Mundo Operário

Dia de luta na USP – Audiência publica na Alesp para lutar por mais verbas para a educação

terça-feira 23 de junho de 2015| Edição do dia

Ontem, dia 23 de junho, foi mais um dia de luta para os trabalhadores das 3 universidades estaduais paulistas e do Centro Paula Souza. Em audiência pública na Alesp, trabalhadores, professores e estudantes lotaram o auditório Franco Montoro.

Francisco Miraglia, da Adusp, lembrou os deputados que é preciso que o ICMS repassado para as universidades seja o produto total de arrecadação, ou seja, o total bruto do valor arrecadado sem os descontos prévios da nota fiscal paulista e da habitação que o governo estadual vem fazendo. Tal desconto é irregular e significou, só em 2014, centenas de milhões de reais deixados de serem repassados às universidades.

Os trabalhadores, juntamente com o Fórum das 6, entidade que reúnem funcionários e professores da USP, Unesp e Unicamp mais o Centro Paula Souza, reivindicam os históricos 11,6% do total do produto arrecadado. Atualmente, as estaduais recebem 9,57% do ICMS descontado a nota fiscal paulista e habitação.

Diante da crise financeira reitoria e governo tentam desconta-la nas costas dos trabalhadores. O reajuste oferecido pelo CRUESP, entidade que reúne reitores das 3 universidades, escalonado 4% em maio e 3.09% em outubro, significa arrocho salarial pois, além de não cobrir a inflação do dieese, escalonado já significa aos trabalhadores perdas salariais. Além disso, o acelerado processo de desmonte que passa a USP faz urgente a saída em sua defesa, por mais verbas e pela abertura de todas as contas e livros caixas.

Magno de Carvalho, diretor do Sintusp, marcou, em sua fala na Alesp, que os trabalhadores irão defender a todo custo a universidade pública gratuita e de qualidade e seus empregos contra os ataques da reitoria, do governo estadual e dos ajustes do governo Federal.




Tópicos relacionados

São Paulo (capital)   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar