Logo Ideias de Esquerda

Logo La Izquierda Diario

SEMANÁRIO

Do marxismo ocidental ao marxismo global: notas para discussão

Juan Dal Maso

Do marxismo ocidental ao marxismo global: notas para discussão

Juan Dal Maso

Sobre um debate entre Santiago Roggerone, Javier Waiman e Gisela Catanzaro.

No dia 29 de setembro, organizado pela Cátedra de Teoria da História da Faculdade de Letras da Universidade Nacional de La Plata, foi realizada uma palestra sobre a questão do marxismo ocidental e o panorama do marxismo atual, com a participação de Santiago Roggerone, Javier Waiman e Gisela Catanzaro, e a regência de Marcelo Starcenbaum. Nessas linhas, tentaremos revisar os pontos em discussão.

Esse debate se dá em um contexto mais amplo no qual, desde o descrédito do neoliberalismo e da crise capitalista, se consolidam as discussões teóricas sobre a situação atual do marxismo. O termo marxismo, neste caso, deve ser entendido em um sentido amplo, ou seja, como um conjunto de tendências e posições que a crítica da economia política, a teoria do valor-trabalho, a luta de classes, em certos casos (embora menos) a teoria do imperialismo e do socialismo em termos gerais, embora nem sempre se mantenha uma continuidade entre as questões teóricas e as posições políticas.

Essa multiplicidade tem uma longa história, boa parte da qual pode ser lida nos livros de Perry Anderson, Considerations on Western Marxism e In the Footsteps of Historical Materialism, bem como na obra mais recente de Razmig Keucheyan sobre o hemisfério esquerdo. As cartografias traçadas nesses três livros permitem uma primeira aproximação de boa parte do que aconteceu com o marxismo durante o século XX e na primeira década do século XXI. Claro, eles têm suas limitações, mas são obras de referência.

Em particular, este ano marca o 45º aniversário da publicação das Considerações sobre o marxismo ocidental, o que também tem um impacto sobre a questão levantada neste texto que está sendo colocada novamente em discussão.

Uma cartografia e seus desvios

Vamos lembrar o básico. Anderson aponta o marxismo ocidental como o produto da derrota da revolução europeia e da burocratização da URSS. Até então, a tradição marxista clássica se caracterizava por uma ênfase teórica em questões de economia e política e por uma estreita ligação entre teoria e prática, especificamente, entre atividade teórica e organização política. Entre a derrota das revoluções da Europa Ocidental, a burocratização da URSS, a Segunda Guerra Mundial e as mudanças ocorridas no mundo do pós-guerra, o marxismo ocidental surge como uma tentativa de manter a teoria marxista nas novas condições, mas com diferenças significativas com a tradição clássica: a ênfase teórica não está mais na economia e na política, mas na filosofia e na estética e a ligação entre atividade teórica e organização política é fraca, sejam marxistas acadêmicos sem partido ou adeptos dos PCs da Itália e da França que não discutem abertamente suas orientações políticas. Somam-se a isso certas mudanças de linguagem, bem como uma intensificação do diálogo com a "cultura burguesa", seja buscando antecedentes da posição marxista em outras tradições (como Spinoza ou Kant), seja buscando fazer combinações ou hibridizações entre o marxismo e outras concepções, das quais o momento mais "estruturalista" de Althusser ou as várias tentativas de re-hegelianizar o marxismo podem parecer paradigmáticas.

Anderson reconheceu certos méritos a esse agrupamento de posições, ao mesmo tempo em que destacou seu déficit estratégico, apostando que os acontecimentos de 68 e seus efeitos produziriam novas formas de confluência do marxismo com o movimento de massas e, dessa forma, uma reconstituição da teoria marxista em termos mais clássicos do que os do "marxismo ocidental". Nesse contexto, ele reivindicou a tradição trotskista como uma alternativa que manteve uma concepção de tipo clássico ao mesmo tempo que uma atividade militante, mas marcando uma distância com a teoria da revolução permanente de Trotsky, desde a reivindicação de processos burgueses "progressistas" como a reforma agrária após a revolução de 52 na Bolívia. A propósito, essa leitura da inadequação da teoria da revolução permanente à realidade do século XX, pelo argumento da progressividade do desenvolvimento burguês, somada à formação Deutscheriana de Anderson e sua consequente lógica de reforma acima da burocracia soviética, lança dúvidas sobre sua costumeira identificação com o trotskismo, geralmente realizada por quem não conhece a fundo essa tradição ou seus debates. Era mais "trotskista" do que propriamente trotskista, mas isso é outra história.

Não nos deteremos no texto de Anderson, mas o levaremos em consideração para alguns debates relacionados, com implicações mais amplas. Essas implicações dizem respeito a: a) como definir o que é o marxismo hoje e qual a sua situação em relação a outras teorias e como movimento social e político; b) como definir quais devem ser as prioridades do marxismo do ponto de vista teórico; c) o que significa hoje o nexo entre teoria e prática; d) em que medida o pensamento estratégico marxista é atual. Vamos ver como esses tópicos foram tratados na palestra.

Três visões sobre o marxismo ocidental e a crise do marxismo

Santiago Roggerone apresentou as principais diretrizes de um novo livro que será publicado em breve, que dá continuidade às suas reflexões sobre o tema: "Será que alguém disse crise do marxismo?", mas focando na categoria do marxismo ocidental, para perguntar o que aconteceu com ele e qual é o panorama do marxismo atual, ao mesmo tempo que indaga sobre vários aspectos da trajetória teórica e política de Perry Anderson.

Ele deu ênfase especial às novidades que a evolução do marxismo e as chamadas teorias críticas trouxeram após os anos 1970, um conceito amplo que implica tanto nas derivações da Escola de Frankfurt quanto no que Keucheyan chama de “pensamentos críticos”, englobando várias teorias que tentam apresentar uma crítica ao capitalismo ou a aspectos dele, ora relacionados e ora em posições que estão em conflito com o marxismo. Voltando às intervenções de Jameson, Roggerone resgata a ideia de que a generalização do neoliberalismo impõe ao marxismo a necessidade de ter um caráter global e de buscar compreender a lógica cultural, econômica e política do “capitalismo tardio”.

Roggerone define o marxismo como uma teoria crítica da modernidade que combina o método do materialismo dialético, a prática política do socialismo e do comunismo e a teoria do materialismo histórico. Por meio dessa definição, por um lado, relativiza o caráter de "desvio" em relação ao paradigma clássico que Anderson atribui isso marxismo ocidental propriamente, e por outro lado traz um panorama no qual relações porosas se estabelecem sem uma delimitação clara entre o que seria o marxismo ocidental, teorias críticas no sentido mencionado acima e o que Gayatri Spivak chamou de "marxismo global".

O outro ponto das definições de Anderson que Roggerone relativiza é a questão do marxismo ocidental como produto de uma derrota porque, de acordo com seu ponto de vista, no marxismo há muito mais derrotas do que vitórias. E, nesse sentido, ele entende que o marxismo é muito mais uma teoria que tira conclusões da derrota do que uma teoria que sistematiza as conclusões dos triunfos. Desse ponto de vista, ele dialoga com elaborações como as do realismo capitalista de Mark Fisher ou as reflexões de Enzo Traverso sobre a questão da melancolia da esquerda e a ideia de que a esquerda precisa fazer um “trabalho de luto” como condição necessária para pensar como enfrentar a realidade atual.

Em segundo lugar, a intervenção de Javier Waiman retomou os tópicos de um artigo publicado anteriormente na revista Antagónica. Para Waiman, é um erro apontar que o marxismo ocidental é o produto de uma derrota, como afirma Anderson. Datando o nascimento dessa tradição nas obras de Lukács e Korsch nos anos 1920 - que ele acrescenta ao Gramsci de "A Revolução Contra o Capital" - ele aponta que o marxismo ocidental é, na verdade, produto de uma vitória. Seus textos fundadores como História e consciência de classe ou marxismo e filosofia são o produto do entusiasmo dos marxistas europeus pela onda aberta pela Revolução Russa no período imediato do pós-guerra. Assim, ao questionar a categorização feita por Anderson ao sobrepor ou agrupar diversas gerações cujos trabalhos se desenvolveram em contextos totalmente diferentes, por um lado, e atribuir a elas as características da geração do pós-guerra como predominantes, Waiman argumenta contra a ideia de que as condições da luta de classes no mundo do pós-guerra foi a da derrota. Ele baseia sua posição especialmente no fortalecimento social da classe trabalhadora nos países imperialistas e na conquista dos chamados "estados de bem-estar social". Em certa medida, realiza uma operação semelhante a que critica em Anderson, que é a de agrupar diferentes momentos e gerações, neste caso referindo-se aos anos 1920, para a partir daí colocar a vitória e não a derrota como central. Uma consequência desse posicionamento poderia ser a subvalorização do peso desmoralizante do stalinismo no movimento operário, um assunto sobre o qual Waiman critica Anderson em seu artigo, mas sobre o qual não está claro qual alternativa a Escola de Frankfurt teria oferecido, que é a quem Javier mais resgata em sua intervenção.

Deste ponto de vista, o marxismo ocidental seria muito menos produto de uma derrota do que das novas condições da luta de classes, criadas pelo caráter peculiar das vitórias obtidas. As enormes conquistas da classe trabalhadora ocidental reforçaram suas tendências de integração na ordem capitalista e impuseram a necessidade de uma redefinição das relações entre o marxismo e a classe trabalhadora, bem como entre a teoria e a prática política. Essas reflexões são amparadas pelo marxismo ocidental, especialmente o da Escola de Frankfurt, considerado o mais produtivo por Waiman, em oposição a Althusser. No entanto, essa perspectiva também se opõe às tentativas de reconstruir um marxismo centrado no pensamento estratégico, contra o qual se sustenta a necessidade de "assumir que hoje não sabemos, e talvez nunca soubemos, como fazer uma revolução".

A intervenção de Gisela Catanzaro contribuiu com elementos importantes para a discussão, deslocando um pouco o eixo do debate dos problemas da cartografia ou da revisitação do passado para o resgate das determinações político-ideológicas da teoria, dos exercícios de leitura e da sua ligação com a prática social e política. Questionando o contraste entre a escola de Frankfurt e o pensamento de Althusser proposto por Javier Waiman, ele afirmou que eles têm em comum o problema de resistir a uma teoria simples do social e da história, de uma perspectiva materialista. Questionando também se uma epistemologia expurgada das arestas políticas do conhecimento pode ser concebida, Catanzaro apontou a importância de se pensar como o problema da materialidade histórica é concebido, incluindo a ação subjetiva em todos os sentidos. Nesse contexto, chamou a atenção para o problema de como se faz a história e, principalmente, para as revoluções. Em sua leitura, essas reflexões sobre a revolução como passado ou como revolução perdida podem minimizar o fato de que as revoluções sempre foram feitas “dos restos”. Essa definição se refere ao fato de que uma revolução nunca foi feita a partir de um modelo, mas a partir de articulações a partir da realidade existente. Daí, para Catanzaro, a importância de voltar-se para o passado contra as concepções "presentistas" - uma espécie de absolutização do presente que representa mudanças cada vez mais inimagináveis ​​para o futuro - não pode ser em termos de "história intelectual" ou "mapa cognitivo". Para Catanzaro, é essa disposição materialista típica do marxismo ocidental em relação ao social, de rejeição das simplificações e busca de compreender a complexidade com suas implicações subjetivas, que deve ser resgatada, ao invés de tomá-la como objeto de estudo. Nesse quadro, pensando na experiência do assunto que começou com a liderança de Grüner em 1998 e foi chamada de "Aventuras do marxismo ocidental", afirmou que o que Grüner queria apontar tinha a ver não com Anderson, mas com a recuperação do marxismo ocidental contra as ciências sociais que eles consideravam poder passar da filosofia. O principal interesse não era estudar o marxismo ocidental como um objeto a classificar, mas tomar os textos como um "livro vivo". Ao todo, uma reflexão muito pertinente, que marcou as limitações de certas modas intelectuais recentes, ao mesmo tempo que reavaliou exercícios de leitura que na época tiveram de enfrentar importantes obstáculos ideológicos.

Cercado pelo marxismo melancólico

Em seus dois livros publicados, "Alguém disse crise do marxismo?" e "Come Later"(este mais em uma chave geracional), assim como nesta nova e ainda não publicada obra sobre o marxismo ocidental e suas derivas, Santiago Roggerone mostra uma forte vocação para refletir sobre o estado atual da teoria marxista e suas possibilidades de desenvolvimento. É um dos casos minoritários de intelectuais que não se contentam com a mera aceitação das “normas da APA”, índices, referências e outras práticas desse tipo, que nos labirintos acadêmicos costumam ser considerados mais importantes do que os conteúdos ou determinantes dos mesmos.

Nossas reflexões se tocam de muitas maneiras, mas também temos certas diferenças. Santiago apela para uma definição de marxismo que tem muitas indefinições. Pensar no marxismo como uma teoria crítica da modernidade dilui um pouco as especificidades da crítica do capitalismo e suas implicações políticas. Na leitura de Santiago, termos como "mil e um marxismos", "teorias críticas", "marxismo ocidental" ou "marxismo global" relacionam-se de forma tão porosa que, por exemplo, uma corrente antimarxista de pleno direito, como a ideologia descolonial, que poderia fazer parte do mesmo arquipélago que as teorias críticas, tendências que defendiam abertamente o marxismo. Ou seja, é uma leitura em que a luta ideológica não tem a mesma relevância que o exercício da cartografia. Esse ponto pode gerar certo incômodo para Santiago com relação ao que Anderson chama de "tradição clássica", pois ele entra como parte do panorama, mas sua produtividade para a frente não é clara.

Atrelado a essa questão, as reflexões sobre a “melancolia de esquerda” são subsidiárias com uma certa desvalorização do debate estratégico. Nesse aspecto, assim como em outros, concordamos com a reflexão de Catanzaro sobre a importância de colocar muito mais em primeiro plano as implicações político-ideológicas dos debates sobre o marxismo ocidental e a relação passado-presente em termos de um passado que não é petrificado ou museificado, mas antes estende sua operabilidade no presente. Se a característica da esquerda atual é um estado de melancolia, diante do qual ainda é necessário "fazer um trabalho de luto", a ação política se reduz a opções mais ou menos pragmáticas que poderiam ter pouca relação com a teoria, ao contrário do que o próprio Santiago desejava para o futuro e o que nossa corrente tentou fazer nas últimas décadas. Outra forma de pensar seria que a reativação do pensamento estratégico faz parte desse “trabalho de luto”. Portanto, a imposição melancólica não impede que Santiago se oriente em suas reflexões a algum tipo de maior incorporação das consequências políticas das questões teóricas e, assim, a algum tipo de pensamento estratégico. A discussão está aberta.

Teoria e estratégia: debate sério ou falácia do espantalho?

Há um problema importante que tem a ver com o contexto em que os fenômenos relacionados ao marxismo ocorrem no nível teórico. Desde a crise de 2008, o marxismo recuperou certa autoridade em relação aos chamados pensamentos críticos, sobretudo por sua capacidade de dar uma resposta teórica à crise econômica do capitalismo, questão totalmente desvalorizada em outras teorias. É verdade também que o crescente processo de academização da intelligentsia e burocratização do campo acadêmico torna possível ser marxista do ponto de vista teórico sem ter a menor atividade militante. Desse ponto de vista, atrevo-me a dizer que a academia atual - com as honrosas exceções do caso - está por trás dos compromissos políticos do marxismo ocidental.

Simultaneamente, os fenômenos ideológicos predominantes não apenas no nível das massas, mas também no nível dos movimentos e setores mais organizados, tendem a ser mais ou menos antimarxistas. Com isso, quero dizer questões muito básicas: uma subvalorização da importância das mudanças na estrutura econômica, uma abordagem da questão de classe em termos de discriminação de status, mas não de exploração e luta de classes, e uma falta de perspectiva de mudança do sistema além do capitalismo, ao mesmo tempo em que privilegia a luta por demandas específicas. Basta reler "The Illusions of Postmodernism", de Terry Eagleton para verificar rapidamente que muitos dos aspectos do senso comum pós-moderno que ele apontou 25 anos atrás hoje continuam a ser moeda comum em grande parte dos movimentos organizados por reivindicações específicas, desvinculados de qualquer tentativa de modificar o sistema como um todo.

Nesse contexto, a tarefa de recompor o marxismo abrange tanto a recuperação dos debates sobre as diferentes formas de leitura que existiam nas várias tradições marxistas, quanto os debates de análise e crítica da economia política e da realidade para entender o que é e o que está acontecendo com a crise do capitalismo e os debates estratégicos, para pensar os modos de ação política nas condições atuais.

Quando Javier Waiman diz que devemos reconhecer que não sabemos fazer revolução ou que talvez nunca tenhamos sabido, contrastando a reflexão teórica e os movimentos sociais com o pensamento estratégico, ele parece considerar isso como uma espécie de conjunto de fórmulas pré-definidas.

Mas, no marxismo, a estratégia não existe separada da tática, por uma questão lógica elementar. Não existem ações estratégicas que não passem pela mediação das táticas e a estratégia implica na condução e coordenação dos resultados das ações táticas. Isso significa que não há estratégia sem pensamento concreto sobre as várias situações e conjunturas. Nessa perspectiva, a reflexão sobre as características da revolução socialista no século XXI em todos os níveis é fundamental. Analisar questões como a importância dos centros urbanos e as posições estratégicas dos diversos setores da atual classe trabalhadora, sua composição heterogênea e seu impacto em problemas como a hegemonia e a frente única; a relação entre revolta e revolução, a relação entre as demandas democráticas e as demandas econômicas voltadas para o questionamento da propriedade privada, as formas concretas que as organizações de base podem assumir sobre as quais se pode construir uma dualidade de poderes; todos esses são problemas que incidem diretamente na prática cotidiana da esquerda e sobre os quais se propõe recolher a experiência do passado e realizar novas experiências. Por exemplo, a esquerda dificilmente desenvolveria uma política de unidade entre camadas da classe trabalhadora se ao mesmo tempo não sustentasse uma política hegemônica que articule as dimensões de classe com as de raça e gênero em inúmeros países. Não está claro para mim qual seria o benefício de abandonar essa dimensão da reflexão marxista com o argumento ou suposição infundada de que o próprio pensamento estratégico é dogmático.

Algumas conclusões:

A história da qual viemos nos obriga um pouco a praticar um certo “marxismo genérico”. Com isto quero dizer que, ao mesmo tempo que fazemos um inventário dos debates intramarxistas e no nosso caso reivindicamos os méritos da tradição trotskista e de sua abordagem estratégica, é necessário recuperar de todas essas elaborações marxistas os elementos que contribuem para a compreensão da realidade atual, para a luta ideológica com posições antimarxistas, sejam elas da ideologia burguesa oficial ou de variantes supostamente críticas, mas que cumprem a função de prolongar a multiplicação de resistências parciais impotentes contra um sistema cada vez mais barbarizado e destrutivo, assim como recuperar as contribuições teóricas e políticas que permitem que a luta de classes seja colocada no centro. Neste sentido, reflexões como as que comentamos neste artigo são pertinentes, embora os resgates que procuramos implementar coincidam em alguns casos e sejam confrontados diretamente em outros. No meu caso particular, apontamos junto com Ariel Petruccelli que uma avaliação crítica do legado de Louis Althusser ou Manuel Sacristán pode contribuir mais para a recomposição de um marxismo centrado na luta de classes do que o apelo às variantes frankfurtianas. [1]. Claro, essa afirmação também é discutível. Mas é disso que se trata. Ligado a isso, há também o problema de pensar o marxismo a partir de um lugar concreto. Por concreto, me refiro a duas questões. Trata-se de rediscutir certos lugares de enunciação pré-constituídos pela força do costume ou pela lógica da evolução interna de cada tradição separada das demais. Se todas as releituras vão nos levar mais ou menos para onde já estávamos no início, estamos fazendo algo errado. Em segundo lugar, por concreto, quero dizer a explicitação do lugar de onde falamos. Sem cair nos particularismos de certas leituras sobre o marxismo latino-americano, vale resgatar aquela ideia de Mariátegui sobre cosmopolitismo que leva à autoctonia. Um dos argumentos que Perry Anderson apresentou nos anos 70, embora não o tenha seguido com muita importância para dizer, foi que a cultura marxista britânica foi afetada pelo insularismo e pelo provincianismo e era urgente modificar isso. Pensando nos grandes problemas do marxismo, ligando a realidade latino-americana aos problemas internacionais, com abordagens inevitavelmente erradas porque ninguém tem "o ponto de vista do todo", mas capaz de registrar as novidades ao mesmo tempo que sabe defender os necessários núcleos duros e luta pelas continuidades essenciais, buscando compreender os atuais marcos teóricos, políticos e estratégicos, é uma tarefa indispensável para qualquer tentativa de religar a teoria marxista com as práticas da classe trabalhadora e dos setores populares.

Para isso, o trotskismo tem certa vantagem sobre as outras tradições, como apontou Ariel Petruccelli: apesar da crise atual em grande parte do movimento trotskista, o trotskismo conseguiu manter uma continuidade da militância por décadas, remando contra a corrente. Hoje temos a possibilidade de ampliar os debates, avançar em campos abertos, mas ainda minados e, nesse marco, aguçar o pensamento estratégico, teórico e político. Desta forma, o debate com colegas de outras tradições ou tendências é insubstituível e necessário.

veja todos os artigos desta edição
FOOTNOTES

[1Comparemos, como estamos, Adorno chamando a polícia contra os alunos da SDS com Manuel Sacristán segurando "La Capuchinada" junto com a União Democrática de Estudantes da Universidade de Barcelona, ​​até serem expulsos à força pela polícia de Franco . Somos todos marxistas, mas ...
CATEGORÍAS

[Internacional]   /   [Perry Anderson]   /   [Filosofia]   /   [Estratégia Socialista e Arte Militar]   /   [Ideias de Esquerda]   /   [Marxismo]   /   [Teoria]

Juan Dal Maso

Comentários