha de Hllary Clinton. Uma enquete mostrou que a juventude segue sendo esquiva a ela: apenas 4 a cada 10 votantes menores de 30 anos votaram pela ex-secretária de Estado.

E o que é pior para Clinton, seu calcanhar de Aquiles, é o que alimenta a campanha de Bernie Sanders que segue na corrida. O senador por Vermont, adotado pela juventude como seu candidato, está abaixo na contagem de delegados em uma relação de 70-30, mas essa diferença não condiz com os 40% de apoio que recebeu até agora de filiados e votantes registrados. A proeminência de Clinton, graças ao mecanismo dos chamados "super delegados", não só não resolveu, mas apenas aprofundou a desconfiança dos votantes que a veem como parte do establishment.

Nos próximos dez dias, esperam-se eleições em estados menores, porém alguns com muito peso, como Flórida, Illinois, Ohio, Michigan e Carolina do Norte, todos com mais de 100 delegados eleitorais. Essas votações poderiam consolidar as tendências dentro de cada partido, sem descartar novas surpresas na corrida presidencial.




Tópicos relacionados

Eleições Estados Unidos   /    Estados Unidos   /    Internacional

Comentários

Comentar