Sociedade

PERSEGUIÇÃO POLÍTICA NA ARGENTINA

Declaração do PSTU argentino em rechaço a perseguição de Sebastián Romero

Reproduzimos o comunicado do PSTU da Argentina. Desde La Izquierda Diario e do PTS na Argentina e também no Esquerda Diário e MRT no Brasil aderimos à rejeição da campanha da mídia e perseguição judicial contra Sebastián Romero e seu grupo.

quarta-feira 20 de dezembro de 2017| Edição do dia

Abaixo a declaração do PSTU argentino:

Violência é a reforma da previdência e o ajuste de Macri. Rejeitamos a brutal repressão do governo

O governo está novamente demonstrando o quão longe está disposto a aprovar seu plano de ajuste. Milhares de trabalhadores, aposentados e estudantes, sindicatos como UOM, CTA, ATE, CTERA, organizações políticas, sociais e de direitos humanos, nos reunimos novamente no Congresso para dizer que não estamos dispostos a deixar os aposentados ser roubados. Assim como fizemos na quinta-feira passada, depois, depois de resistir às horas de repressão, conseguimos levantar a sessão que ia votar sobre a reforma das pensões. Ele não conseguiu parar o medo que eles queriam instalar, nem a ausência de liderança da CGT nos impediu, o que mais uma vez deixou as alianças sozinhas, colocando o corpo na rua.

Longe de reduzir as medidas repressivas, diante da derrota sofrida no outro dia, o governo Macri foi por mais, usando os gases e as balas de borracha para não se "dispersar", mas machucar e ferir. Assim, há muitos companheiros feridos, alguns sérios, como um companheiro ferido com uma bala de chumbo, que estava prestes a sangrar, e outro que perdeu o olho.

Não satisfeitos com isso, eles continuaram a reprimir quando nos retiramos porque não podiam mais pegar o gás, e desencadearam uma caçada brutal levando mais de 50 detidos.

As mesmas pessoas que lançaram o protesto contra a manifestação, em que também havia muitos companheiros e companheiras mais antigos que defendiam o direito a uma velhice digna depois de anos de trabalho, agora estão fazendo campanha sobre "os violentos" na março e acusam particularmente o PSTU e um camarada que parece lançar um fogos de artifício, contra-venda que geralmente leva a todas as mobilizações, desacreditar a enorme mobilização que havia e cobrir mais de 50 detidos e a brutalidade da repressão policial, que não distinguiu sexo ou idade e brutalmente atacado e marchava contra a manifestação, como visto mesmo em um vídeo onde uma motocicleta policial passa literalmente sobre um parceiro que permanece em condições graves.

Quem é o violento? Aqueles que reprimem uma e outra vez para silenciar a reivindicação, ou os trabalhadores que fazem uso do que têm à mão para se defenderem da violenta repressão que até nos impediu de sair da Plaza Congreso?
É de conhecimento público que Sebastián Romero foi candidato a deputado da FIT, além de ser um trabalhador reconhecido e lutador popular, que estava na vanguarda das reivindicações, como o direito à moradia junto com seus vizinhos e defendendo as fontes de trabalho junto com o seu Companheiros da General Motors quando a multinacional yankee avançou com 350 suspensões-demissões, além de se solidarizar com outras lutas da classe trabalhadora.

Esta campanha da mídia e o pedido de prisão que um promotor fez hoje não são apenas contra o PSTU e contra Sebastián. Eles vão contra todas as bandeiras que sempre defendemos em unidade com outras organizações e setores e que o governo quer subjugar.

No mesmo sentido, a "caça às bruxas" é que o governo e a mídia querem desencadear contra Sebastián, contra o PSTU e contra qualquer pessoa que se mobilize por seus direitos. Nós tornamos o governo e as forças de segurança responsáveis por qualquer coisa que possa acontecer como resultado dessa campanha, que, em alguns casos, vem de personagens obscuros que reivindicam a ditadura militar.

É por isso que chamamos organizações políticas, sociais, de direitos humanos, organizações anti-repressivas, legisladores, sindicatos, etc. para repudiar o mandado de prisão e a campanha da mídia, e cercar a solidariedade e defender-se de Sebastián e dos camaradas que ficam detidos. Para defender o direito de todos os trabalhadores defender-se contra a repressão.

Eles nos chamam de violentos, mas aqui havia milhares de famílias que perderam seus empregos; suas casas, seus filhos tiveram que perder seus estudos. A violência implementada pelo plano econômico do governo que ataca as vidas dos trabalhadores e a pobreza extrema, a fome e a precarização com essas reformas.
As pessoas estão cansadas, elas vieram para demonstrar e só têm fome, balas de borracha e gases.

Desde o PSTU denunciamos a brutal repressão do governo, exigimos a libertação imediata dos detidos e denunciamos a campanha orquestrada por aqueles que geram diariamente a violência social da fome, da miséria e do desemprego.
Ao mesmo tempo, chamamos para continuar nas ruas contra as reformas e todo o plano do governo, que é quem exerce a violência diária contra trabalhadores, aposentados e suas famílias. Temos de preparar a luta para que a reforma da previdência seja revogada, a reforma trabalhista não é aprovada, então Bullrich pode ir e derrotar o plano de ajuste do governo.

Tradução Douglas Silva




Tópicos relacionados

Argentina   /    Reforma da Previdência   /    Mauricio Macri   /    Internacionalismo   /    PSTU   /    América Latina   /    Sociedade   /    Internacional

Comentários

Comentar