Política

CONSERVADORISMO

Em entrevista, arcebispo de São Paulo reforça as opressões e tenta apaziguar a luta de classes

O maior representante da igreja católica em São Paulo escancara o reacionarismo da instituição com declarações feitas em entrevista.

Rafaella Lafraia

São Paulo

segunda-feira 2 de janeiro| Edição do dia

A relação da igreja católica com o sistema capitalista é reforçada em entrevista com um de seus maiores representantes de São Paulo, o arcebispo dom Odilo Scherer, 67, que ficou conhecido por ser um dos cotados para virar papa em 2013.

Quando questionado sobre o aborto, o arcebispo evidencia o papel que a instituição tem em reforçar a opressão das mulheres (patriarcado), já que fala que nada se pode fazer com relação à morte de mulheres em abortos clandestinos, já que a instituição é contrária ao aborto, desde a concepção, já que defende a vida do nascituro. O mesmo simplifica ainda mais a questão, reduzindo a mulher ao papel de reprodutora, não considerando as consequências econômicas e sociais de diversas famílias, além de ironizar tais consequências, quando afirma que mesmo nos casos de doenças – como as causadas pelo vírus da zika – não devemos privar o direito à vida dos fetos “porque não são bonitas, porque não vão ser inteligentes ou porque não vão ser capazes”.

A opressão com relação às pessoas LGBTs também ficou evidente nas colocações do arcebispo, quando o mesmo afirma que devido à “convicção em relação às práticas homossexuais, que moralmente não são aceitáveis”, mas que apesar disso, a igreja não os “expulsam”. A discriminação vai além quando o arcebispo afirma que não se deve ver como uma “coisa” absolutamente normal a transexualidade, devendo esta ser estudada. Colocações como estas, feitas no mesmo dia em que dois homens mataram um senhor que defendia uma travesti em uma estação do metro, somente comprovam o papel da instituição que o arcebispo representa.

Além de reforçar a discriminação e a segregação da classe trabalhadora pelas opressões, a igreja católica também tem um papel apaziguador da classe com relação à crise politico econômica vigente, como visto nas colocações do arcebispo em relação à conjuntura atual. Dom Odilo Scherer afirma que devemos ter esperança nos governos vigentes, como em Temer, nos novos prefeitos e até mesmo em Donald Trump. Ele fala que sabe que a situação atual não é fácil, mas que as atitudes estão sendo tomadas e que devemos ter esperança na prudência e sapiência destes governantes.




Tópicos relacionados

Política

Comentários

Comentar