Internacional

ELEIÇÕES EUA

A corrida à Casa Branca já está definida?

Celeste Murillo

Argentina | @rompe_teclas

sexta-feira 25 de março de 2016| Edição do dia

As primarias e o caucus de 22 de março deixaram um ganhador claro do lado republicano. Trump se mantém favorito, apesar de que Ted Cruz ganhou em Utah e assegurou a totalidade dos delegados ao superar 50% (o estado tem o mecanismo de que o candidato que supera essa barreira leva tudo).
A vitória do multimilionário no Arizona lhe garantiu a maior quantidade de delegados (58) e ampliou a diferença com o texano Cruz que o segue na corrida pela nomeação. Embora Kasich se mantenha como candidato perdeu contra o “fantasma de Rubio” no Arizona, apesar de que este último já se retirou da corrida presidencial.
Cruz reúne hoje o apoio e as esperanças dos líderes do partido que se opõem a Trump. Mostra disto foi o apoio de Jeb Bush, o “favorito” hoje retirado do establishment republicano.
Todos correm para nomear Hillary
Entre os democratas Hillary Clinton ampliou sua vantagem ao impor-se no Arizona e ficar com 44 delegados. O dia amanheceu com a sentença de uma corrida encerrada pelos principais meios de comunicação que, como a CNN, proclamaram vitórias decisivas de Clinton e Trump e descreveram como “morais” as vitorias de Sanders em Utah e Idaho.
Mas se formos aos números, a jornada terminou com 55 delegados para Hillary Clinton e 73 para Bernie Sanders (2016 Delegate Count and Primary Results).
Na soma total, Clinton segue em vantagem a Sanders com 1223 delegados contra 920 do senador de Vermont. Mas esta brecha de 14% se duplica ao incluir os superdelegados na conta. Porém, a diferença se estreitou entre a Super-terça e a eleição de 22 de março.

Então, conto ou realidade?

O establishment democrata, começando pela própria Hillary Clinton, se beneficiou da candidatura de Bernie Sanders porque fez a corrida presidencial atrativa e deu a oportunidade a Clinton de mostrar-se como uma candidata realista. Em contra posição, Bernie Sanders é mostrado como um idealista que quer coisas boas mas impossíveis como plano de saúde universal ou educação superior gratuita.
O objetivo da campanha de Clinton é mostrar-se como candidata indiscutível. O da campanha de Sanders é demonstrar que é um candidato viável. Em última instancia, ainda que a matemática mate a retórica, há muito mais do que isso em jogo. Porque além das críticas delimitadas de Sanders ao mecanismo interno do partido para eleger seus candidatos, ninguém pode assegurar hoje como se traduzirá a potencial derrota na base que sustenta a campanha que promete a “revolução política”.
Em 26 de março serão realizados os caucus [primárias] democratas no Alaska, Hawaii e Washington. Apesar dos relatos da nomeação definitiva de Clinton, a competição hoje segue aberta.




Tópicos relacionados

Eleições Estados Unidos   /    Estados Unidos   /    Internacional

Comentários

Comentar