Sociedade

Ciência contra coronavírus: curso de física - USP cria rodo UV que descontamina chão do hospital

Instituto de Física da USP (Universidade de São Paulo) desenvolve rodo tecnológico emite radiação ultravioleta (UV) que evita a propagação de vírus, como o coronavírus, por meio dos sapatos de quem circula pelo hospital. Imagem: Rui Sintra/Jornal da USP

terça-feira 31 de março| Edição do dia

A Santa Casa da Misericórdia de São Carlos (SP) recebeu do Instituto de Física da USP (Universidade de São Paulo) rodos UV-C para a descontaminação dos pisos do hospital. Os equipamentos foram desenvolvidos no próprio instituto pelo Grupo de Óptica para descontaminar grandes superfícies.

O rodo tecnológico emite radiação ultravioleta (UV) que evita a propagação de vírus, como o coronavírus, por meio dos sapatos de quem circula pelo hospital.

Esta fonte de luz UV-C também está sendo testada com êxito para, em conjunto com outros fatores, descontaminar por completo órgãos humanos para transplante, num trabalho de pesquisa realizado conjuntamente pelo IFSC e Universidade de Toronto (Canadá).

Equipamentos como esses, de simples produção e extremamente efetivos, poderiam ser produzidos aos montes e salvar vidas se a produção de científica e de tecnologia no capitalismo não estivesse voltada quase que completamente para os desenvolvimento das grandes empresas e da indústria farmacêutica. Sequestram o conhecimento produzido pela humanidade a partir de elementos da natureza e os vendem ou os proíbem pra a massa da população ao invés de estarem salvando vidas que muitas vezes adoecem por problemas do próprio sistema, estão engordando, ainda mais, as contas bancárias dos grandes capitalistas. Dão o veneno e vendem a cura.

O sucesso das pesquisas com o raio ultravioleta é mais uma prova da necessidade do investimento em educação e ciência no Brasil, ao contrário do que tem feito os governos ao cortarem inúmeras bolsas de pesquisa, precarizarem as universidades públicas com até mesmo falta de professores e ignorarem ou desmerecerem a produção ciêntífica resumindo as universidades à "balbúrdias".

Ainda, algumas medidas essenciais para o combate a crise é que essa produção acadêmica e também a industrial precisam estar voltadas a atenderem às necessidades imediatas da população na crise do Covid-19 como álcool em gel, luvas, máscaras, testes rápidos, leitos e aparelhos hospitalares.




Tópicos relacionados

Coronavírus   /    Ciência e Tecnologia   /    Sociedade   /    Educação   /    USP   /    Cultura

Comentários

Comentar