Internacional

CHILE

Chile - Mais de 1 milhão nas ruas: Há força para vencer! Greve geral para derrubar Piñera e os militares

Temos força para vencer. Estamos em greve geral com mobilização até La Moneda (Sede presidencial) até que caia Piñera e seu estado de emergência. Por uma Assembleia constituinte livre e soberana para discutir e votar medidas emergenciais por trabalho, saúde, educação, moradia, que aniquile as heranças e o regime herdeiro da ditadura.

quinta-feira 24 de outubro| Edição do dia

Ontem, o sexto dia de luta foi vivido no marco da “greve geral” convocada pela CUT (Central Unitaria de Trabajadores) e pelas organizações da “mesa social”. Mais de um milhão de pessoas se mobilizaram em todo o país. "Fora Piñera" é ouvido cada vez mais fortemente porque "o Chile acordou".

Em Santiago, mais de 300.000 pessoas se mobilizaram até a Plaza Italia, e mais dezenas de milhares em várias comunas (menor divisão administrativa chilena, assemelhada aos municípios brasileiros) com concentrações, panelaços ou marchas. Em Concepcion cerca de 120.000. Na região V, Valparaíso e Viña cerca de 110.000 pessoas. Em Antofagasta, 20.000. Também em Temuco. Em La Serena e Coquimbo, mais de 40.000. Na cidade mineira de Rancagua, cerca de 25.000 pessoas. Em Valdivia cerca de 30.000. Em cidades como Iquique ou Talca, mais de 10.000. Em Puerto Montt, cerca de 15.000 pessoas. E assim, em muitas outras cidades e comunas, dezenas de milhares se mobilizaram ao longo do dia. À noite, panelaços e barricadas também foram dezenas de milhares.

Uma enorme força social de trabalhadores, jovens, colonos, mulheres, comunidades nativas se mobilizou novamente desafiando o governo. Setor público, trabalhadores da saúde, professores, mineiros, trabalhadores portuários, sindicatos e serviços, marcharam com faixas e bandeiras. Centenas de milhares de estudantes do ensino médio, universitários e jovens trabalhadores realizaram confrontos na Plaza Italia e La Alameda, embora no geral os confrontos tenham sido pequenos. É um sinal de que há vontade de lutar, forças e energia de sobra, desenvolver a Greve Geral com mobilização até Piñera cair e acabar com o estado de emergência.

A manobra de Piñera de entregar migalhas com uma “agenda social” que não resolve os problemas fundamentais e que mantém os pilares da herança da ditadura não conseguiu nos tirar das ruas: sua estratégia de realizar pequenas reformas para não perder tudo é vista por milhões como uma armadilha do governo junto aos velhos partidos da Concertación. Os grandes empresários preocupados em não perder seus privilégios, procuram pressionar para entregar essas migalhas para que a rebelião não ameace seus interesses.

Enquanto Piñera tenta nos enganar com migalhas, ela mantém o excepcional estado de emergência e o toque de recolher com os militares, que deixaram dezenas de mortos nas ruas, mais de 2.400 detidos e centenas de queixas de espancamentos. Relatos de tortura aumentam em vários locais, como no túnel do metrô Baquedano. Nossos mortos não se negociam!

O Congresso, aquela verdadeira caverna de ladrões onde quase 80% é composta por uma casta de políticos milionários de direita e a ex-Concertación a serviço de grandes empresários, que agora falsamente "amigos do povo", legitimaram os toques de recolher com os militares no comando. Não devemos confiar neste parlamento e na sua "cozinha" a serviço de milionários.

O Partido Comunista e a Frente Ampla, à frente da CUT (Central Unitaria de Trabajadores) e de outras organizações, convocaram uma greve geral sob pressão das ruas, mas não para que esse governo assassino e esse regime de impunidade caiam, mas pressionar por um “diálogo” e acordos com as antigas instituições do regime. Depois de terminar o dia, eles agora pedem a Piñera para dialogar com as organizações sociais enquanto continuam matando, espancando e torturando.

Sua política, embora denunciem essa situação com suas palavras, é a "perna esquerda" desse regime assassino, pedindo diálogo com o governo assassino e "unidade" com a antiga Concertación que sustenta Piñera.

Primeiro eles disseram que não conversariam se os militares fossem mantidos nas ruas. No entanto, eles rapidamente foram para as salas parlamentares, como a FA fez no domingo, quando discutiram a suspensão do aumento do metrô. Tanto que votaram a favor dessa operação, enquanto o toque de recolher era estendido em várias regiões, de norte a sul. O PC, por sua vez, que se recusou a votar no domingo e, apesar de protestar hoje na Câmara dos Deputados, juntamente com a FA, prestou-se a essa nova manobra para discutir leis demagógicas para desviar a luta das ruas para os salões parlamentares enquanto a população sofre com dezenas de mortos e centenas de feridos.

Enquanto conversavam sobre "greve legislativa", prestam-se a essa manobra legitimando sessões parlamentares com os militares nas ruas. Enquanto estavam no parlamento, não estiveram nas ruas acompanhando as massivas mobilizações, nem usando seu peso parlamentar para liderar essa luta, denunciando a repressão aos manifestantes, o governo autoritário e as armadilhas do regime. O PC, agora encerrada esta massiva jornada, pediu que o mesmo governo assassino os convide para dialogar. Nem denunciaram abertamente as migalhas de Piñera como uma manobra que busca salvar seu governo em xeque, mantendo intactos os pilares da herança da ditadura. Agora, o PC ameaça uma "acusação constitucional" contra Piñera, será o Senado reacionário e sua "cozinha", os mesmos que votam em suas leis que se voltarão contra Piñera? RD (Revolucion Democratica) propõe em seus cartazes "renúncia Chadwick", sem sequer tocar em Piñera. Essa política nada mais é do que desviar a luta das ruas para os corredores dos políticos milionários. Eles se comportam como a "perna esquerda" deste regime, salvando o governo e as instituições anti-populares.

Se propusessem sua derrota e sua queda, além de pôr fim a todas as heranças da ditadura, eles organizariam toda a energia e força social para uma grande greve geral de luta e mobilização com continuidade até sua queda, e colocariam todas as suas forças nisso. objetivo Em vez disso, sua política de diálogo apenas contribui para sustentar Piñera e as armadilhas dos partidos da direita e da antiga Concertación.

A partir do La Izquierda Diario e do Partido dos Trabalhadores Revolucionários (PTR), propomos outro caminho completamente diferente: a greve geral ativa e de combate, com assembléias, coordenadas e continuas, com mobilização para La Moneda até a queda de Piñera e todo esse regime. Hoje foi demonstrado que existem forças para lutar por essa perspectiva. Mas o PC, a FA e as burocracias se opõem a esse caminho. Não se trata de "fora Piñera" e, em seguida, firmar um acordo com as antigas instituições e com a "oposição", mas alcançar sua queda com os métodos da luta de classes.

Nós socialistas revolucionários, que lutamos por um governo operário de ruptura com o capitalismo, sabemos que essa perspectiva ainda não é compartilhada pela maioria. Por isso, propomos uma saída democrática de emergência, impondo uma Assembléia Constituinte Livre e Soberana a partir da queda do governo e das instituições do regime neo-Pinochetista. Livre e Soberana, para decidir todas as medidas sem nenhuma restrição de qualquer tipo e sem qualquer outro poder que a limite. Uma assembléia com representantes eleitos e revogáveis ​​a cada 20.000 eleitores e que ganhem o mesmo que um trabalhador, e discuta sem obstáculos todas as medidas de emergência em benefício do povo trabalhador, onde lutemos para impor um programa com medidas de emergência, como salário mínimo e pensões de acordo com a cesta básica familiar, transporte público sob controle dos trabalhadores e usuários que decidem as tarifas, educação e saúde pública e gratuita, além da nacionalização do cobre sob gestão dos trabalhadores e outras medidas a esse respeito. Também liquidando a figura presidencial quase monarquista e o Senado reacionário.

O parlamento atual é um covil de ladrões a serviço do poder empresarial que busca limitar a soberania popular de todas as formas possíveis. Hoje, a verdadeira democracia e soberania está nas ruas, e é a partir daí que todas as medidas devem ser decididas em benefício do povo trabalhador.

Sabemos que as grandes potências e os empresários defenderão seus interesses com unhas e dentes e se oporão às medidas tomadas por uma Assembléia Constituinte verdadeiramente livre e soberana. É por isso que devemos avançar para estabelecer assembleias, coordenações e comitês de onde surjam as forças para enfrentar a resistência dos patrões e do regime, o que abre caminho para a luta por um governo dos trabalhadores em ruptura com os capitalistas para conquistar total e efetivamente nossas aspirações sociais e democráticas.




Tópicos relacionados

Pinochet   /    Sebastián Piñera   /    Retorno da luta de classes   /    Luta de Classes   /    Chile   /    Internacional

Comentários

Comentar