Política

ESQUERDA DIÁRIO IMPRESSO

Às vésperas das Olimpíadas: obras superfaturadas e cortes de salários

A menos de 20 dias das Olimpíadas, a crise econômica e social à qual o Rio de Janeiro está imerso não cessa de aumentar.

Carolina Cacau

Foi candidata a vereadora do MRT em 2016, é estudante da UERJ e professora da rede estadual.

quarta-feira 20 de julho de 2016| Edição do dia

O mal-estar da população com o lema do megaevento “Um Mundo Novo” é indisfarçável. A percepção de que as Olimpíadas servem para o desvio e superfaturamento de obras que enriquecem governos e grandes empresários e o corte de salários de várias categorias pela alegação de falta de verba e por retaliação à greves, são dois componentes fundamentais desse descontentamento. E isso, apesar da tentativa da Rede Globo de instaurar um clima de festa.

Uma das únicas obras que poderiam ser consideradas úteis para a população – a construção das linhas 4 e 1 do Metrô – não serão entregues a tempo e tiveram o período de testes reduzido de um ano para dois meses. Além de não resolverem o imenso problema do transporte público caro e péssimo do Rio de Janeiro, a execução da obra foi feita em base a contratos elaborados em 1987, prévio à lei de licitações atual, que fez o valor estimado saltar de R$5,4 para R$10,4 bilhões, tendo o ex-governador Sérgio Cabral recebido da Odebrecht R$2,5 milhões em propina.
Contrastando essa verdadeira farra, está a situação dos trabalhadores cariocas.

Sofrendo ameaças, os professores em greve do estado tiveram metade do mês descontado. Com isso, o governador em exercício, Francisco Dornelles, do PP, ataca o direito democrático de greve dos professores. Tudo para tentar garantir que os professores não escancarem mais ainda aos olhos do mundo a suas péssimas condições de trabalho e da Educação em meio às Olimpíadas. A educação, bem como a saúde estão desabando enquanto os governos e os empresários enriquecem.
Por isso é necessário lutar para que todos os políticos, juízes e funcionários de alto escalão ganhem o mesmo que uma professora. É a serviço desse objetivo que estamos defendendo uma voz anticapitalista, como a minha pré-candidatura.




Tópicos relacionados

Olimpíadas   /    Rio de Janeiro   /    Política

Comentários

Comentar