Educação

DITADURA MILITAR

Edson Luís, secundarista, Presente!

No dia 28 de março de 2017 fez 49 anos do assassinato do estudante secundarista Edson Luis de Lima Souto, no restaurante Calabouço, pelas mãos da ditadura militar.

quarta-feira 29 de março| Edição do dia

O Calabouço era um restaurante estudantil que ficava no Instituto Cooperativo de Ensino, na cidade do Rio de Janeiro, e nos anos de chumbo da ditadura militar era também ponto de encontro de estudantes que se manifestavam contra o regime e também em defesa da educação pública e das condições de estudo e permanência estudantil. Edson, estudante vindo do Pará, estudava no Instituto .

Numa manifestação contra o aumento do preço das refeições, Edson foi morto por um tiro a queima-roupa desferido covardemente pela polícia militar. Neste dia, dezenas ficaram ferido, e também foi assassinado mais um estudante, Benedito Frasão Dutra, que chegou a ser levado ao hospital com vida, mas faleceu em seguida. Morto, o corpo de Edson foi tomado pelos manifestantes, para que a polícia não o ocultasse. Carregado por seus companheiros de luta, seu corpo foi levado até as escadarias da Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro), onde foi velado.

O assassinato de Edson Luís comoveu o país. Milhares protestaram nas ruas contra sua morte, no Rio e também em São Paulo. Nos anos de chumbo, Edson tornou-se símbolo de uma juventude em luta contra a ditadura e pela liberdade.

Hoje a juventude secundarista que se levanta contra o fechamento de escolas, contra a reforma do ensino médio e contra os ataques ao seu futuro, também se levanta por Edson. A juventude que não teme a polícia, se enfrenta com os governos, do Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Rio Grande do Sul e em cada canto do país, também se levanta por Edson.

Os gritos de revolta contra a morte de Edson ecoam nas salas de aula e nas ruas de todo país até o dia de hoje. Hoje também perguntamos se “Bala mata fome?”, se serão “Os velhos no poder e os jovens no caixão?”, “Mataram um estudante. E se fosse seu filho?”, se "PM quer dizer que Pode Matar?”. Porque cada morte de um menino na porta de uma lanchonete pedindo comida, cada jovem negro que é morto e pergunta pro seu algoz “por que o senhor atirou em mim?” são parte dessa juventude que o velho mundo tenta calar, tenta matar.

É preciso arrancar alegria ao futuro, é preciso deixar a juventude respirar!

Hoje, mais uma vez, lembramos de Edson Luís!




Tópicos relacionados

Ditadura militar   /    Educação   /    Juventude

Comentários

Comentar