Política

FUNDAMENTALISMO EMPRESARIAL

Bancada da Bíblia apóia a candidatura à presidência de João Dória

terça-feira 16 de maio| Edição do dia

Silas Malafaia, da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, declarou à Folha de São Paulo que João Dória seria um ótimo presidente e faria “um bem danado” para o país. O pastor já havia se manifestado favorável ao tucano em outras ocasiões.
O líder da bancada evangélica na Câmara, o Deputado Takayama (PSC-PR) também expressou seu entusiasmo ao apontar preferência por Dória dentre os nomes atualmente cogitados para a disputa de 2018.

O bispo Robson Rodovalho, da igreja Sara Nossa Terra declarou apoio à candidatura de Dória e indicou que sua trajetória empresarial e imagem de não-político construída na campanha de 2016 são fatores favoráveis.

Justamente a imagem pessoal de Dória, fruto de uma estratégia de marketing de sua campanha de 2016, foi citada por Malafaia para explicar seu apoio ao prefeito que ele caracteriza, em suas palavras, como um “cara de família”. “Isso é importante para nós”, ressalta Malafaia.“Muito pastor tem prestado atenção neste cara. E não é só pastor de São Paulo, é de todo o Brasil.”

João Dória, a bancada evangélica e o golpista Michel Temer tem feito campanha pelo projeto escola sem partido, ao alegar que a educação sexual nos currículos escolares afronta os valores morais cristãos.

O pastor apontou inclusive à candidatura doDeputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ), também evangélico, por seu caráter supostamente íntegro. Contudo, Malafaia conclui que Dória terá maiores chances de conquistar a presidência em 2018.

É notável a estreita afinidade política e ideológica entre a prefeitura de Dória e a bancada evangélica, que junto com outros setores da direita parlamentar realizaram o golpe institucional e os consequentes ataques à classe trabalhadora. Trata se de uma expressão política neoliberal da doutrina neopentecostal que tem sido instrumental para a burguesia na presente conjuntura nacional.São ensinamentos religiosos meritocráticos de valorização do empreendedorismo que se manifestam na defesa radical do capitalismo liberal.

João Dória, que também tem expressado todo seu apoio ao golpe, à Operação Lava-Jato e às reformas de Temer, leva a cabo em São Paulo uma outra série de ataques contra os trabalhadores e o povo pobre que é um vasto projeto privatista.

A prefeitura tucana de São Paulo propõem privatizar incontáveis bens e serviços públicos do município para os submeter ao capital privado, alegando a necessidade de sanar as contas da cidade. Se incluem nesse projeto o Autódromo de Interlagos, o Anhembi, o Estádio do Pacaembu, o Parque Ibirapuera, mercados municipais, terminais de ônibus, o sistema do Bilhete Único, serviços funerários, serviço de iluminação pública, a educação de base e os hospitais municipais. Passar os serviços públicos, que são de direito da população, para a iniciativa privada, sob os interesses mercadológicos dos capitalistas, é um duro ataque aos servidores públicos municipais e a toda a população que usa esses serviços.

Ao apoiar a futura candidatura de Dória, a liderança política das igrejas evangélicas reafirma seu compromisso com os patrões e contra a classe trabalhadora e o povo pobre.




Tópicos relacionados

João Doria   /    Política

Comentários

Comentar