Sociedade

EXPLORAÇÃO CAPITALISTA

Amazon cria pulseira eletrônica para controlar cada movimento de trabalhadores no serviço

terça-feira 6 de fevereiro| Edição do dia

Amazon registrou a patente de uma pulseira capaz de identificar a localização e a movimentação dos trabalhadores enquanto estes estiverem trabalhando, monitorando seus movimentos e indicando, através de vibrações, para onde os seus braços deveriam ir. No Brasil e no mundo, somado aos ataques que a classe trabalhadora já vem sofrendo como a reforma trabalhista, aumento da terceirização e o trabalho intermitente, as grandes empresas já avançam em novas propostas para nos atacar ainda mais.

Já imaginou ser monitorado pelo patrão durante todo seu expediente no trabalho? Muitos trabalhadores já passam por isso, com cobranças de produtividade cada vez mais crescentes. A proposta da Amazon é uma pulseira eletrônica que mostraria a movimentação de cada pessoa, que caso se movimente para direções que não seja compatíveis com sua função, a pulseira vibrará.

A Amazon já havia sido acusada de impor condições extremamente precárias de trabalho, como jornadas de 55 horas e temporizadores de embalagem, em que obriga que os trabalhadores embalem um número determinado de caixas por hora. Tudo isso fez com que Jeff Bezos, dono da Amazon, se tornasse o homem mais rico do mundo no fim de 2017, deixando para trás 133 países em matéria de riqueza.

Veja também: O capitalismo que “deu certo”: Jeff Bezos detém fortuna maior que 133 países

Ligado aos ataques do governo golpista no Brasil, e do avanço de reformas antipopulares nos países centrais, a proposta da empresa vem para intensificar ainda mais a exploração do trabalho. As águias carecas imperialistas só conquistam seus lucros espoliando cada vez mais os trabalhadores e os países pobres.




Tópicos relacionados

exploração   /    Que os capitalistas paguem pela crise!   /    Capitalismo   /    Monopólios Capitalistas   /    Direitos Trabalhistas   /    Sociedade   /    Direitos Humanos   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar