Mundo Operário

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

A recomendação é "o HU se mantém na USP": importante conquista dos trabalhadores

Babi Dellatorre

Trabalhadora do Hospital Universitário da USP, representante dos trabalhadores no Conselho Universitário

quarta-feira 8 de julho de 2015| Edição do dia

Neste dia 07/07, os trabalhadores da USP se manifestaram em frente à reunião da Comissão criada pela reitoria para avaliar a desvinculação do Hospital Universitário, que ocorria na Faculdade de Medicina. Levaram suas propostas e conseguiram chegar num consenso com os demais membros da comissão: que o HU permaneça vinculado à USP sob sua administração.

Com a presença dos trabalhadores do HU, do HRAC e do Conselho Diretor de Base conseguimos que José Otávio, presidente do Conselho Deliberativo do HU, e Waldyr Jorge, superintendente do HU, se reunissem com todos os presentes para debater quais propostas seriam levadas em consenso como recomendações da Comissão para a reitoria.

Durante o debate os trabalhadores denunciaram as péssimas condições nas quais vem trabalhando devido a falta de funcionários, agravada com a saída de mais de 200 trabalhadores com o PIDV. Em particular a situação crítica da enfermagem que teve redução de 40% de seus trabalhadores, aumentando o número de acidentes de trabalho e afastamento por licença médica, como relatou Gláucia, técnica de enfermagem da Clínica Cirúrgica.

José Otávio e Waldyr Jorge afirmaram que "não há interesse em desvincular o HU", que "o HU não será desvinculado". Este acordo de hoje é uma importante conquista fruto da luta dos trabalhadores da USP que durante sua greve de 118 dias, em 2014, foram uma força política capaz de se contrapor a reitoria e mudar o destino do HU e junto a situação do atendimento à saúde da população da região.

Claudionor Brandão, diretor do Sintusp, também comemorou o acordo em manter o HU vinculado à USP sob administração direta, tal como está, buscando ampliar o financiamento com verba pública. E destacou que não podemos esquecer da população, o HU está numa região que carece muito de atendimento à saúde e a solução para os problemas do hospital não pode ser restringir o atendimento à população. Ao contrário, os trabalhadores devem buscar o apoio da população para seguir a luta por contratação de funcionários e melhorias para os equipamentos de saúde da região.

A contratação imediata de funcionários não foi um acordo dentro da comissão. Agora é preciso continuar mobilizados e seguir a luta por esta demanda e pela garantia que o Conselho Universitário acate as recomendações da Comissão.




Tópicos relacionados

Saúde   /    USP   /    São Paulo (capital)   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar