Opinião

TRIBUNA ABERTA

Denúncia aos atos municipais contra a cultura de Contagem

Reproduzimos abaixo, nota enviada ao Esquerda Diário pelo CCL - Coletivo Cultura em Luta, de Contagem, MG

quarta-feira 20 de dezembro de 2017| Edição do dia

O prefeito Alex de Freitas (PSDB) e alguns vereadores de Contagem, em Minas Gerais, têm preparado um presente de natal para a população contagense. Todas as terças-feiras, às 9h, acontece plenária na Câmara e são votados projetos para o município. No último mês, foi enviado um Projeto de Lei que podemos dizer ser uma “Deforma Administrativa”. O projeto (031/2017) pretende extinguir fundações de extrema importância para o desenvolvimento da cidade, como a FUNDAC (Fundação Cultural do Município de Contagem), a FAMUC (Fundação de Assistência Médica e de Urgência de Contagem) o CINCO (Centro Industrial de Contagem), a CONPARQ (Fundação Municipal de Parques e Áreas Verdes de Contagem) e o IPUCON (Instituto de Planejamento Urbano do Município de Contagem).

A Fundac foi criada em 2013, como conquista histórica dos artistas, assim como o Fundo Municipal de Cultura, que aprovou desde 2014 mais de 200 projetos culturais locais. O projeto a ser votado nos próximos dias pretende extinguir a Fundação e também o Fundo Municipal de Cultura, acabando com a política de fomento as artes e da cultura na cidade. A autarquia é tida hoje como única instância comprometida com a gestão política cultural do município. Com a aprovação do projeto, haverá o retorno da centralização das políticas através dos vereadores e outras secretarias, sem que se destine um uma pasta específica para a cultura. De forma retrógrada seria a volta da política de favorecimento do pão e circo dos políticos da cidade, que podem passar a aplicar recursos não na promoção cultural, mas em seus currais eleitorais como antigamente.

É preciso valorizar a Fundac e a realização dos debates, colocando em pauta a reabertura dos espaços culturais que estão hoje abandonados, como a da Casa de Cacos, o Cine Teatro, o Museu Nair Mendes, a Centro Cultural do Petrolândia, entre outros. É preciso recuperar os espaços hoje fechados e criar um plano cultural para a cidade, com descentralização dos recursos e mais incentivo aos artistas locais. Para isso, é preciso uma Fundação de Cultura aberta ao diálogo e não sua extinção, como propõe o projeto.

Fechar a CONPARQ e o IPUCON, por sua vez, nos leva a um retrocesso ambiental e social imensurável. A especulação imobiliária e a diminuição das áreas verdes justapostas a proposta de um plano diretor pretende acabar com a Vargem das Flores, desmatando e liberando instalação de empresas. A Prefeitura pretende acabar com a CONPARQ e o IPUCON para centralização de decisões. Necessitamos de uma Reforma Administrativa que acabe com os “cabides de empregos” e os altos salários mas não da extinção da política cultural.

Precisamos valorizar os artistas e os espaços conquistados através de muitas lutas, em respeito a todos os cidadãos contagenses. A cultura de contagem está de luto, estamos em luta. Não aceitaremos fechamento da Fundac, defendemos a expansão da política cultural, ambiental e a não centralização da políticas da cidade.
Junte-se à luta!

(CCL) coletivoculturaemluta@gmail.com
Foto: Reprodução Facebook / Página Coletivo de Cultura de Contagem




Tópicos relacionados

Opinião

Comentários

Comentar