Internacional

MOVIMENTO ESTUDANTIL CHILE

Derrubemos a herança da ditadura de Pinochet! Fora Piñera!

Reproduzimos abaixo a declaração programática da agrupação juvenil Vencer frente a estas 2 semanas de mobilizações que colocaram o governo Piñera em xeque.

sexta-feira 1º de novembro| Edição do dia

Reproduzimos abaixo a declaração programática da agrupação juvenil Vencer frente a estas 2 semanas de mobilizações que colocaram o governo Piñera em xeque.

Há mais de 15 dias, milhares de jovens, principalmente secundaristas, pularam as catracas do metrô e com isso abrimos o caminho para mobilizações massivas, vivendo verdadeiras jornadas revolucionárias. Assim, demonstramos uma força incontrolável. Uma energia que nasce da raiva e do cansaço, diante de uma vida sem futuro que a nós e às nossas famílias apenas entrega ataques e precarização.

Ficamos cansados da repressão e dos policiais dentro de nossas escolas enquanto eles jogavam o Aula Segura (Lei aprovada por Piñera que fortaleceu a repressão nas escolas com a presença de policiais e ameaçando expulsões e cancelamentos de matricula por violência em base a decisão dos diretores das escolas) em nós. Cansamos dos trabalhos precários que não são suficientes para viver, instáveis e esmagadores e, para estudar, temos que pedir empréstimos e nos endividar. Cansamos do trabalho precário de nossos pais e das aposentadorias miseráveis de nossos avós. Nós estamos cansados desse sistema que destrói o planeta para encher os bolsos de alguns. Ficamos fartos da violência machista e que nos neguem nossos direitos como o aborto legal. E dissemos claramente: não são 30 pesos, são 30 anos.

Com a força dessa raiva e cansaço, saímos as ruas, despertando milhões em todo o país, fazendo o governo tremer e balançar. Tomamos as ruas das principais cidades do país.

À qual o governo respondeu com repressão, com um estado de emergência e toque de recolher. Ele levou a bota militar e os tanques para a rua como na ditadura, disparando balas, gás lacrimogênio e chumbo, assassinando, estuprando e torturando dezenas de nossos companheiros. O governo e o Estado são responsáveis!

E enquanto nos atingia, hipocritamente, Piñera propôs uma "Agenda Social", baseada em subsídios neoliberais. Mas sua "normalidade" com a repressão é uma farsa. Propor migalhas para que nada mude!

Por outro lado, a ex Concertación rapidamente buscou acordos com essa direita manchada de sangue. Eles têm um inimigo em comum: os trabalhadores, os setores populares e a juventude. Eles querem que a governabilidade às custas das mortes mantenha esse modelo intacto. Eles querem voltar à velha normalidade neoliberal!

Toda essa energia que empregamos também teve como obstáculo a política do Partido Comunista e da Frente Ampla, que hoje dirigem a maioria das federações universitárias e coordenações de escolas secundaristas, como o CONES.

Esses partidos, desde a Mesa de Unidade Social, decidiram salvar a pele de Sebastián Piñera, quando seu governo estava morrendo. Fizeram um chamado a uma "greve geral", mas sem organizá-la a partir da base, sem um plano de luta e por apenas dois dias. Então eles pediram uma nova greve, tirando o "fora de Piñera" das demandas, traindo assim milhões que nas ruas gritam pela queda desse governo criminoso!

Na verdade, eles querem se sentar para negociar em melhores condições, usando nossa força apenas para pressionar. É o caminho que eles adotaram no movimento estudantil: 15 anos desviando nossas demandas para negociações infrutíferas no parlamento e nas mesas de diálogo, que só nos deram migalhas, como a falsa gratuidade de Bachelet.

E hoje, as federações estudantis seguiram o mesmo caminho durante essa mobilização, sem desempenhar nenhum papel para fortalecer essa luta, recusando-se a convocar assembleias de base para discutirmos democraticamente nosso programa, impondo decisões de cima e até criando conselhos ao lado das mesmas autoridades universitárias que mantêm e se beneficiam da educação no mercado.

A acusação constitucional (Processo parecido com Impeachment no Brasil) que preparam contra Piñera nada mais é do que uma ilusão: não tiraremos o assassino que temos como presidente com os votos do Senado ou da Câmara dos Deputados, que nada têm para nos dar. É uma utopia acreditar que podemos conquistar nossas demandas enquanto este governo de neoliberais e assassinos ainda está de pé. O primeiro passo é derrubá-lo!

Embora devamos ir mais longe. Para conquistar nossas demandas precisamos atacar os lucros dos grandes empresários que se enriquecem precarizando nossas vidas. Precisamos enfrentar os verdadeiros poderes: aquelas 10 famílias que financiam os partidos de direita e a ex Concertación, proprietárias do mar, das minas e dos bancos.

Por isso, é utópico pensar que uma "Nova Constituição", enquanto exista esse regime herdado da ditadura militar, com esse Parlamento cheio de ladrões e com os grandes empresários que governam as sombras, poderá garantir direitos sociais duradouros.

Para avançar na conquista da educação gratuita, acabar com as AFPs, com pensões e salários de fome, com educação sexista, temos que nos preparar para enfrentar esses grandes empresários e derrubar toda a herança da ditadura militar!

Não podem mais silenciar nossa raiva, ainda somos milhares nas ruas que não nos resignamos e queremos mudar tudo. Não negociamos os mortos do povo por migalhas! Nós nos recusamos a desviar a luta! Porque se não for agora, quando será?

A partir da agrupação Vencer, propomos construir uma juventude que se revolta: que luta por uma alternativa e por um caminho diferente. Uma juventude anticapitalista, revolucionária, internacionalista, da classe trabalhadora e dos setores populares, que possa enfrentar esse regime herdado da ditadura militar.

Por isso lutamos, por:

Vamos criar coordenações e assembleias para organizar a luta! Essa luta é essencial para construir uma organização democrática do movimento e que se fortaleça e articule.

Refundar as federações estudantis e criar coordenações democráticas dos estudantes secundaristas! Lutamos por assembleias de base nos locais de estudo e trabalho, onde as decisões e o programa de nossa mobilização são discutidos e votados, elegendo democraticamente delegados que sejam eleitos e revogáveis. Não podemos permitir que os dirigentes continuem decidindo por cima e sem sequer consultar o caminho da luta.

Julgamento e punição na prisão comum aos criminosos e responsáveis politicos por assassinatos, tortura, estupros e violações dos Direitos Humanos! Não à impunidade dos crimes contra o povo! Não à violência política sexual!

Fora Piñera! Greve geral indefinida com plano de luta até o governo cair! Nenhuma negociação com este governo assassino! E sem nenhuma confiança no Parlamento que nada mais é do que um covil de ladrões.

Derrubar a herança da ditadura militar! Lutemos pela nacionalização dos recursos naturais sob a gestão de seus trabalhadores! Vamos expropriar as grandes fortunas para financiar as necessidades urgentes dos trabalhadores! A enorme força que temos não pode ser desviada para negociar migalhas. Podemos derrubar esse regime herdeiro de Pinochet: esse modelo repressivo e autoritário de endividamento e precarização!

Assembleia Constituinte Livre e Soberana imposta por essa mobilização. Não queremos que os mesmos milionários decidam novamente por nós. Vamos levantar sobre as cinzas deste regime uma Assembleia Constituinte Livre e Soberana, onde nenhuma instituição deste Estado podre está acima dela, com delegados eleitos a cada 20.000 eleitores maiores de 14 anos.

Lutamos por um governo dos trabalhadores de ruptura com o capitalismo. Embora hoje proponhamos uma Assembleia Constituinte como uma saída de emergência diante da crise social que afeta o país, sabemos que os empresários se recusarão violentamente as nossas demandas. Para lidar com essa violência empresarial apostamos no desenvolvimento de organismos de auto-organização da classe trabalhadora, com a perspectiva de que elas são a base de um governo dos trabalhadores em ruptura com o capitalismo e que, juntamente com os setores populares decidam sobre o destino da sociedade.

Por uma vida que merece ser vivida. Convidamos você a se juntar a essa juventude que perdeu o medo e quer mudar tudo! Junte-se ao Vencer!




Tópicos relacionados

Retorno da luta de classes   /    Internacional

Comentários

Comentar