Gênero e sexualidade

VIOLÊNCIA NA USP

A voz das Mulheres sobre a violência do dia 7 de março na USP

A Secretaria de Mulheres do Sintusp publica relatos de mulheres sobre a violência policial sofrida no ato de 7 de março, durante manifestação contra a votação da "PEC do fim da USP" pelo CO (Conselho Universitário). Para garantir a votação que ataca os trabalhadores, a reitoria convocou a PM que, com bombas e agressões, reprimiu a manifestação pacífica.

segunda-feira 27 de março| Edição do dia

No dia 07 de março, cerca de mil trabalhadores, estudantes e professores compuseram um ato em frente a reitoria contra a aprovação dos Parâmetros de Responsabilidade, que altera o Estatuto da USP permitindo a demissão sumária de pelo menos 5 mil trabalhadores e também a precarização do trabalho docente e a privatização da universidade. Uma alteração tão profunda que a Universidade deixaria de ser o que conhecemos, aumentando o distanciamento do ensino universitário público e do conhecimento aqui produzido da população.

Decidido a aprovar tal medida logo após o carnaval, sem nenhuma discussão com a comunidade, Zago lança mão de uma forte violência policial e grande abuso de poder deixando diversos feridos, em particular mulheres trabalhadoras e estudantes, exatamente no dia anterior ao dia Internacional de Luta das Mulheres, o 8 de março.

Sem constrangimento com tantas mulheres feridas, Zago inicia a reunião do Conselho Universitário chamando os manifestantes de totalitários e nos responsabilizando pela violência. Entretanto, é justamente essa pequena cúpula monárquica escolhida divinamente que aprova mudanças sem consultar a maioria e, a violenta ação da polícia militar, conhecida mundialmente pelas chacinas ao povo negro, estupros e corrupção que operou à mando de Zago o ataque aos manifestantes.

Em todas as sociedades podemos ver seu nível de desenvolvimento pela forma como trata suas mulheres. A forma como Zago vem tratando as mulheres da USP, com violência, fechando creches e bandejões, aumentando o trabalho terceirizado leva a um profundo retrocesso humano. Por isso escolhemos mostrar o que aconteceu no dia 07 de março através dos olhos das mulheres, um dos setores mais oprimidos da sociedade e da nossa universidade, pois esses são também olhos dos que mais anseiam pelo novo.

Agradecemos a todas as mulheres, que passaram por suas dores mais uma vez para participar da campanha e mostrar com suas palavras o que aconteceu naquele dia. Cada relato é forte e rico em detalhes, compondo a exata imagem do terror que cada manifestante presenciou e viveu. Nessa semana, a partir de hoje, publicaremos uma série desses relatos, acompanhem pela Página da Secretaria de Mulheres!
Se você tiver algum relato e quiser participar da campanha, entre em contato com a Secretaria de Mulheres pela nossa página ou por alguma das mulheres integrantes.

Abaixo seguem os links dos relatos, atualizados conforme publicação da Secretaria de Mulheres:

Nani Figueiredo, professora da creche.

Isadora de Andrade Guerreiro, mãe da creche

Diana Assunção, Trabalhadora da FEUSP

Dinizete Xavier, Trabalhadora do Centro de Saúde-Escola Butantã

Andreia, trabalhadora da FAU

M.B., 27 anos, graduanda na USP

Cris Andrada – pesquisadora (pós-doutorado - IP-USP)

Marcela de Palmares, estudante de Educação Física e ativista da Secretaria de Negras e Negros

E.L.D., trabalhadora

Carolina Natalia Perrella, trabalhadora da Creche

Fernanda, trabalhadora da Prefeitura do Campus

Marina Macambyra, trabalhadora da ECA

Ana Helena, educadora da Creche

Mariana Scola, estudante da FFLCH




Tópicos relacionados

Secretaria de Mulheres do Sintusp   /    mulheres   /    Luta contra ajustes na USP   /    Violência contra a Mulher   /    USP   /    Gênero e sexualidade   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar