Cultura

POESIA

Dorme e sorri: soneto

segunda-feira 12 de dezembro de 2016| Edição do dia

Dorme camarada
Seu sono dos mortos
Que cá entre os vivos
Tecemos ainda seu sonho

Descansa camarada
Pois agora lhe convém
Enquanto nossas pequenas mãos
Seguem cuidadosas o árduo trabalho

Decomponha-se camarada
E como parte de um todo vivo
Lutaremos juntos a última batalha

Venceremos camarada
E sorriremos contigo o sorriso
Dos que tomaram tudo por não termos nada




Tópicos relacionados

León Trotsky   /    Cultura

Comentários

Comentar