Política

INTERVENÇÃO FEDERAL

Câmara libera mais R$ 1,2 bilhão para a sangrenta intervenção no Rio de Janeiro

Nesta última terça-feira, 10, a Câmara de Deputados aprovou uma medida provisória que libera verba de R$ 1,2 bilhão para a intervenção no Rio de Janeiro. A MP ainda precisa passar pelo Senado.

quarta-feira 11 de julho| Edição do dia

Com a justificativa demagógica de que essa verba seria destinada para melhoria de segurança pública no Rio, que está sob intervenção federal desde fevereiro, a MP aprovada pelo Congresso destinará mais recursos para intensificar o derramamento de sangue nos morros cariocas. A proposta ainda precisa ser aprovada no Senado.

Segundo o governo, o dinheiro seria destinado para a compra de equipamentos pessoais, veículos, armamento, contratação de serviços e pagamentos. Todos os recursos que, como vimos desde o início da intervenção, de nada melhorou na segurança da população, muito pelo contrário, armaram a polícia e o exército ainda mais para reprimir.

Segundo Rose de Freitas (MDB-ES), relatora da medida, a única alteração feita no texto enviado pelo governo é um dispositivo que o autoriza a remanejar os recursos por decreto. Até agora, os bilhões que foram gastos com a intervenção no Rio tiveram como saldo assassinatos de dezenas de jovens, como Marcos Vinícios que com 14 anos foi morto com uniforme do colégio, e que apesar de ter sido fruto de uma ação da polícia civil, reflete a violência estatal promovida a nível federal e municipal.

Nas favelas e periferias do Rio os abusos são incontáveis, as revistas invasivas, principalmente com mulheres e negros, e a retirada de barricadas são grandes exemplos do real objetivo da intervenção. O Estado, ao invés de investir em saúde e educação, que afirma a todo momento que está em crise, continua fornecendo verba para a polícia racista e machista que executou Marielle Franco, dando ainda mais recursos para que ela continue matando e oprimindo.




Tópicos relacionados

Intervenção Federal   /    Câmara dos Deputados   /    Rio de Janeiro   /    Política

Comentários

Comentar