Economia

ABC PAULISTA

Aumento de 49% para os vereadores de Diadema e 12% de desemprego para os trabalhadores do ABC

Enquanto o desemprego atinge níveis elevados no ABC paulista, vereadores de Diadema aprovam de forma unânime o aumento de seus próprios salários em 49%.

sexta-feira 24 de julho de 2015| Edição do dia

A partir de 2017, os vereadores de Diadema ganharão mensalmente a bagatela de R$15.193,27 de salário, sem contar é claro, todos os benefícios garantidos aos “do colarinho branco”. A justificativa dada pelo presidente da Câmara dos vereadores de Diadema é bem simples: nas cidades com população de 300 a 500 mil habitantes, o salário dos parlamentares deve equivaler a 60% do salário dos deputados federais que atualmente é de R$25.322,12.

Enquanto o país explode numa profunda crise no regime político, já que todos os partidos da ordem estão envolvidos até a medula nos escândalos de corrupção e os parlamentares garantem um boa quantia “por fora” em desvio de dinheiro público, pagamento de propina e diversas “maracutaias” que nem mesmo a mídia oficial consegue esconder, o trabalhador segue ganhando um salário mínimo de R$788,00 mensais e tem que suar para garantir o sustento de sua família.

“É de cair pra trás” quando chega a conta de luz em casa, já que nos últimos meses o aumento foi de 75%. A batata aumentou em 30%, o ovo em 12%, a carne bovina está 7% mais cara, porém o salário do trabalhador não teve um centavo sequer de aumento real e está bem longe do mínimo previsto pelo DIEESE que, no mês de junho, seria de R$3.299,66 para uma família de quatro pessoas.

Além disso, nosso país enfrenta nesse momento uma fortíssima crise econômica que eleva os índices de desemprego e que, segundo analistas, ainda está só começando e pode levar o país a sofrer uma profunda carestia nos próximos anos. Por isso, a população se chocou ao saber do aumento salarial dos parlamentares, já que o nível de desemprego no ABC chega a 12% e atinge trabalhadores das grandes montadoras e, por consequência, de toda a cadeia produtiva do setor.

A prefeitura de Diadema gasta com seus parlamentares R$32 milhões por mês, mas os investimentos em educação, moradia e geração de emprego são ínfimos. Por isso defendemos que o salário de todos os políticos seja igual a de uma professora e que todos os professores tenham reajuste salarial imediato e ganhem o mínimo estipulado pelo DIEESE.

Frente a toda essa crise que tende a se aprofundar com o questionamento cada vez maior da boa vida dos políticos em todos os cantos do país, o presidente da Câmara Municipal de Santo André, Ronaldo de Castro, do PRB, resolveu se antecipar sobre problemas futuros: pretende construir uma proteção de um metro de altura no plenário da Casa para “blindar” os vereadores.
O custo será de R$42 mil reais, sem contar o “por fora” das empresas envolvidas para manter a tradição da política brasileira. Esse montante será somado aos R$2,43 milhões já gastos desde o ano passado em “melhorias” para a vida dos vereadores e parlamentares de Santo André.




Tópicos relacionados

ABC paulista   /    Economia

Comentários

Comentar