Educação

I CONGRESSO DO MRT

Com as experiências do Comando de greve, as professoras do ABC vão ao I Congresso do MRT

A partir da histórica greve de 92 dias dos professores do Estado de SP e as profundas experiencias de frente-unica com o Comando de greve, as professoras do ABC dão um passo em sua organização e se preparam para o I Congresso do Movimento Revolucionário de Trabalhadores.

quinta-feira 16 de julho de 2015| Edição do dia

1 / 2

"Desde o início do ano a classe trabalhadora do ABC tem respondido aos ataques da patronal e do governo Dilma com greves. Na Volks, Mercedes, e agora na GM que inclusive organiza um acampamento por fora do sindicato patronal, a imensa classe operária volta às ruas mostrando sua força, apesar da burocracia sindical. Todas essas lutas se desenvolveram no marco da luta contra as demissões e ajustes fiscais. Porém, essas lutas e as futuras precisam avançar no questionamento e superação de suas direções burocráticas, que por estarem ligadas umbilicalmente aos governos e a patronal, não permitem que os trabalhadores sejam verdadeiramente sujeitos para arrancarem suas vitórias! Temos acompanhado mundialmente o desenvolvimento da crise capitalista e as "saídas" ou "alternativas" que apareceram com seus limites. Na Grécia que vem num movimento crescente de massas contra os ajustes que atacam os trabalhadores com cortes de direitos e salários, feitos pela Troika e pelo imperialismo alemão. O Syriza que contou com o apoio de milhões de pessoas tem demonstrado ser um entrave, mesmo após uma votação gritante pelo Não a austeridade, a resposta deste governo é implementar os ajustes e reprimir os que lutam para salvar a Grécia, como vimos nos últimos dias. Por isso vamos ao I Congresso do MRT debater a necessidade de não apenas um programa para derrotar a crise dos capitalistas, mas também a construção de uma organização classista e independente capaz de levar os trabalhadores a vitória sobre seu inimigo comum: a burguesia!" Maíra Machado - Conselheira Regional da Apeoesp Santo André.

"Esse ano protagonizamos e observamos diversas lutas da educação em nosso país. Aqui no ABC fomos parte ativa do Comando de Greve nos 92 dias da histórica luta de nós professor@s estaduais contra o Governo Alckmin, mas sobretudo contra um projeto de educação pública que vem sendo implementado não apenas em âmbito estadual, federal e municipal. Projeto esse que deixa milhares de filhos da classe trabalhadora sem direito ao acesso a uma educação pública, gratuita e acima de tudo de qualidade; um projeto que precariza ainda mais o trabalho docente pois ao contrário de aumentar o salário dos professores lhe obriga a cumprir jornadas extenuantes de trabalho, e ainda retira o direito a debater com seus alunos questões de gênero e sexualidade, como já aprovado em Campinas e agora em Santo André. Esses ataques a educação pública são apenas reflexos dos ataques que a classe trabalhadora terá de enfrentar nos próximos anos frente a crise econômica em nosso país. Por isso a necessidade de estar organizada! E me realiza bastante saber que estarei em um congresso que agrupa diversos segmentos de trabalhador@s e juventude que protagonizaram importantes lutas como os Trabalhador@s da USP, Metroviários de São Paulo, estudantes da UFRJ, e tantas outras categorias e universidades que estiveram em luta, na busca por uma alternativa classista e independentes dos trabalhadores para derrotar o capital." Ana Paula Lemos - Conselheira Regional Apeoesp Santo André.




Tópicos relacionados

I Congresso do MRT   /    Educação

Comentários

Comentar