Política

CRISE PRA QUEM?

Deputados preparam 99% de desconto para empresas devedoras enquanto cortam nossos direitos

sexta-feira 14 de julho| Edição do dia

Os deputados preparam mais um presentão para os empresários, com um grande perdão para o calote das empresas que nos exploram. A Medida Provisória de renegociação da dívida das empresas, cujo texto inicial dava perdão de 80% nos juros com relação aos impostos que estas empresas devem ao estado, agora poderá aumentar para até 99% de desconto.

O deputado Newton Cardoso (PMDB-MG), que deve R$ 67 milhões à União, é relator e autor deste novo texto do "Refis", nome pelo qual é chamado este perdão de dívidas. Na modalidade que ele tenta negociar com Henrique Meirelles, Ministro da Fazenda, há previsão de descontos de até 99% de multa e juros caso o devedor opte por uma parcela de 20% à vista calculada sobre o valor integral (sem descontos).

Newton declarou que Temer "não vai ter voto nem partido", recentemente quando se tratava da votação para admitir a abertura de inquérito contra Temer pelas denúncias de corrupção. Desta forma, o governo estuda o novo relatório do Refis e tenta chegar em um acordo com os deputados.

Leia também: ⁠⁠⁠⁠⁠Quem são e do que são acusados os deputados que absolveram Temer

A proposta ainda prevê liberar as igrejas dos Imposto Sobre Operação Financeira, facilitando ainda mais a vida das altas cúpulas multimilionárias que praticam lavagem de dinheiro e evasão de divisas livremente.

No fim, tudo se resume à uma troca de favores entre governo e deputados para favorecer os capitalistas e as empresas, e nos atacar com a reforma da trabalhista. Para isso vale tanto negociar os votos pela absolvição de Temer, ou descartá-lo em nome de favorecimento pessoal em algum novo governo de ataques aos trabalhadores.

Matérias relacionadas:

Políticos devem R$ 876 milhões e, em beneficio próprio, querem diminuir arrecadação

Patrões, congresso corrupto, judiciário privilegiado: nossas vidas valem mais que seus lucros




Tópicos relacionados

Governo Temer   /    Política

Comentários

Comentar