Mundo Operário

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO USP

Ainda é possível lutar contra a desvinculação do HU

O Conselho Diretor de Base (CDB)do Sintusp chama todos os trabalhadores a organizarem escalas ainda mais reduzidas para manifestar-se, no dia 07/07, 11h30, na Faculdade de Medicina da USP exigindo “ao reitor da USP, para que acate o conjunto de proposta aprovadas pelos funcionários do HU, para manter o hospital vinculado à USP, sob administração pública direta, recuperando a plena capacidade de assistência à saúde da população e de ensino e de pesquisa. Com destaque para a contratação imediata dos profissionais de saúde necessários para isso.” (Texto escrito e aprovado pelo CDB)

Babi Dellatorre

Trabalhadora do Hospital Universitário da USP, representante dos trabalhadores no Conselho Universitário

sábado 4 de julho de 2015| Edição do dia

01/07: Trabalhadores do HU se reúnem, dizem NÃO ao relatório do PROAHSA e votam suas próprias propostas para reorganizar o hospital

Na quarta feira, 1º de julho, médicos, enfermeiras, técnicos de enfermagem e trabalhadores administrativos se reuniram e decidiram não assinar o relatório sobre o Hospital Universitário feito às escondidas pela PROAHSA (Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde). Também foram discutidas que propostas levará o representante dos trabalhadores, Dr. Gerson Salvador, para esta reunião da Comissão responsável por aprofundar o debate sobre a desvinculação do HU.

Os trabalhadores decidiram que não assinarão o relatório sobre o HU feito pela PROAHSA (Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar e de Sistemas de Saúde), pois não é possível aprovar um documento sem ler e debater antes.Além disso, Gerson Salvador, representante dos trabalhadores na Comissão que avalia a passagem do HU para a Secretaria Estadual de Saúde, explica que o relatório não representa a realidade atual, pois ”trata de um Hospital Universitário antes da demissão de 213 funcionários no Plano de Incentivo à Demissão Voluntária, da inativação de 20% de seus leitos, de 40% de sua unidade de terapia intensiva, de seu ambulatório de ortopedia, de seu pronto atendimento de oftalmologia.”Claudionor Brandão, diretor do Sintusp, alerta que "Se não tivesse nada de suspeito, por que fazer em segredo e apresentar um relatório já pronto."

Da reunião dessa comissão no dia 07/07, sairá o relatório final sobre o HU e cada membro pode apresentar propostas que serão levadas para debate e votação sobre a desvinculação no Conselho Universitário.

Os trabalhadores do HU votaram uma série de propostas a serem levadas para a reunião do dia 07/07 que vão desde medidas para melhorar a dinâmica interna de trabalho, o ensino, a pesquisa e o atendimento à população e à comunidade USP, até a gestão e financiamento do HU.

Sobre o financiamento, os trabalhadores ali reunidos referendaram que a ampliação da captação de recursos não pode se por via de cursos pagos na USP, pois esta também é uma forma de privatizar a universidade. Então, a proposta que fazem é ampliar a participação do SUS no custeio do HU.

Sobre a gestão, Brandão complementou que "deve-se manter o HU vinculado à USP sob gestão direta, garantindo que sua administração não seja entregue a nenhuma OSS." E, frente ao violento desmonte do hospital imposto pela reitoria, Brandão aponta que "é preciso adicionar a demanda de contratação imediata para garantir o pleno funcionamento do HU, com 100% de sua capacidade de atendimento, ensino e pesquisa. E a reabertura de tudo o que foi fechado em decorrência da falta de mão de obra, agravada pelo PIDV."
Em reunião do Conselho Diretor de Base do Sintusp, foi aprovado fazer um ato durante a reunião dessa Comissão, que será dia 07/07 às 11h30 na Faculdade de Medicina da USP, para exigir que a reitoria acate as propostas dos trabalhadores do HU.




Tópicos relacionados

Universidade   /    São Paulo   /    Saúde   /    USP   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar