Educação

GAIOLA DE RAPOSAS

Às escondidas, Deputados poderão votar privatização das pós-graduações hoje

quarta-feira 15 de março| Edição do dia

Em meio a protestos de trabalhadores e jovens em todo o país contra a reforma da previdência do golpista Temer, a Câmara dos Deputados poderá encaminhar a votação da PEC 395/14, que permite às universidades públicas cobrarem pelos cursos de pós-graduação latu-sensu, exceto mestrado profissional. A discussão sobre o projeto já foi encerrada em março do ano passado, e esta votação será o segundo turno.

Se aprovado, o projeto será mais um passo no sentido de ir encerrando aos poucos o funcionamento das universidades públicas, entregando-as à gestão privada ou então permitindo que uma minoria de burocratas que tomam as decisões nas universidades sem sequer ser eleitos pelo voto direito, decidirem que pode ou não ter acesso à pós-graduação, pela via da cobrança da mensalidade.

Não à toa a preferência dos deputados para que a votação aconteça na surdina: enquanto um punhado de deputados aliados à meia dúzia de burocratas acadêmicos e reitores, todos estes com altíssimos salários, decidem que a saída para a crise da universidade pública é começar por expulsar os estudantes da pós mediante cobrança de mensalidade, estes mesmos estudantes poderiam estar questionando se a saída não deveria ser cortar dos altos salários da burocracia universitária e dos políticos que vivem a vida de burgueses.

Pretendem aos poucos acabar com a Universidade pública, primeiro com a PEC 241 – 55, e também com cortes nas estaduais como a UERJ que está fechada por falta de verbas e a USP que enfrenta um programa de demissão em massa e fechamento de unidades e o Reitor Zago que mandou a PM reprimir que se manifestasse contra. Enquanto isso, mais da metade do orçamento da União vai para pagar a dívida pública, e é em nome de manter este sistema de enriquecimento dos bancos e sucateamento da educação e saúde.

Mas os estudantes das universidades públicas podem encontrar um forte apoio em aliança com os trabalhadores que hoje fazem uma importante demonstração de força contra a reforma da previdência. Esta aliança pode impor que as centrais sindicais (CUT, CTB, Força Sindical), que chamaram a paralisação de hoje por pressão dos trabalhadores, coloquem em prática um verdadeiro plano de luta para barrar todos os ataques de Temer em aliança com os governos estaduais.




Tópicos relacionados

Educação   /    Rio de Janeiro

Comentários

Comentar