Cultura

EM DEFESA DA ARTE

Artistas se organizam para trazer ‘QueerMuseu’ ao Rio

Juan Dias

RIO DE JANEIRO

quinta-feira 5 de outubro| Edição do dia

A polêmica aberta pela exposição “Queermuseu – Cartografias da diferença na arte brasileira” que foi cancelada pelo Santander Cultural em Porto Alegre continua tendo novos episódios no Rio de Janeiro. Após a notícia de que o Museu de Arte do Rio (MAR) iria receber a exposição na cidade e após o bispo-prefeito censurar a exposição na mesma semana que a câmera municipal de vereadores da cidade do Rio de Janeiro virar um culto,um grupo de artistas decide lutar em defesa da liberdade na arte e articulam um financiamento independente para remontar a exposição em algum outro museu ou centro cultural no Rio de Janeiro. Por exemplo, a direção do Parque Lage mostrou interesse em receber a “QueerMuseu” no Rio de Janeiro.

O interesse foi reforçado por André Lazaroni, secretário estadual de Cultura do RJ. Os produtores avaliam de trazer a exposição para iniciar uma campanha de conscientização contra a onda de ataques contra a liberdade artística no Brasil. É um aproveitamento político dos setores mais reacionários da sociedade que cria uma falsa polêmica atribuindo elementos como zoofilia e pedofilia que inexistem nas obras de arte em questão e atribuindo-as a posições de esquerda numa campanha tão absurda, quanto revoltante com setores como o MBL à frente.

Enquanto isso, os ataques contra a classe trabalhadora como a reforma trabalhista e da previdência, ataques contra a juventude como a redução da maioridade penal e ataques contra a diversidade como é a liminar da cura gay avançam impulsionados pelos golpistas e pelos setores reacionários nos espaços de decisão do estado. O absurdo é tal que o curador da exposição foi convocado à CPI dos Maus Tratos que investiga abusos e violência contra crianças e adolescentes.

Após o prefeito Crivella proibir de receber a exposição no MAR, o Instituto Odeon, gestores do museu publicou nota onde critica a decisão do prefeito e coloca que “Silenciar as discussões incômodas é não encarar os conflitos inerentes à sociedade. Por isso, a não realização de ‘Queermuseu’ não impedirá que aconteça o debate que era, fundamentalmente, a intenção do MAR na reabertura desta exposição”.




Tópicos relacionados

Censura   /    Arte   /    Rio de Janeiro   /    Cultura

Comentários

Comentar