Internacional

ESTADO ESPANHOL

Eleições na Andaluzia: o crescimento da extrema direita e como combatê-la

As eleições andaluzas movimentaram o cenário político. Pela primeira vez em 36 anos, desde as primeiras eleições regionais, o PSOE perdeu a maioria na Andaluzia. A direita poderia governar retirando Susana Díaz. Mas os dados qualitativos são de que a Vox, a extrema direita comandada por Santiago Abascal, elegeu 12 deputados com um discurso abertamente xenófobo, misógino e reacionário.

terça-feira 4 de dezembro| Edição do dia

Foto: Santiago Abascal e o candidato à presidência da Junta de Andalucía, Francisco Serrano, depois de conhecer os resultados nas eleições da Andaluzia.

CRT é referente a Corriente Revolucionaria de Trabajadores y Trabajadoras, grupo irmão do MRT no Estado Espanhol

As eleições andaluzas tendem a ser um espelho mais ou menos distorcido do que será a nova dinâmica da situação política do estado. Se este é o caso novamente, e nada indica que não será, o novo cenário político é radicalmente diferente do que temos experimentado até agora, embora ainda não tenhamos visto seu alcance e profundidade.

Os dados falam por si. O PSOE, que desde 1982 manteve uma maioria confortável (ocasionalmente com o apoio de PA e IU (Izquierda Unida), entrou em colapso com apenas 33 assentos (27,95%), 14 a menos que em 2015; o PP(Conservador), apesar de ter perdido sete assentos e seis pontos, manteve 26 assentos (20,75%); Ciudadanos (Centro Direita), 21 cadeiras (18,27%), doze a mais do que nas eleições anteriores; Adelante Andalucía (Podemos e IU), 17 cadeiras (16,18%), recuando em três; e Vox (Extrema-direita), 12 assentos (10,97%). Com exceção de Citizens e Vox, todas as partes regrediram. O Executivo da Junta de Andalucía será resolvido entre os candidatos do PP, Ciudadanos, que lutam pelos votos do Vox, e Susana Diaz do PSOE, que pede uma "frente constitucional" para deter a extrema direita, ainda que esteja com os dias contados.

Mas os dados fundamentais não serão as manobras dos partidos do regime para assumir o controle da presidência andaluza, mas a emergência de Vox. Recordando a emergência vertiginosa de Podemos após as eleições européias de 2014, o monstro liderado por Santiago Abascal invadiu a cena política com quase 400 mil votos através de uma campanha que destilou o ódio contra imigrantes, mulheres, pessoas LGBT, a classe trabalhadora, a esquerda e especialmente contra os direitos democráticos do povo catalão. Em seu programa, o Vox defende a proibição dos partidos da independência, revogando a lei da memória histórica, expulsando imigrantes e fechando fronteiras, perseguir as denúncias de violência de gênero e fechar mesquitas. Desafia também o regime de autonomia, exigindo sua eliminação, e defende a escravização da classe trabalhadora e uma maior precarização a serviço das grandes empresas.

Vox representa o ponto final do sonho de Fraga, uma (anti) popular "aliança" que une todos as direitas e que certamente conseguiu fazê-lo por várias décadas. Se até recentemente houve quem repetisse que o PP continha desde liberais, até a Opus Dei e os neonazistas, essa situação acabou. A própria crise do regime de 78 e o descrédito de seus principais partidos (PP e PSOE) por corrupção e suas medidas antipopulares, acenderam um novo monstro. Um fenômeno que, longe de ser apenas interno, se liga à dinâmica internacional: Abascal tem a ambição de se juntar à trupe de Trump, Le Pen, Salvini, Orban e Bolsonaro.

Abstenção histórica e "dados concretos"

Na Andaluzia, há um colégio eleitoral de mais de 6 milhões de pessoas. A soma de todos os votos da direita e da extrema direita nas eleições de 2 de dezembro mostra um resultado de 1,8 milhão. Em 2015, a soma de PP, a falecida UPyD, Cs e Vox, recebeu um milhão e meio de votos. Isso quer dizer que o nessas eleições aumentou 275.000 a mais. É um número significativo, mas os "dados concretos" refletem melhor a realidade do que as capas dos jornais. Embora tenham devastado os votos desencantados do PSOE e de Podemos, a chave tem sido a distribuição de votos dentro da constelação da direita, que em geral não chega a 30% do eleitorado, enquanto a extrema direita representa 7%.

Tudo isso no contexto do outro fato significativo tem sido uma abstenção recorde de 41,35% dos eleitores que não foram votar. Um fenômeno que passou essencialmente ao PSOE e ao Podemos, que perderam quase 700.000 votos entre eles.

Já existem aqueles que culpam aqueles que se abstiveram pelo crescimento da direita e da extrema direita, como se eles se importassem "com a mínima" de liderar os destinos da Andaluzia nos próximos quatro anos. Certamente uma parte da população se preocupa pouco com a política, mas é muito mais significativa a que rejeita décadas do "cacique" socialista a serviço dos capitalistas. E a que se sentiu desapontada pelas promessas institucionais de Podemos e IU, enquanto o que continua a piorar é a precariedade, a miséria e a falta de futuro.

Crise do regime, neorreformismo e radicalização política à direita

As eleições andaluzas tiveram lugar no âmbito da crise orgânica do regime de 78. A crise do grupo econômico, social e político em que os mecanismos usuais da burguesia para resolver não servem. Gravemente ferida após a eclosão da crise capitalista mundial de 2008 e as massivas mobilizações que se seguiram à 15M, ela mantém sua a sobrevivência, mas sua crise continua.

Diante disso, a burguesia e seus partidos buscam caminhos diferentes. Se a direita e extrema direita representam uma saída abertamente reacionária, recentralizadora, que é a sua expressão Vox mais desacomplejada, o PSOE e o Unidos Podemos representam uma tentativa senil para "regeneração progressiva" do próprio regime. O resultado das eleições na Andaluzia mostrou que as ilusõe dessa última opção caíram por terra. Portanto, explicar o resultado das eleições da Andaluzia apenas pela abstenção ou o papel da mídia - dando asas à Vox - seria muito parcial. Se a única coisa que cresce é a extrema direita, é porque da "esquerda" não há posição radical para resolver as demandas populares e operárias.

O fracasso do PSOE de Susana Díaz é o subproduto de quase 40 anos de governos socialistas a serviço dos grandes capitalistas e latifundiários. Se nos anos de vacas gordas do PSOE sabia distribuir algumas migalhas para o povo, com a crise capitalista se impôs compartilhamento de miséria, cortes e menor gasto em saúde per capita foi imposta, enquanto a corrupção ainda circulam livremente entre os barões e Socialistas da Baronesa. Não é por nada que a Andaluzia esteve nas mãos do PSOE, um dos maiores expoentes da corrupção estrutural do Regime de 78.

Adelante Andaluzia, a coalizão pode e IU liderado por Teresa Rodríguez (anticapitalistas) e Antonio Maíllo (PCE), não conseguiu mobilizar o voto para manter suas posições, nem tampouco conteve o sangramento do PSOE (pelo menos 400.000 votos). Uma falha que não pode ser explicado sem considerar seu programa reformista tímido e a subordinação histórico da IU como uma muleta do PSOE e do Unido Podemos junto com Sanchez no governo do estado.

Como dissemos em outro comunicado publicado recentemente "a ofensiva reacionária da direita e da extrema direita não podem ser abordados no âmbito da regra monárquica 78 de que cujas entranhas saem Abascal. A política de regenerar o regime de dentro, sem desafiar seus pilares fundamentais, não é apenas uma utopia reacionária, mas abre o caminho para o reforço do direito enquanto desarma a classe operária e os setores populares do Estado Espanhol para enfrentá-la. Basta olhar para a situação no Brasil, onde a política de acordos parlamentares com os líderes do golpe e setores da burguesia não impediu o surgimento do ultradireitista, racista e misógino Bolsonaro".

Combate a extrema direita defendendo essa "democracia para os ricos" com o PSOE?

A irrupção do Vox no parlamento da Andaluzia tem um conteúdo concreto. É uma versão radicalizada sem disfarces a ideologia direitista pós-Franco: o fanatismo de extrema-direita, centralismo nacionalista Espanhol, perseguição da imigrantes e especialmente a comunidade muçulmana, deportações em massa e soluções xenófobos contra os refugiados, que proíbe de partidos independentistas e organizações feministas, revogação da lei da violência de gênero e da memória histórica. Como o próprio Abascal disse, não importa se eles são rotulados como fascistas, racistas, homofóbicos ou machistas, porque para eles são medalhas que eles usam com orgulho.

Diante de seu avanço, Iglesias e Garzón (do Podemos) saíram para abalar o espectro do fascismo e apelar para um novo "compromisso histórico" com o PSOE para defender a democracia. Foi assim que Iglesias expressou: "Que esse resultado serve para que o PSOE compreenda quem tem de ser seus aliados e que as forças catalãs entendem que estamos jogando o futuro de nosso país. Eu quero pedir responsabilidade de todas as forças políticas; Temos muitas diferenças, mas temos que estar dispostos a construir uma represa em frente à extrema direita".

Unidos Podemos finge "construir uma barragem contra a extrema direita" com o PSOE, quando são as políticas neoliberais daquele partido no governo que promoveram o crescimento da extrema direita. Quando o PSOE é aquele que mantém abertas as CIEs - verdadeiras prisões para migrantes -, as deportações "expressas" na fronteira, a lei da mordaça e as reformas trabalhistas. Quando o PSOE tem sido o defensor do artigo 155 para reprimir o povo catalão. O partido que a partir da presidência do governo mantém como presos políticos os líderes da independência e que sempre foi o mais forte defensor da monarquia reacionária. A hipótese da "governança progressiva" Unidos Podemos do PSOE já provou levar a um fracasso, mas ao invés de tirar conclusões a partir deste desastre, Iglesias chama aprofundar o mesmo caminho.

Para uma solução anticapitalista, democrática e de classe

As primeiras mobilizações em massa em todas as capitais da Andaluzia contra a chegada de Vox ao parlamento andaluz são auspiciosas. Manifestações em que se cantam "No pasarán" e "Fuera fascistas da universidad", como a que terminou por ocupar a reitoria da Universidade de Sevilla. Esse caminho, da mobilização nas ruas, é o que deve ser aprofundado.

A emergência da Vox expressa a radicalização de um setor da direita que busca levar ao fim sem mediações uma solução reacionária e centralizadora à crise do regime de 78.

A CRT denuncia veementemente o avanço reacionário do PP, Cs e Vox, apoiado pela casta judicial e com a permissão da monarquia. Mas, ao mesmo tempo, mantém uma posição independente do governo do PSOE, pilar do regime atual, e seu principal apoio parlamentar, Unidos podemos, à procura de um novo "pacto" por cima como o de 78, porém ainda mais degradado e antidemocrático, sem nada para oferecer, a não ser preparar-se para novas eleições, enquanto a direita e a extrema direita continuam avançando.

Esta posição do neo-reformismo, que acaba de tomar um duro golpe na Andaluzia, evai contra o profundo processo que corre amplos setores da sociedade e é expressao na multiplicidade das consultas e referendos sobre a monarquia em bairros, vilas e universidades estaduais. Um movimento que colocou sobre a mesa o debate não apenas sobre a monarquia, mas sobre a necessidade de abrir processos constituintes em que os povos do Estado Espanhol possam decidir tudo.

Os revolucionários socialistas da CRT lutam para acabar com a monarquia e o regime corrupto que herdou do regime de Franco para conquistar uma democracia muito superior à mais democrática das repúblicas burguesas. Em um estado plurinacional como espanhol, lutamos por uma federação de repúblicas com base em conselhos de trabalhadores democraticamente eleitos, de modo que a regra classe trabalhadora no sentido mais amplo do termo: expropriar os capitalistas e economia racionalmente planejada para o benefício do todo sociedade. Esta é para nós a única maneira de derrotar definitivamente qualquer tentativa da saída de crise regime reacionário, ao conseguir resolução plena e efetiva de todas as demandas sociais e democráticos da classe trabalhadora e do povo.

Mas estamos conscientes de que ainda somos uma minoria que defende essa perspectiva, enquanto a maioria dos trabalhadores ainda tem ilusões nos mecanismos do sufrágio universal como forma de alcançar uma democracia mais generosa. Por isso defendemos a luta junto a classe trabalhadora, o movimento estudantil, de mulheres, sindicatos e organizações do movimento de massas, para impor a instituição mais democrática concebível na democracia representativa: assembleias constituintes livres e soberanos em todo o Estado.

Um processo constitucional que uma farsa como 78, mas permite debate e votação sobre a forma de acabar com a monarquia, que concede o direito à autodeterminação das nacionalidades oprimidas e adotem um programa que responde a todas as necessidades sociais mais prementes a maioria popular. Desta forma, queremos ajudar a desenvolver a politização e mobilização dos setores mais amplos possíveis dos trabalhadores, para que eles se conscientizem de seu poder de mudar tudo.

Os poderes factuais do imperialismo espanhol, incluindo a extrema direita, farão todo o possível para impedir o desenvolvimento de um processo constituinte deste tipo. Vimos isso no referendo na Catalunha, um processo pacífico que visava apenas exercer o direito democrático de autodeterminação nacional e, ainda assim, foi brutalmente reprimido. Por essa razão, é necessário impor às burocracias sindicais conservadoras que levam os sindicatos a frente única a impor essa perspectiva através da luta de classes e da auto-organização dos trabalhadores e do povo.

Quanto mais as assembleias constituintes livres e soberanas avançarem em tomar medidas radicais, maior será a resistência dos capitalistas. Mas também a experiência das massas com os limites da democracia representativa e os setores do movimento de massa que chegam à conclusão de que é necessário construir um verdadeiro poder do povo trabalhador.

Nesse sentido, a luta pela assembléia constituinte cumpre uma enorme função pedagógica: quanto mais conscientes as massas de seu "poder constituinte", mais abre caminho para a democracia soviética dos trabalhadores e a perspectiva do poder dos trabalhadores.

A CRT defende abertamente essa perspectiva, bem como a construção de uma grande frente de independência de classe dos trabalhadores e da esquerda socialista para lutar por ela. Se o que cresce é um grupo de fascistas sem medo, o que é necessário é construir um grande grupo de revolucionários e revolucionários sem medo também. Nós apostamos nisso.




Tópicos relacionados

Internacional

Comentários

Comentar