AS CANÇÕES QUE NÓS OUVÍAMOS EM MAIO DE 1968 [I] / 50 anos

Bella Ciao: uma música para todas as estações revolucionárias

Gilson Dantas

Brasília

sábado 31 de março| Edição do dia

Bella Ciao: antiga canção do trabalho, nascida nos campos italianos na virada do século XIX para o século XX, já perdeu a conta dos seus intérpretes nos quatro cantos do mundo em momentos mais agudos da luta de classes.

De origem camponesa, foi inicialmente o canto das trabalhadoras do arroz, no interior da Itália. Ganhou a força de canto de combate, tomou a forma de mais de uma letra, e foi ícone da resistência dos comunistas e heroicos combatentes italianos contra o fascismo na II Guerra.

Depois daquela guerra, foi o movimento de massas, operário e estudantil, mundo afora, com epicentro na Paris do maio de 1968, que deu o grande salto, internacional, para imortalizar essa canção de combate e heroísmo de classe, formato que foi adotando a cada ciclo revolucionário.

Muito conhecida na América Latina revolucionária, daqueles anos em diante. Bella Ciao foi uma da dezenas de músicas que mais marcaram nossa geração naqueles anos rebeldes e, em especial no “ano que nunca terminou”, 1968. E que só terminará com a vitória da classe trabalhadora em escala mundial.

A canção segue, o combate contra o capitalismo está na ordem do dia, a luta continua, Marielle vive!

Mais abaixo, confiram duas versões da letra da música, com traduções para o português. E a seguir, um vídeo da música [difícil não se comover com a melodia e as imagens...].

Uma versão mais antiga:

As letras da música__________
A versão original da música [Com o tema da revolta contra as duras condições de trabalho nos arrozais da Itália]:

Stamattina mi sono alzato, o bella ciao, bella ciao
Bella ciao ciao ciao, stamattina mi sono alzato,
ho trovato I’invasor!
A lavorare laggiù in risaia, o bella ciao, bella ciao
Bella ciao ciao ciao! A lavorare laggiù in risaia
Sotto il sol che picchia giù!
E tra gli insetti e le zanzare, o bella ciao, bella ciao
Bella ciao ciao ciao, e tra gli insetti e le zanzare,
duro lavoro mi tocca far!
Il capo in piedi col suo bastone, o bella ciao, bella ciao
Bella ciao ciao ciao, il capo in piedi col suo bastone
E noi curve a lavorar!
Lavoro infame, per pochi soldi, o bella ciao bella ciao
Bella ciao ciao ciao, lavoro infame per pochi soldi
E la tua vita a consumar!
Ma verrà il giorno che tutte quante o bella ciao, bella ciao
Bella ciao ciao ciao, ma verrà il giorno che tutte quante
Lavoreremo in libertà!

Em português:
Esta manhã, eu me levantei, adeus querida, adeus querida
Adeus, adeus, adeus querida, esta manhã, eu me levantei
e encontrei um invasor!
Para trabalhar lá no arrozal, adeus querida, adeus querida
Adeus, adeus, adeus querida! Para trabalhar lá no arrozal
Sob o sol que nos derruba!
E entre os insetos e os mosquitos, adeus querida, adeus querida
Adeus, adeus, adeus querida, e entre os insetos e os mosquitos,
Um trabalho pesado que tenho que fazer!
O chefe está de pé com uma vara, adeus querida, adeus querida
Adeus, adeus, adeus querida! O chefe está de pé com uma vara
E nós curvados a trabalhar!
Trabalhe infame, por pouco dinheiro, adeus querida, adeus querida
Adeus, adeus, adeus querida! Trabalho infame, por pouco dinheiro
E sua vida a consumar!
Mas chegará o dia em que todos, adeus querida, adeus querida
Adeus, adeus, adeus querida! Mas chegará o dia em que todos,
trabalharemos em liberdade!

A versão dos partisanos [guerrilheiros contra o fascismo] italianos:
Una mattina mi son alzato,
o bella, ciao! bella, ciao! bella, ciao, ciao, ciao!
Questa mattina mi son alzato,
ed ho trovato l’invasor.
O partigiano, portami via,
o bella, ciao! bella, ciao! bella, ciao, ciao, ciao!
O partigiano, portami via,
che mi sento di morir.
E se io muoio da partigiano,
o bella, ciao! bella, ciao! bella, ciao, ciao, ciao!
E se io muoio da partigiano,
tu mi devi seppellir.
E seppellire lassù in montagna,
o bella, ciao! bella, ciao! bella, ciao, ciao, ciao!
E seppellire lassù in montagna,
sotto l’ombra di un bel fior.
E le genti che passeranno,
o bella, ciao! bella, ciao! bella, ciao, ciao, ciao!
E le genti che passeranno,
Mi diranno «Che bel fior!»
«È questo il fiore del partigiano»,
o bella, ciao! bella, ciao! bella, ciao, ciao, ciao!
«È questo il fiore del partigiano,
morto per la libertà!»

Sua versão em português:
Acordei de manhã
Minha querida, adeus, minha querida, adeus, minha querida, adeus! Adeus! Adeus!
Acordei de manhã
E deparei-me com o invasor
Ó resistente, leva-me embora
Minha querida, adeus, minha querida, adeus, minha querida, adeus! Adeus! Adeus!
Ó resistente, leva-me embora
Porque sinto a morte a chegar.
E se eu morrer como resistente
Minha querida, adeus, minha querida, adeus, minha querida, adeus! Adeus! Adeus!
E se eu morrer como resistente
Tu deves sepultar-me
E sepultar-me na montanha
Minha querida, adeus, minha querida, adeus, minha querida, adeus! Adeus! Adeus!
E sepultar-me na montanha
Sob a sombra de uma linda flor
E as pessoas que passarem
Minha querida, adeus, minha querida, adeus, minha querida, adeus! Adeus! Adeus!
E as pessoas que passarem
Irão dizer-me: «Que flor tão linda!»
É esta a flor do homem da Resistência
Minha querida, adeus, minha querida, adeus, minha querida, adeus! Adeus! Adeus!
É esta a flor do homem da Resistência
Que morreu pela liberdade

[Crédito de imagem: capa long play 1965 de tony constante, pela fonola, italiana.]
***




Tópicos relacionados

maio de 1968   /    França   /    Música

Comentários

Comentar