Mundo Operário

SERVIDORES PÚBLICOS

AGU promove de uma vez 606 procuradores ao topo da carreira, com salários de R$ 27,3 mil

Para garantir a blindagem dos privilégios do alto escalão em meio à tramitação da reforma administrativa, a Advocacia Geral da União (AGU) promoveu em um dia 606 procuradores ao topo da carreira, chamada categoria especial, com salários de R$ 27,3 mil.

quinta-feira 24 de setembro| Edição do dia

Imagem: Sérgio Moraes/AscomAGU/Divulgação

A Advocacia Geral da União (AGU) mostrou nesta tarde que não poupa esforços para garantir também pelos seus próprios meios os privilégios de seu alto escalão, e promoveu de uma só vez 606 procuradores ao topo da carreira, com salários de R$ 27,3 mil.

Isso significa que a AGU não achou suficiente a proposta de reforma administrativa de Bolsonaro para garantir os privilégios do alto escalão do funcionalismo público (como juízes, policiais, militares), enquanto busca atacar a maioria dos servidores públicos que estão concentrados nas áreas da saúde e educação, com salários que, em média, mal ultrapassam R$ 3 mil.

A medida da AGU parece querer se antecipar a eventuais ameaças aos privilégios que possam surgir em meio à tramitação da reforma no Congresso. Se depender da casta de deputados e senadores, estes farão o possível para manter a abismo que existe entre a precarização da vida de milhões de trabalhadores de um lado e os privilégios do alto escalão do outro.

Eventuais ameaças a esses privilégios só poderão surgir na medida em as massas de trabalhadores atacados pela reforma de Bolsonaro reorganizarem as suas forças para quebrar as amarras que são colocadas, inclusive, por suas próprias direções sindicais burocráticas.

Você pode se interessar: Reforma Administrativa: a que serve o elogio das mídias burguesas ao governo?




Tópicos relacionados

Reforma Administrativa   /    privilégios   /    Governo Bolsonaro   /    Servidores Públicos   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar