Mundo Operário

Após 9 dias prefeitura paga salários e direitos, e profissionais da saúde de Marília terminam greve

Profissionais que estavam há mais de uma semana em greve decidiram em assembleia, ontem (28/12) pelo fim da greve após receberem o pagamento do salário e 13º atrasados. As atividades do programa Estratégia Saúde da Família voltaram hoje, quinta-feira.

quinta-feira 29 de dezembro de 2016| Edição do dia

Uma parte dos salários e 13º haviam sido pagos para parte dos funcionários da área da saúde na semana passada. Entretanto, parte dos profissionais, no caso dos médicos, continuaram sem receber, o que os levou à decidir pela manutenção da greve até que a prefeitura de Vinícius Camarinha (PSB) e a Associação Maternidade Gota de Leite (do terceiro setor) resolvessem o problema. Além dos salários regulares e do 13º que estavam atrasados, os valores referentes aos plantões feitos pelos profissionais também estavam sem pagar.

Na tarde de ontem, quarta-feira, aconteceu a assembleia dos médicos, que terminou por volta das 16h e dessa forma só voltaram ao atendimento no dia hoje. Segundo a associação, e o sindicato da categoria, o repasse da prefeitura já havia sido confirmado no final da tarde, mas isso não significa que os atrasos deixarão de ocorrer.

Na semana passada, além dos médicos, também protestaram em frente ao Paço Municipal, dezenas de trabalhadoras, técnicos, profissionais e funcionários da saúde de Marília e do programa Estratégia Saúde da Família (ESF) em virtude da precarização, privatização e falta de estrutura, salários e direitos (como o 13º) – e nós do Esquerda Diário noticiamos aqui.

Atraso também nos salários dos servidores públicos

Além dos funcionários e profissionais da saúde, os servidores públicos da cidade também estavam sem receber o 13º salário e ameaçavam fazer um protesto e entrar em greve. O 13º já havia atrasado anteriormente e a prefeitura tinha negociado e prometido pagar de forma parcelada nos dias 23 e 27. No dia 23 o pagamento ocorreu, mas como no dia 27 os servidores não viram nenhum sinal do pagamento, começaram a se organizar para protestar em frente à prefeitura.

Só que com o acúmulo de protestos na cidade no final do ano – como dos estudantes e professores contra a PEC 241/55, das merendeiras, dos funcionários da saúde e pela falta de coleta de lixo na cidade – o prefeito Camarinha (PSB) e seus assessores trataram de conter mais essa sangria e também efetuaram o pagamento restante dos servidores.

É interessante notar que os direitos, serviços e conquistas que os brasileiros conseguiram após o fim da ditadura militar, com a Constituição de 1988, estão sendo jogados no lixo desde os anos 90 com as privatizações do PSDB/DEM e nos anos 2000 com as concessões do PT/PCdoB que passaram a responsabilizar mais os municípios sem garantir os recursos necessários – justamente para que os direitos e serviços públicos passassem a ser precarizados e privatizados. Nesse cenário, seja com PSDB ou com PT, o PMDB sempre está como aliado para garantir os interesses dos empresários e patrões corruptos.

Por isso, é importante que discutamos e lutemos desde as assembleias nos locais de trabalho, bairro, escolas e universidades por uma Assembleia Constituinte Livre e Soberana, imposta pela luta, e que busque reverter todo o processo de ataques e retiradas de direitos e serviços que os jovens e trabalhadores de todo o Brasil vêm sofrendo há anos – e que tem se aprofundado ainda mais com o governo golpista de Michel Temer.




Tópicos relacionados

Marília   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar