Sociedade

Contra o aumento em BH

Como foi o terceiro ato contra o aumento das passagens em BH

Flavia Valle

Professora, Minas Gerais

sexta-feira 22 de janeiro de 2016| Edição do dia

Ontem aconteceu o terceiro ato contra o aumento das passagens em Belo Horizonte. Com cerca de 150 pessoas o protesto saiu da Praça Sete, e na altura da rua da Bahia uma parte dos manifestantes seguiu pela pela Afonso Pena e outra no sentido da Praça da Estação.

Os manifestantes protestaram contra o aumento das passagens de ônibus, as péssimas condições do transporte público como a falta de linhas, de ônibus, a lotação dos transportes e o constante assédio sexual que acontece dentro dos ônibus contra as mulheres. Também denunciaram a prefeitura de Márcio Lacerda e o governo de Fernando Pimentel de imporem pela terceira vez ao ano o aumento das passagens.

A referência à luta dos estudantes secundaristas de São Paulo que derrotaram o governo estadual do PSDB de Geraldo Alckmin apareceu várias vezes também na música: "Ai caralho, bateu uma onda forte, venceram nas escolas vamos vencer nos transportes".

Muitos usuários ao longo do ato prestaram solidariedade seja buzinando seja aplaudindo o ato e pegando os materiais contra o aumento, como o da Juventude às Ruas “basta de Deixar nossas Vidas no Busão”, que conjuntamente com a denúncia das péssimas condições do transporte público defende que a gestão das empresas saia das mãos das empresas e seja estatizado sob controle dos trabalhadores e dos usuários. Outra proposta presente no ato foi a defesa da “Tarifa Zero”.

Segue na justiça duas ações contra o aumento, considerado questionável e indevido pela Defensoria Pública e pelo Ministério Público, já que este seria o terceiro aumento em apenas um ano durante 2015, chegando as passagens na capital mineira aos R$3,70.

Uma reunião está marcada às 18 horas da próxima segunda feira, na sede do sindicato de professores da rede municipal de BH, Sindrede, na Avenida Amazonas para debater sobre o próximo ato em Belo Horizonte. Em Contagem, após o segundo ato contra o aumento na cidade, está marcada uma reunião na subsede de Contagem do sindicato de professores, SindUTE, para debater próximas ações, também às 18 horas.




Tópicos relacionados

Aumento das Passagens Belo Horizonte   /    Sociedade   /    Belo Horizonte   /    Juventude

Comentários

Comentar