Educação

PARALISAÇÃO NACIONAL

Colégio Pedro II adere totalmente à paralisação e sairá em ato do campus Centro

quarta-feira 15 de maio| Edição do dia

Foto: Pablo Jacob

Contra o corte de 37% anunciado pelo MEC de Bolsonaro, o Colégio Pedro II aderiu completamente ao chamado de paralisação nacional do dia de hoje. Mais do que isso, estudantes do Pedro II, que foram linha de frente enfrentando Bolsonaro junto a estudantes do CEFET, CAP UERJ e UFRJ em manifestação no último dia 06, vão se unificar aos trabalhadores da educação e professores do Colégio em concentração no Campus Centro do Colégio, que possui 14 campi e 13 mil estudantes.

Todos os 14 Campi paralisaram e há uma grande mobilização dos servidores para o ato. A concentração do CPII começa às 13h e deve se encontrar com estudantes, professores e trabalhadores não só da educação como de outros setores na Candelária, às 15h de onde sairá o ato da paralisação nacional.

Saiba mais: 15M: Cidades amanhecem com paralisações e atos na greve nacional contra os cortes e a reforma de Bolsonaro

O corte anunciado por Bolsonaro, de 37% no CPII deverá afetar gravemente o funcionamento do colégio, desde as merendas ao pagamento dos servidores terceirizados, passando pela assistência estudantil, e o custeio de água, luz etc. Os institutos federais e a educação básica (que também recebeu cortes do MEC) estão na linha de tiro dos ataques ao ensino público.

Leia aqui: Nossa unidade pode derrotar a reforma da previdência e os cortes de Bolsonaro

Bolsonaro e os golpistas que financiaram a eleição manipulada que o colocou no poder querem que não tenhamos acesso ao conhecimento, e que trabalhemos até morrer com a Reforma da Previdência. Por isso desde o Esquerda Diário, do Nossa Classe Educação e da Juventude Faísca, colocamos a necessidade de unificar as lutas da educação com a luta dos trabalhadores contra a reforma da previdência, mostrando que a luta é uma só: barrar os ataques de Bolsonaro e exigir o não pagamento da dívida pública para financiar educação, trabalho digno e aposentadoria digna para quem trabalha e sustenta este país.

Pode te interessar: Não precisamos de reforma da previdência: é necessário abolir a dívida pública




Tópicos relacionados

Colégio Pedro II   /    Educação   /    Rio de Janeiro   /    Política

Comentários

Comentar