Sociedade

SOLIDARIEDADE CONTRA A TORTURA

Arrecadação para remover tatuagem de jovem torturado bate a meta e ele passará por cirurgia

O jovem de apenas 17 anos que foi preso e torturado por um tatuador e seu amigo por uma suposta tentativa de roubo de bicicleta teve sua testa gravada com os dizeres "sou ladrão e vacilão". Uma arrecadação pela internet para a remoção da tatuagem tinha como meta angariar R$ 15 mil reais para a remoção, e já chega a quase R$ 20 mil. Além da remoção, a vaquinha irá ajudar a custear o processo contra o torturador e o tratamento para dependência química do jovem.

segunda-feira 12 de junho| Edição do dia

A sessão de tortura a que foi submetido o jovem chocou e indignou muita gente, que ficou inconformada com a barbárie da ação cometida contra ele.

Após de amarrá-lo, humilhá-lo e tatuar os dizeres, o tatuador e seu amigo ainda andaram com ele pela rua exibindo a tatuagem antes que fosse liberado, e posteriormente divulgaram nas redes sociais um vídeo em que exibiam a tortura sendo feita. Ambos foram presos em flagrante por tortura, na sexta-feira à noite.

Além da revolta, uma grande onda de solidariedade surgiu para ajudar o jovem a remover a tatuagem. Uma vaquinha foi iniciada na internet pelo Coletivo Afroguerrilha com o objetivo de arrecadar R$ 15 mil reais para a remoção dos escritos, e já ultrapassou sua meta em pelo menos cinco mil reais, com ainda quase 60 mil reais pendentes de boletos ainda não pagos de doação. Contudo, os criadores da vaquinha alertaram que havia perfis falsos (fakes) gerando boletos com grandes quantias para boicotar a arrecadação. Além disso, toda contribuição continua sendo bem vinda pois além da remoção da tatuagem o dinheiro será usado para o custeio do processo contra o torturador e para auxiliar no tratamento para dependência química do jovem.

De acordo com o advogado Ariel de Castro Alves, que é coordenador da Comissão dos Direitos da Criança e do Adolescente do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos Humanos da Pessoa Humana e assumiu o caso de defesa do jovem, a família foi procurada por clínicas que se ofereceram para fazer o serviço de remoção gratuitamente.

O jovem de 17 anos tem problemas de dependência com álcool e drogas, e estava sumido de casa desde a sua última recaída, no dia 31 de maio. Quando ele foi preso para ser submetido à tortura, ele estava alcoolizado e sob efeito de drogas. Ele faz tratamento no Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) de São Bernardo do Campo. Ele mora na cidade com seu tio e avô, ambos sem emprego ou qualquer fonte de renda, e estão sendo ameaçados de despejo. Na tarde de domingo, após o episódio com o jovem, eles se encontravam sem ter o que comer em casa.




Tópicos relacionados

Sociedade

Comentários

Comentar