Mundo Operário

UNICAMP

Com descaso dos governos e da reitoria, morre Luci, trabalhadora do HC da Unicamp

Luci Peroto, de 63 anos, era atendente de enfermagem no Hospital das Clínicas desde 1990 e faleceu na última quinta-feira, 02, infectada pelo coronavírus. Ela era grupo de risco que foi obrigada a continuar trabalhando mesmo com falta de testes, mais profissionais no hospital e EPIs.

terça-feira 7 de julho| Edição do dia

Em meio à pandemia o Brasil já registra mais de 65 mil mortes, sem contar a subnotificação imensa por falta de testes. Como os próprios trabalhadores do HC já alertavam em carta publicada no último mês, o Brasil é o país com mais mortes por COVID de profissionais de enfermagem no mundo. Eles realizaram um ato em frente ao hospital denunciando que grupos de risco não foram afastados do trabalho, e exigindo medidas básicas dos governos e da reitoria de Marcelo Knobel, como mais contratações, testes e EPIs. Agora vemos que esse descaso custou a morte de Luci, e segue colocando em risco a vida de quem está na linha de frente do combate ao vírus.

No Brasil de Bolsonaro vemos a cada dia o absurdo que é o negacionismo do governo, que chama a pandemia de “gripezinha” e se apoia nos militares para rir das nossas mortes. Mesmo os que se colocaram como combate sério ao vírus, como Doria em SP, além de não terem oferecido medidas básicas de prevenção desde o início como testes massivos, agora implementam a reabertura de forma totalmente irresponsável, rifando ainda mais vidas.

Enquanto isso, na Unicamp vimos a reitoria de Marcelo Knobel gerindo a crise atacando os trabalhadores, sem liberar grupos de risco como Luci do trabalho mesmo com casos confirmados no Hospital, um completo absurdo que mostra como a vida dos trabalhadores são descartáveis para a reitoria e para os governos.

A superintendência do HC soltou uma carta de pesar repleta de hipocrisia manifestando gratidão aos colaboradores que colocam a vida em risco pela "dedicação visceral ao trabalho". Na mesma nota, afirmam que os trabalhadores do HC são “heróis anônimos” que cumprem “valorosamente sua missão”.

Sabemos que fazem isso para tirar a culpa dos governos e da reitoria da morte de Luci. Ela não morreu por se dedicar demais, e sim pelo sucateamento do sistema de saúde e pelo fato de que para Doria e Knobel, apesar de mentirem dizendo que se importam em combater seriamente a pandemia, a vida dos trabalhadores não vale nada.

Luci não era uma heroína anônima. Era uma mulher que trabalhou mais de 30 anos no Hospital das Clínicas da Unicamp, que perdeu a vida por ser obrigada a trabalhar no HC mesmo sendo grupo de risco. Tinha família e amigos aos quais nós do Esquerda Diário prestamos toda nossa solidariedade. Por ela e por todos os trabalhadores da saúde que morrem por causa do negacionismo genocida de Bolsonaro e da demagogia dos governadores e da reitoria, continuaremos lutando para que nossas vidas estejam acima de seus lucros, diferente de como é hoje.




Tópicos relacionados

trabalhadores da saúde   /    pandemia   /    Coronavírus   /    Unicamp   /    Saúde   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar