Cultura

CULTURA

As formas e os conteúdos do bonapartismo brasileiro

Afonso Machado

Campinas

segunda-feira 4 de novembro| Edição do dia

No desfraldar das bandeiras do conservadorismo não encontramos nenhuma surpresa. O que encontramos são as velhas formas que visam a eternização do conteúdo capitalista. É evidente que a dialética materialista não admite a eternidade, logo não é de se admirar que ela apresenta-se como uma ameaça crítica aqueles que elaboram suas formas de expressão a partir do fundamentalismo e do autoritarismo. Para mobilizar as formas “ eternas “ do conservadorismo, são necessários quilos de maquiagem, dezenas de figurinos e inúmeros gestos teatrais.

Como sabemos, o bonapartismo conta com a dissociação entre forma e conteúdo, buscando na estética dos seus ritos cortar os tendões da história. Quais seriam as formas apresentadas pela direita e pela extrema direita no Brasil de hoje?

AS FORMAS CONSERVADORAS:

- A nostalgia sanguinária do AI-5
- As conexões cênicas entre a capa preta da justiça e a capa dos super heróis, entre as fardas e os super poderes dos personagens das histórias em quadrinhos norte americanas
- Figurinos, palavras e cenários de origem bíblica
- O culto a torturadores do passado
- O fetiche das imagens militarizadas
- A ode á repressão policial
- A imagem do empreendedor engravatado e do seu “ sucesso “ econômico
- A beatificação historiográfica dos heróis das classes dominantes
- Os comentários estereotipados e discriminadores sobre as minorias

OS CONTEÚDOS DESTAS FORMAS CONSERVADORAS:

- Intimidar politicamente trabalhadores,estudantes, parlamentares, jornalistas, intelectuais e artistas
- Produzir novos heróis conservadores em torno do conceito de patriotismo
- Combater o mundo laico
- Massacrar a memória da esquerda brasileira
- Escamotear os conflitos entre opressores e oprimidos na história do Brasil
- Expressar o poder/a força do Estado perante as comunidades periféricas
- Destruir os direitos adquiridos da classe trabalhadora e naturalizar o programa liberal
- Tornar periférico ou secundário as falas e ações de personagens e movimentos sociais que representam minorias.

As forças conservadoras podem até tentar mas não conseguem enganar a história por muito tempo. Não é mera questão de opinião afirmar que os conteúdos revolucionários convulsionaram, na trajetória de diferentes civilizações, as formas caducas: aconteceu!As formas defendidas pelos conservadores brasileiros atuais, que expressam a alienação e a brutalidade,metaforizam as velhas relações de produção e os velhos padrões repressivos da cultura dominante. Todavia, é preciso no movimento dialético da história não confundir formas antigas com velharia: a tradição é um campo em disputa, sendo que existem as formas que expressam os combates históricos dos oprimidos.

Não seria possível ao proletário atual combater a classe dominante sem motivações formais, sem estéticas revolucionárias. Mas diferentemente dos conservadores, a esquerda deve encontrar nas lições da história não a mera maquiagem ou o artificial efeito de cena.

Os marxistas fazem uso de tradições revolucionárias em seu movimento dialético, ou seja, as formas do passado inspiram o novo e não reproduzem o velho. A poesia dos trabalhadores é escrita hoje com base no conhecimento das experiências revolucionárias do passado. No caso dos bonapartistas, não é possível falar propriamente em poesia mas numa fraseologia que expressa tão somente o desejo de eternizar a barbárie.




Tópicos relacionados

Cultura

Comentários

Comentar