Mundo Operário

FRENTE DE IZQUIERDA NA ARGENTINA

As chapas da Frente de Esquerda na Argentina e a audaz aposta política do PTS

Os debates para a conformação das chapas da Frente de Izquierda y de los Trabajadores (FIT) e a aposta de lutar pela consciência política de milhões. Nesse artigo, produzido pelo Partido de Trabajadores Socialistas (PTS), organização irmã do MRT na Argentina, é mostrado província por província como é o acordo de candidaturas da FIT.

quinta-feira 15 de junho| Edição do dia

Tradução: Letícia Oliveira

À meia-noite de segunda-feira se chegou um acordo nacional para apresentar à Frente de Izquierda em 13 províncias, como uma alternativa política dos trabalhadores, contra o ajuste de Macri e os governadores, e contra os opositores como a Frente para la Victoria ou o massismo (de Massa) que no Congresso votam todas as leis de ajuste e entrega. Ao mesmo tempo, em outros 7 distritos se apresentaram os partidos da FIT que tem legalidade jurídica próprias, integrando candidatos e candidatas de outros partidos.

Como já se sabe, a Frente de Izquierda se formou em 2011 com base a uma declaração programática que defende a independência política da classe operária contra as variantes patronais e a luta por um governo dos trabalhadores. A mesma foi atualizada por documentos posteriores, como o que convocou o massivo ato de Atlanta no novembro passado.

Sobre esta base, a Frente de Izquierda cresceu ao longo dos últimos anos como alternativa política dentro da realidade nacional, fazendo chegar às ideias de independência política e um programa anticapitalista e socialista a milhões de pessoas, assim como atuando no Congresso Nacional, nas legislaturas provinciais e em dezenas de lutas do movimento operário, das mulheres e da juventude.

Este papel progressivo da Frente de Izquierda frente às variantes patronais, não exclui que é uma coalizão de distintos partidos que tem projetos políticos próprios e também nossos debates e diferenças. Os setores do Esquerda Diário argentino conhecem as discussões, já que as publicamos sistematicamente para o intercâmbio de ideias entre as correntes de esquerda e suas simpatizantes, o que enriquece a FIT.

As discussões intensas das últimas semanas sobre como deviam se conformar as chapas da FIT e sobre qual campanha eleitoral deve desenvolver nossa frente, se expressavam na eleição das e dos candidatos e consígnas que melhor aportem à agitação que a Frente de Izquierda pode e deve fazer na campanha eleitoral.

A postulação de Nicolás del Caño como pré candidato a Deputado Nacional pela Província de Buenos Aires, tem para o PTS um objetivo de suma importância: abrir passo a ideias anticapitalistas, de luta e em perspectiva revolucionárias, especialmente entre a juventude trabalhadora e estudantil do maior distrito do país. Se trata de aproveitar a maior politização que existe no período eleitoral para se propor a ampliar e afirmar a base social da Frente de Izquierda, aproximando de dezenas ou centenas de milhares às nossas ideias, para emergir como alternativa política e desenvolver uma grande força militante para cada luta. A experiência de Del Caño em Mendoza primeiro (onde chegou a ganhar do peronismo em uma eleição na Capital) e depois como candidato a presidente demonstrou já a capacidade de gerar simpatia em importantes setores da juventude com ele como referência da Frente de Izquierda e com suas propostas.

Desta perspectiva, nos últimos dois meses o PTS vem desenvolvendo uma intensa campanha, como todos os nossos companheiros e companheiras, referências de cada província, sob o lema “Nossas vidas valem mais que seus lucros” e a consigna "trabalhar 6 horas, 5 dias por semana", para que todos trabalhem, que é uma forma de popularizar as consignas transicionais da redução da jornada de trabalho e de repartição das horas de trabalho, colocando a perspectiva de uma sociedade que se organize para resolver os problemas das grandes maiorias e não em base ao lucro capitalista.

Milhões de trabalhadores sabem o que isso significa, contra a precarização trabalhista, as jornadas extenuantes ou os baixos salários. Por isso esta campanha se difundiu rapidamente nas redes sociais, com milhões de reproduções de vídeos, enquanto se distribuíam dezenas de milhares de panfletos em locais de trabalho, de estudo, nos bairros.

Essas ideias anticapitalistas começaram a pegar em um setor importante da juventude, e inclusive as pesquisar próprias e de outros órgãos (como as da Aresco ou Hugo Haime) começaram a demonstrar o crescimento de Del Caño, razão pela qual o Partido Obrero (PO) e a Izquierda Socialista (IS) acabaram aceitando-o como candidato a deputado nacional e evitando definir as chapas nas eleições internas. O candidato do PTS é também quem mais pode colaborar para conquistar novos deputados para a Frente de Izquierda, ainda que o cenário concreto terminará de se configurar uma vez que todos os partidos apresentem seus candidatos.

Para os revolucionários se trata então de disputar a consciência política de milhões, abrindo novas perspectivas de crescimento para a esquerda, e propondo a milhares de jovens, trabalhadores e mulheres a organizar-se com o PTS na Frente de Izquierda, para redobrar a militância na campanha eleitoral e nos sindicatos, nos centros estudantis e os bairros, para enfrentar o ajuste, a entrega e batalhar por uma saída anticapitalista para a crise.

Nesse marco, e junto com as candidaturas, a proposta do PTS também se apoiou na realização de spots televisivos sob o programa da Frente de Izquierda, combinando alguns deles a realizar-se em comum entre os três partidos, e outra proporção que cama uma das organizações da FIT utilizará para destacar os aspectos programáticos que considere essenciais para a campanha. A título de exemplo, o acordo alcançado sinaliza como possíveis temas para fazer spots em comum “a) a denúncia do plano de ajuste do governo de Macri e dos governadores, e do papel cúmplice do PJ/FpV e do FR ao votas todas as leis que o macrismo propôs, reivindicando os deputados/as da FIT que foram os únicos que se opuseram consequentemente; b) a denúncia da trégua da burocracia sindical e a exigência de paralisação de 36 horas e plano de luta, por um salário mínimo que pague os custos familiares, paritárias livres e aumento de salários que cubram a perda da inflação, contra as demissões, pela expropriação e colocar para funcionar sob gestão operária de toda fábrica que feche ou haja demissão em massa; c) queda dos tarifaços e reestatização das empresas estatizadas sob gestão dos trabalhadores; d) denúncia do endividamento e pagamento aos abutres da dívida, colocando o não pagamento dela; e) apoio a todas as lutas dos trabalhadores, das mulheres e da juventude; e) defesa da educação pública, laica e gratuita, aumento do repasse estatal”.

Sobre estas bases, o desafio audaz ao qual o PTS se propõe nesta campanha eleitoral é que milhares de militantes e simpatizantes da Frente de Izquierda em todo o país levemos nossas ideias até cada canto, cada lugar de trabalho, de estudo, cada bairro, organizando milhares para disputar a consciência política de milhões e fazer o programa da FIT ser forte entre os trabalhadores, as mulheres e a juventude. As cadeiras que se possam conquistar estarão em função deste grande objetivo, assim como o desenvolvimento e influência crescente do Esquerda Diário Argentina, o trabalho editoral do CEIP-IPS, a revista Ideas de Izquierda, dos clubes operários e locais político-culturais que organizamos em todo o país. Queremos construir a ferramenta que permita aos explorados e oprimidos vencer, frente aos ajustes e ataques em curso e os que vierem, para que a crise seja paga pelos capitalistas e que os trabalhadores governem.

A seguir, detalhamos como é o acordo de candidaturas alcançado em todo o país:

PROVINCIA DE BUENOS AIRES
Na província de Buenos Aires se destaca em primeiro lugar a candidatura do ex candidato a presidente da Frente de Izquierda em 2015, Nicolás del Caño (PTS), que assumirá a batalha no principal distrito do país e encabeçará a chapa de deputados nacionais. Néstor Pitrola (PO), por sua vez, encabeçará a nominal de senadores nacionais da FIT neste distrito.

Na Primeira Seção Eleitoral, a Quarta, Quinta e Sexta encabeçarão as candidaturas a legisladores provinciais companheiros do PTS, enquanto que na Segunda Seção, Terceira e Oitava haverão candidatos a legisladores provinciais do Partido Obrero. Na Sétima Seção e encabeçará a chapa um companheiro da Izquierda Socialista.

Nos municípios, o PTS encabeçará as chapas de pré-candidatos a conselheiros em La Matanza, Tigre, San Miguel, Tres de Febrero, Campana, Escobar, Lanús, Quilmes, Berazategui, Echeverría, Berisso, Cañuelas, Perón e La Plata, entre outros. O PO encabeçará em Merlo, Moreno, Hurlingham, Vicente López, San Isidro, San Fernando, San Martín, José C. Paz, Pilar, Avellaneda, Lomas, Varela, Ezeiza, Ensenada, Bahía Blanca, Mar del Plata. A Izquierda Socialista fará o mesmo em Morón, Ituzaingó, Malvinas Argentinas, Zárate e Almirante Brown.

Como é tradição na Frente de Izquierda, as cadeiras que se obtenham serão rotativas. Os tempos de rotação foram estabelecidos de acordo com os resultados das PASO de 2015, razão pela qual os companheiros/as do PTS serão os que assumem a responsabilidade de representar a Frente de Izquierda como deputados e legisladores durante 43% do período, ficando o tempo restante a dividir-se entre PO e IS que estiveram em chapa comum nas PASO da FIT desse ano.

CIDADE DE BUENOS AIRES
A ex candidata a Vicepresidenta pela Frente de Izquierda, Myriam Bregman (PTS), será candidata na capital do país, encabeçando a chapa de legisladores da cidade. Marcelo Ramal (PO) encabeçará a chapa de deputados federais.

Assim como na Província de Buenos Aires, os tempos de revezamento foram estabelecidos de acordo com os resultados das PASO de 2015, razão pela qual os companheiros/as do PTS serão os que assumirão a responsabilidade de representar a Frente de Izquierda como deputados e legisladores durante 43% do período, ficando o tempo restante a ser divido entre PO e IS, que estiveram em uma chapa comum para as PASO da FIT nesse ano.

MENDOZA
Noelia Barbeito do PTS, atual senadora provincial, encabeçará a chapa de deputados federais, seguida pelo PO. Quanto aos cargos provinciais, todas as chapas estarão encabeçadas por companheiros/as do PTS, com exceção do deputado da Terceira Seção. Em caso de conquistar uma cadeira a deputado nacional, o revezamento se dará da seguinte maneira: 3 anos do PTS, 1 ano do PO. No caso de conquistar alguma cadeira de deputado provincial pela Terceira Seção, o revezamento se dará da seguinte maneira: 1 ano do PO, 3 anos do PTS. No resto dos cargos que se elejam, o conjunto do mandato ficará a cargo do PTS.

NEUQUÉN
Encabeçará a chapa de deputados federais o companheiros Raúl Godoy do PTS, atual deputado provincial e dirigente histórico da fábrica de Zanon, seguido na lista por um companheiro do PO e em terceiro lugar da IS. A chapa de conselheiros para a cidade de Neuquén será encabeçada por Patricia Jure do PO, seguida por um companheiro do PTS e em terceiro lugar a IS. No caso de conquistar cadeira/s parlamentares nacionais ou municipais, o tempo de revezamento será de 50% para o PTS, 25% para o PO e 25% para a IS.

SANTA FE
Octavio Crivaro do PTS encabeçará a chapa de deputados federais, seguido de companheiros do PO e IS em segundo e terceiro lugar respectivamente. A chapa de conselheiros de Rosário será encabeçada por Virginia Griolía do PTS, seguida pelo PO e IS, enquanto que a de Santa Fe é encabeçada pelo PO e depois pelo PTS. Além disso se apresentaram candidatos em outro 15 municípios. No caso de conquistar cadeira/s parlamentares, qualquer que seja sua origem jurisdicional, o revezamento terá lugar entre os três partidos que integram a Frente, e se distribuirá segundo a porcentagem de votos obtidos nas PASO de 2015 na jurisdição correspondente.

CÓRDOBA
Neste distrito será a companheira Liliana Olivero (IS) quem encabeça a chapa de deputados nacionais, seguida por um companheiro do PTS e em terceiro lugar um companheiro do PO. No caso de conquistar cadeiras parlamentares, o revezamento terá lugar também entre os três partidos que integram a Frente, razão pela qual os companheiros/as do PTS serão os que assumirão a responsabilidade de representar a Frente de Izquierda como deputados e legisladores durante 37% do tempo, ficando o tempo restante a ser dividido entre PO e IS que se apresentaram nas PASO da FIT em uma chapa comum nesse ano.

JUJUY
A chapa de deputados nacionais será encabeçada por Alejandro Vilca do PTS, seguido pelo PO. O PTS encabeça também as chapas para senador nacional, deputados provinciais e conselheiros. No caso de conquistar uma cadeira nacional ou provincial, a mesma será gestionada integralmente pelo PTS. No caso de conquistar duas cadeiras provinciais, na segunda serão 3 anos para o PTS e 1 ano para o PO.

TUCUMÁN
A chapa de deputados nacionais em Tucumán será encabeçada pelo PO, seguido pelo PTS. No caso de conquistar cadeiras parlamentares, o revezamento terá lugar entre os dois partidos que integram a Frente, e se distribuirá segundo a porcentagem de votos obtidos nas PASO de 2015. (51% PTS, 49% PO)

SALTA
Neste distrito encabeçam as chapas nacionais, provinciais e municipais companheiros do PO e se intercalam nas chapas companheiros/as do PTS. No caso de obter cargos, os gestionarão companheiros do PO.

RÍO NEGRO
O PO encabeça a chapa de deputados nacionais, seguido por companheiros do PTS e IS, nessa ordem. No caso de conquistar cadeira/s parlamentares, o tempo se distribuirá de forma igualitária entre os três partidos.

Por outro lado, em Santa Cruz encabeça o PO e em La Rioja a IS. Em San Luis, La Pampa, Chubut, Tierra del Fuego, Catamarca, Formosa, San Juan, Misiones, Santiago del Estero e Chaco se apresentam os integrantes da FIT que tem personalidade, incorporando candidatos de outros partidos da frente.




Tópicos relacionados

Mundo Operário   /    Internacional

Comentários

Comentar