Sociedade

SAÚDE NO RIO DE JANEIRO

Depoimento de uma entre os 1.500 trabalhadores da saúde demitidos por Crivella

Crivella coloca mais de 1.500 trabalhadores na rua após o fim do contrato com a Oss VIVA RIO, divulgamos aqui o depoimento de uma psicóloga do CAPS Rocinha, Karyne Couto, que é uma dos centenas de trabalhadores que foi sumariamente demitida.

sábado 15 de fevereiro| Edição do dia

"São 4 anos e 6 meses de CAPS da Rocinha.
Desses quase 5 anos, 2 anos foram como pesquisadora de mestrado cujo objeto era o CAPS em sua dimensão clínica antimanicomial.

Leva tempo para construir um trabalho, não é fácil para ninguém falar de suas dores mais profundas, falar de suas produções psíquicas mais diversas, falar do que dói e destrói.
Leva igualmente tempo construir um cuidado singular, a partir do que cada usuário demanda do serviço, do profissional.
Leva tempo para o usuário, em sofrimento psíquico, fazer um convite para ir em sua casa, sem se sentir invadido, perseguido.
Leva tempo...aos vezes leva o tempo de 1 hora, por outras o tempo é de 1 ano, quem sabe o tempo ainda nem chegou...
E sabe, o tempo está levando uma rasteira que está o massacrando...
Massacra, usuários dos serviços SUS, os profissionais que neles trabalham e acreditam...
Está fazendo doer, não só em mim, nos meus colegas e nos usuários que por vezes possuem recursos precários de vida! São eles que estão voltando para o manicômio, local que muitos não são internados por 10 anos, tempo de existência do CAPS da Rocinha!

Leia Mais: Trabalhadores da saúde bucal denunciam Crivella por demissões no atendimento às famílias

Sabe, o manicômio está sempre lá, aberto, pronto pra receber as pessoas em surto.
Leva tempo para derrubar o manicômio, por um momento, acreditamos que estávamos um tempo a frente. Daí o manicômio vem e diz que pra ele não tem “tempo ruim”.
Percebe?
O manicômio não é composto apenas de paredes descascadas fedendo a mijo!
Ele é produto de uma sociedade que preza por individualidades, que não tem pudores em atropelar a subjetividade das pessoas!
Ou seja, os Usuários do CAPS da Rocinha não estão perdendo seus Técnicos de Referência somente, eles estão perdendo uma lógica de trabalho, que preza pelo vínculo, pelo trabalho no território... estratégias antimanicomiais que levam tempo para serem construídas.
Essa porrada está sendo grande, está fazendo com que nossa sensação seja de perda de tempo!
Mas o tempo é nosso grande aliado!
Combater o manicômio é trabalho diário, intermitente e feito na coletividade!
E vou revelar um segredo: esses canalhas não fazem ideia da força do nós!"

Leia Mais: Crivella demite funcionários das farmácias populares e de programas de atenção básica->http://esquerdadiario.com.br/Crivella-demite-funcionarios-das-farmacias-populares-e-de-programas-de-atencao-basica]

O Esquerda Diário se solidariza com os trabalhadores que vem sofrendo com o desmonte dos serviços de Atenção Básica e Saúde Mental do município do Rio de Janeiro e agora com a perda de seus empregos, sendo impossibilitados de continuar ofertando cuidado a população usuária. E se coloca a disposição para dar voz a todos os trabalhadores que queiram divulgar o brutal ataque aquele que estão sofrendo.




Tópicos relacionados

Greve na saúde do Rio   /    Marcelo Crivella   /    Crise no Rio de Janeiro   /    Sociedade   /    Saúde

Comentários

Comentar