Educação

REORGANIZAÇÃO ESCOLAR

Ato reúne 500 em Santo André contra a reorganização

Na manhã desta sexta (06), reuniram-se cerca de 500 estudantes, pais e professores de diversas escolas da região de Santo André contra o fechamento do período noturno, as mudanças de ciclo e também das escolas José Augusto de Azevedo Antunes e Valdomiro Silveira. A concentração saiu da EE Américo Brasiliense e seguiu pelas ruas do centro, passando pela Diretoria de Ensino, e encerrando no Antunes.

sábado 7 de novembro de 2015| Edição do dia

Esse foi o primeiro ato chamado pela subsede Apeoesp Santo André, após o anuncio oficial do governo na semana passada. Cerca de 16 escolas perderão o período noturno, 2 serão fechadas completamente além das mudanças que levarão a uma precarização cada vez mais profunda do ensino público estadual. Aos gritos de "não, não, não fecharão" estudantes de diversas escolas como Antunes, Ordânia, Oscavo, Américo Brasiliense, Galeão e Marajoara, expressaram sua indignação e disposição para lutar contra a reorganização.

Durante todo o trajeto os alunos dialogava com a população que demonstrou solidariedade, expressando que a política nefasta de fechamento das escolas está na "boca do povo", e as manifestações ganham simpatia popular. Elemento importante que joga a favor da comunidade escolar, escancarando a falácia da preocupação do estado com a educação, demonstrando que junho 2013 forjou uma nova moral na juventude trabalhadora que frente aos ataques se mostra disposta a ir até o final na conquista de suas demandas.

Na porta da diretoria de ensino os estudantes deixaram um recado claro a dirigente: "Se fechar as escolas nós a vamos ocupa".Tendo em vista que o ataque seria muito superior se não fosse a força do movimento estudantil em defesa de suas escolas, como podemos citar o caso do próprio Américo, que por força das mobilizações não sofrerá modificação alguma, ao menos esse ano.

No encerramento na porta da EE. Augusto de Azevedo Antunes, escola centenária da região, surgiram diversas propostas de encaminhamento da luta, uma vez que os relatos deixam claro que as direções tendem a endurecer para garantir que a reorganização ocorra de forma "harmoniosa", por isso foi tirado um calendário de continuidade. Na próxima quarta 11/11, terá assembléia as 13h na Concha Acústica para discutir os rumos do movimento.

A reorganização é um projeto a médio prazo

As manifestações foram importantes pára colocar um freio nos planos do governo, o que o levou a anunciar o fechamento de 94 escolas. Porém, o fechamento vem sendo organizado desde o inicio do ano, quando Alckmin teve uma política de fechar cerca de 3.000 salas em todo o estado, para agora justificar o fechamento de escolas, que segundo a Secretaria da Educação, estão com salas ociosas. Porém, não dizem que as mesmas escolas já estão com salas superlotadas desde o início do ano letivo, e inúmeros professores desempregados.

A reorganização está apenas começando, escolas que não passarão pela reorganização nesse momento, já estão com orientação de não receber matrículas nos primeiros anos dos ciclos, para que em cerca de 3 para o médio e 4 no fundamental II a escola tenha sido completamente reorganizada.

É imprescindível que todos se mantenham mobilizados, fortalecendo as manifestações que questionam as políticas de austeridade que os governos querem nos fazer descer goela abaixo, sabendo que apenas a força das mobilizações da juventude em aliança com os trabalhadores, pode não só barrar a reorganização, mas também enfrentar as medidas de ajuste, como as demissões que assolam a região.




Comentários

Comentar